Assembleia Da República

O socialismo e a intransigente defesa da legalidade

Autor
  • Vicente Ferreira da Silva
222

No Estado Novo havia corrupção, leis feitas à medida, cartéis. E não existia liberdade, responsabilidade, ética. É deveras curioso mas, considerando a realidade de 2018, devemos viver no Estado Velho!

Algumas notas introdutórias são necessárias para a compreensão desta reflexão. Primeiro, ética tem origem na palavra grega ethos que significa «costume superior» ou «portador de carácter» abrangendo pensamento e comportamento. Segundo, a maioria das pessoas desconhece que Adam Smith antes da Riqueza das Nações escreveu a Teoria dos Sentimentos Morais, cujo objecto de análise é a filosofia moral através do carácter. Sendo complementares não é possível dissociar os conceitos destas duas obras. Terceiro, a liberdade é um valor e não um instrumento ou um mecanismo. A liberdade é o mais alto dos valores e dela decorre toda a responsabilidade.

Sabemos que o socialismo opta pela igualdade em detrimento da liberdade. Ora, exigindo a liberdade responsabilidade e responsabilização, esta não é possível sem sustentação ética. Logo, a ética não é um requisito fundamental para o socialismo.

Um dos maiores paradoxos da física de Isaac Newton é que a mecânica clássica produziu incerteza. Na mecânica quântica, onde é necessário ter em conta a condição de um sistema num determinado momento, as variáveis são substituídas por distribuições de probabilidades. Para proceder ao cálculo das probabilidades são necessários dois instrumentos matemáticos abstractos: uma função de onda e/ou um ket (vector de estado).

A relação entre Newton e os socialistas é involuntária, longa e frutuosa apesar de, como veremos, não estar isenta de perturbações. Tudo começa na alvorada de Abril. E logo nesse momento, a legalidade impôs-se à ética. Porquê? Porque é muito mais simples e conveniente a justificação de comportamentos e de opções pela legalidade. Especialmente quando nem tudo o que é legal é ético. Trata-se, basicamente, de um mecanismo de desresponsabilização.

A Revolução de Abril aconteceu porque durante o Estado Novo havia nepotismo, favorecimento ilícito, corrupção, leis feitas à medida, cartéis, etc. Para além disso, também não existia democracia, liberdade, responsabilidade, ética, etc. É deveras curioso mas, considerando a realidade portuguesa de 2018, devemos viver no Estado Velho!

Apesar do inquestionável contributo do Dr. Mário Soares na luta contra a ditadura, a verdade é que não foi o único que a combateu. Aliás, com o devido respeito, a democracia foi um fruto que lhe caiu do alto. Todavia, contrariamente a Isaac Newton, o Dr. Mário Soares não estabeleceu nenhum conjunto de leis universais. Antes pelo contrário. Optou pela promoção das desigualdades entre os cidadãos, uma vez o sistema de governo que apoiou não só praticamente elimina a responsabilização dos titulares de cargos públicos, como também limita as liberdades, os deveres e os direitos fundamentais dos portugueses. O sistema político português, principalmente no que respeita à eleição para a Assembleia da República, é redutor e exclusivo, potenciando a cartelização e os círculos de influência tanto endógena como exogenamente.

Igualmente ouvi ao longo dos anos, o Dr. Mário Soares falar sobre a democracia e a liberdade sem, aparentemente, ter compreendido a plenitude do significado desses termos. Segundo o Dr. Mário Soares, democracia e liberdade eram a possibilidade de escolher. Até aqui tudo bem. Mas isso é insuficiente. Ambas são mais porque ter a faculdade de escolher, e de exercer essa escolha livremente, implica assumir a responsabilidade e as consequências dessa capacidade. Ou seja, liberdade não é apenas a possibilidade de escolher. Liberdade é aceitar a responsabilidade que decorre das escolhas que fazemos, condição que exige carácter e comportamento ético.

Tendo em conta a sua posição no sistema, eu diria que a tanto a função de onda como os kets dos dirigentes socialistas, ou da sua maioria, indicam um elevado nível de afastamento do compromisso ético inerente a todas estas circunstâncias. Sim. É mais um paradoxo. Não se trata duma probabilidade. É mesmo uma certeza.

Por estas razões, aqui não está em causa o princípio de Heisenberg. Não há nenhuma incerteza quando à opção pela legalidade em prejuízo da ética. Não. A secundarização da ética resulta duma escolha ponderada e deliberada. É, como já afirmei, um mecanismo de desresponsabilização.

É de estranhar que Carlos César e Ferro Rodrigues recorram à lei para justificar o reembolso das viagens? Mesmo quando o fundamento da lei é imoral? Ao contrário do que deu a entender Carlos César, a prática continuada, que, diga-se, não é exclusiva do PS, não a torna ética.

A verdade é que para um socialista, moderado ou não, o dinheiro não é dos contribuintes. É do Estado. E sendo do Estado, é dos socialistas. Como tal, podem gastá-lo como e onde bem entenderem: no reembolso de viagens, no fim do corte salarial de 5% nos gabinetes políticos, no apoio ao Novo Banco e ao Montepio, no aumento do salário mínimo em 2019, no aumento da função pública, na renegociação das PPP, etc.

E não pouparão esforços para o fazer. Tudo o que necessitam para o efeito é aumentar os impostos. E, ironia das ironias, para um socialista, aumentar os impostos não é apenas uma questão legal. É muito mais do que isso. É ético!

Post Scriptum. Ler e ouvir os que os socialistas expressam sobre a Ana Gomes é esclarecedor. O PS não quer redenção, quer continuação!

Politólogo, Professor convidado EEG/UMinho

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Democracia

O custo da não-participação

Vicente Ferreira da Silva
158

Manter a liberdade e/ou a democracia é mais difícil do que a conquistar. Fará diferença, para quem não participa, viver em democracia ou em ditadura?

Partidos e Movimentos

Dissonância(s) cognitiva(s)

Vicente Ferreira da Silva
348

Qual é a principal diferença entre José Sócrates e António Costa? Mário Centeno! Centeno faz o que os ministros das finanças de Sócrates não conseguiram fazer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)