Rádio Observador

Assembleia Da República

O socialismo e a intransigente defesa da legalidade

Autor
  • Vicente Ferreira da Silva
222

No Estado Novo havia corrupção, leis feitas à medida, cartéis. E não existia liberdade, responsabilidade, ética. É deveras curioso mas, considerando a realidade de 2018, devemos viver no Estado Velho!

Algumas notas introdutórias são necessárias para a compreensão desta reflexão. Primeiro, ética tem origem na palavra grega ethos que significa «costume superior» ou «portador de carácter» abrangendo pensamento e comportamento. Segundo, a maioria das pessoas desconhece que Adam Smith antes da Riqueza das Nações escreveu a Teoria dos Sentimentos Morais, cujo objecto de análise é a filosofia moral através do carácter. Sendo complementares não é possível dissociar os conceitos destas duas obras. Terceiro, a liberdade é um valor e não um instrumento ou um mecanismo. A liberdade é o mais alto dos valores e dela decorre toda a responsabilidade.

Sabemos que o socialismo opta pela igualdade em detrimento da liberdade. Ora, exigindo a liberdade responsabilidade e responsabilização, esta não é possível sem sustentação ética. Logo, a ética não é um requisito fundamental para o socialismo.

Um dos maiores paradoxos da física de Isaac Newton é que a mecânica clássica produziu incerteza. Na mecânica quântica, onde é necessário ter em conta a condição de um sistema num determinado momento, as variáveis são substituídas por distribuições de probabilidades. Para proceder ao cálculo das probabilidades são necessários dois instrumentos matemáticos abstractos: uma função de onda e/ou um ket (vector de estado).

A relação entre Newton e os socialistas é involuntária, longa e frutuosa apesar de, como veremos, não estar isenta de perturbações. Tudo começa na alvorada de Abril. E logo nesse momento, a legalidade impôs-se à ética. Porquê? Porque é muito mais simples e conveniente a justificação de comportamentos e de opções pela legalidade. Especialmente quando nem tudo o que é legal é ético. Trata-se, basicamente, de um mecanismo de desresponsabilização.

A Revolução de Abril aconteceu porque durante o Estado Novo havia nepotismo, favorecimento ilícito, corrupção, leis feitas à medida, cartéis, etc. Para além disso, também não existia democracia, liberdade, responsabilidade, ética, etc. É deveras curioso mas, considerando a realidade portuguesa de 2018, devemos viver no Estado Velho!

Apesar do inquestionável contributo do Dr. Mário Soares na luta contra a ditadura, a verdade é que não foi o único que a combateu. Aliás, com o devido respeito, a democracia foi um fruto que lhe caiu do alto. Todavia, contrariamente a Isaac Newton, o Dr. Mário Soares não estabeleceu nenhum conjunto de leis universais. Antes pelo contrário. Optou pela promoção das desigualdades entre os cidadãos, uma vez o sistema de governo que apoiou não só praticamente elimina a responsabilização dos titulares de cargos públicos, como também limita as liberdades, os deveres e os direitos fundamentais dos portugueses. O sistema político português, principalmente no que respeita à eleição para a Assembleia da República, é redutor e exclusivo, potenciando a cartelização e os círculos de influência tanto endógena como exogenamente.

Igualmente ouvi ao longo dos anos, o Dr. Mário Soares falar sobre a democracia e a liberdade sem, aparentemente, ter compreendido a plenitude do significado desses termos. Segundo o Dr. Mário Soares, democracia e liberdade eram a possibilidade de escolher. Até aqui tudo bem. Mas isso é insuficiente. Ambas são mais porque ter a faculdade de escolher, e de exercer essa escolha livremente, implica assumir a responsabilidade e as consequências dessa capacidade. Ou seja, liberdade não é apenas a possibilidade de escolher. Liberdade é aceitar a responsabilidade que decorre das escolhas que fazemos, condição que exige carácter e comportamento ético.

Tendo em conta a sua posição no sistema, eu diria que a tanto a função de onda como os kets dos dirigentes socialistas, ou da sua maioria, indicam um elevado nível de afastamento do compromisso ético inerente a todas estas circunstâncias. Sim. É mais um paradoxo. Não se trata duma probabilidade. É mesmo uma certeza.

Por estas razões, aqui não está em causa o princípio de Heisenberg. Não há nenhuma incerteza quando à opção pela legalidade em prejuízo da ética. Não. A secundarização da ética resulta duma escolha ponderada e deliberada. É, como já afirmei, um mecanismo de desresponsabilização.

É de estranhar que Carlos César e Ferro Rodrigues recorram à lei para justificar o reembolso das viagens? Mesmo quando o fundamento da lei é imoral? Ao contrário do que deu a entender Carlos César, a prática continuada, que, diga-se, não é exclusiva do PS, não a torna ética.

A verdade é que para um socialista, moderado ou não, o dinheiro não é dos contribuintes. É do Estado. E sendo do Estado, é dos socialistas. Como tal, podem gastá-lo como e onde bem entenderem: no reembolso de viagens, no fim do corte salarial de 5% nos gabinetes políticos, no apoio ao Novo Banco e ao Montepio, no aumento do salário mínimo em 2019, no aumento da função pública, na renegociação das PPP, etc.

E não pouparão esforços para o fazer. Tudo o que necessitam para o efeito é aumentar os impostos. E, ironia das ironias, para um socialista, aumentar os impostos não é apenas uma questão legal. É muito mais do que isso. É ético!

Post Scriptum. Ler e ouvir os que os socialistas expressam sobre a Ana Gomes é esclarecedor. O PS não quer redenção, quer continuação!

Politólogo, Professor convidado EEG/UMinho

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

Liberdade para bons vs liberdade para os maus

Vicente Ferreira da Silva
159

Nazistas, fascistas, marxistas e trotskistas acontece serem todos inimigos da liberdade e da democracia. Hitler e Mussolini tinham mais em comum com Marx e Trotsky do que com qualquer pensador liberal

25 de Abril

Princípio da União de Interesses

Vicente Ferreira da Silva
359

O nosso sistema de governo promove desigualdades entre os cidadãos, elimina a responsabilidade dos titulares de cargos públicos e limita as liberdades, os deveres e os direitos fundamentais.

Assembleia Da República

Atentados às crianças /premium

Maria João Marques
171

Não vejo bem como defender um quadro legal que permite que o agressor continue a contactar a vítima criança, muitas vezes usando-a para atormentar a mãe (o que também atormenta a criança).

Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido
166

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)