Eurogrupo

Os insólitos casos de Robert Laing e Mário Centeno

Autor
  • João Cândido da Silva
310

Pedro Passos Coelho, Vítor Gaspar e Maria Luis Albuquerque acabam de ganhar um apoiante inesperado. Chama-se Mário Centeno, na versão de presidente do Eurogrupo.

“Mais tarde, sentado na varanda a comer o cão, o Dr. Robert Laing reflectiu sobre os estranhos acontecimentos que nos últimos três meses tinham ocorrido no interior do prédio enorme”. É desta forma intrigante e eficaz que, em pouco mais do que três linhas, J.G. Ballard amarra a atenção do leitor no arranque de “Arranha-Céus”.

Quem decida embrenhar-se na leitura desta distopia vai descobrir a perspectiva de Ballard sobre o que pode suceder no interior de um edifício descomunal de quarenta pisos e mil apartamentos quando a natureza humana é deixada à solta e entregue a si própria. Será difícil evitar sentir-se consumido, logo na primeira página, pela curiosidade de saber que eventos bizarros terão acontecido neste empreendimento, que soma a arquitectura megalómana a uma experiência de engenharia social, para que o regresso a uma vida normal e tranquila seja compatível com o cenário de uma aprazível refeição ao ar livre em que o prato principal é o animal que, antes de passar pelo forno, seria considerado de estimação.

Ao escrever “Arranha-Céus”, Ballard jamais terá pensado em eventuais futuras polémicas entre Mário Centeno e Yanis Varoufakis, o ministro das Finanças da Grécia que, em 2015, com a economia do país a deslizar para o abismo e os bancos sob a ameaça de terem de fechar as portas por falta de liquidez, ensaiou um braço-de-ferro com os credores do país. Acabou por ser ultrapassado e triturado pelo pragmatismo de Aléxis Tsipras.

O homem em quem a esquerda europeia confiava para desempenhar o papel do herói que iria colocar os sinistros mandões da zona euro na ordem pegou no referendo que dava conta da rejeição, pelos eleitores gregos, das medidas de austeridade exigidas em contrapartida de um terceiro resgate, enfiou-o na gaveta e submeteu a Grécia às exigências que lhe garantiram o dinheiro necessário para se manter à tona de água.

Tudo isto passou à história, mas a normalidade que se seguiu inclui aspectos tão insólitos quanto o do cão que a personagem criada por J.G. Ballard transforma em manjar. Tsipras, pacífico como um cordeiro, continua a aplicar as medidas que permitem à Grécia ter acesso a sucessivas parcelas do financiamento que os credores europeus aceitaram conceder. E quem faz o papel de chefe da polícia que avalia o comportamento de Atenas é Mário Centeno, presidente do Eurogrupo, a entidade de que Varoufakis se queixou amargamente por considerar que tinha mais poder do que a Comissão Europeia e que acusou de ser a verdadeira responsável pelo fracasso dos seus planos.

Nada disto seria especialmente estranho e irónico, caso o ministro das Finanças português não integrasse um Governo liderado por um primeiro-ministro que celebrou a ascensão de Tsipras ao poder como um sinal de mudança na Europa, uma espécie de reedição dos amanhãs que cantam. E que, tal como o líder do Syriza, prometeu fazer frente aos adeptos da austeridade em Bruxelas, ou onde pudessem ser encontrados, antes de também guardar a irreverência no saco e mudar de rumo, durante o primeiro semestre de 2016, quando foi forçado a tomar medidas para evitar o risco de incumprimento das metas orçamentais e poder acomodar as exigências dos parceiros do euro.

Sem surpresa, Mário Centeno vai tropeçando nas contradições inevitáveis que vêm associadas ao facto de ter de usar dois chapéus. Quando coloca o de ministro das Finanças, concede a si próprio a liberdade de fingir que a sua política orçamental não tem vestígios de contenção e austeridade. Enquanto presidente do Eurogrupo, cabe-lhe exigir desempenhos de acordo com as regras da zona euro. Neste caso, com o recurso à gíria com que os líderes europeus trocam recados.

Foi nesta qualidade que Centeno irritou Varoufakis, ao ponto de ter sido acusado pelo antigo ministro das Finanças grego de acrescentar a injúria ao insulto. Tudo isto, em resumo, porque afirmou, talvez sem se aperceber do real alcance das palavras, que se a Grécia tivesse tomado mais cedo as medidas que lhe foram pedidas, os resultados teriam, igualmente, surgido mais cedo. Entre estes frutos teriam estado “a conquista da confiança dos investidores e dos parceiros europeus”. Wolfgang Schäuble, tido como a personificação dos horrores da ortodoxia da zona euro, não o teria dito de forma mais clara.

Ficou a saber-se, afinal, que, por detrás da máscara política que adopta para ajudar a garantir a estabilidade emocional dos parceiros da coligação que sustenta o Governo do PS, Centeno, na versão de presidente do Eurogrupo, reconhece que os seus antecessores fizeram aquilo que, do seu ponto de vista, era correcto e necessário. Enquanto a Grécia desperdiçou tempo e dinheiro, Portugal aplicou as medidas duras que lhe foram colocadas em cima da mesa e conseguiu regressar aos mercados ainda antes de o programa de ajustamento que lhe cabia cumprir ter expirado. O caminho seguido por Pedro Passos Coelho, Vítor Gaspar e Maria Luis Albuquerque acaba de ganhar um apoiante inesperado.

Qual é a normalidade genuína de Mário Centeno? Se for a de ministro das Finanças, pode concluir-se que a sua situação não é muito diferente daquela em que Robert Laing se encontrou depois de todas as peripécias que ocorreram no interior do arranha-céus que prometia felicidade e autosuficiência. Mas há uma diferença. Laing não estranha estar a almoçar um cão, enquanto Centeno prefere engolir sapos. Provavelmente, sem dar por isso.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

PSD, a versão diesel do PS

João Cândido da Silva

Em política, a coerência tem um valor relativo, sujeito às mudanças de conjuntura. Se o PSD parece a versão diesel do PS, Pedro Passos Coelho e os seus apoiantes não podem sacudir a água do capote.

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)