Rádio Observador

Impostos

Para nós, as golas inflamáveis; para os outros, IRS a 20% /premium

Autor
1.030

O socialismo sempre foi assim, com dois países dentro de cada país: um para os estrangeiros, de cujo dinheiro precisa, e outro para os nacionais, que julga não poderem “fugir”.

Na mesma semana em que o país descobriu que as golas da Protecção Civil não só eram inflamáveis mas socialistas, o governo alargou a lista das profissões que garantem uma taxa de IRS de 20% a estrangeiros ou a emigrantes que decidam mudar-se para cá. Não, nem toda a gente se pode queixar: sobretudo, aqueles que ainda estão para chegar a Portugal.

Note-se que esta taxa de 20% para “residentes não-habituais” é uma “flat tax”, independente do nível do salário. Pensemos, por exemplo, em dois joalheiros – uma das profissões que agora consta da lista. Um é residente habitual e ganha 40 mil euros anuais; o outro é residente não-habitual e ganha 200 mil. O primeiro paga 45% de IRS; o segundo, 20%. Mais: o joalheiro que é residente não-habitual continuaria a pagar 20% se, em vez de 200 mil, ganhasse 400 mil ou 4 milhões de euros por ano. De facto, pagaria sempre menos do que um residente habitual que ganhe cerca de 10 000 euros, e que está sujeito, no continente, a uma taxa de IRS de 23%. Além disso, beneficiaria ainda de uma taxa de 28% sobre outros rendimentos, por exemplo mais-valias imobiliárias (para os residentes habituais, a taxa é de 50%).

Em Portugal, a carga fiscal cresce desde a década de 90. Mas quando os  cidadãos se queixam dos impostos, os altifalantes do governo insistem que é só má vontade, porque a fiscalidade portuguesa seria baixa quando comparada com a do resto da Europa. Nem vale a pena explicar-lhes que, para o nível de desenvolvimento do país, não é, e que o esforço fiscal em Portugal é, pelo contrário, dos mais elevados (37% acima do alemão). Mas se os impostos directos em Portugal, segundo a maioria governamental, são tão ínfimos, por que razão é preciso criar uma “flat tax” de 20% para seduzir estrangeiros? Não deveria bastar como chamariz uma das tributações supostamente mais leves do continente?

Em suma, o governo e a sua maioria terão concluído que o regime fiscal a que sujeitam os cidadãos residentes no país jamais atrairia para Portugal um quadro superior de empresa ou um trabalhador qualificado. A pergunta é então a seguinte: se estão convencidos de que só com impostos baixos podem persuadir estrangeiros a vir trabalhar e viver em Portugal, porque é que não concluíram que essa seria também a melhor maneira de reter e motivar os residentes habituais? De facto, parecem até ter chegado à conclusão contrária. O PCP, por exemplo, propõe-se mesmo agravar impostos, incluindo uma taxa sobre depósitos bancários (só para os “grandes” e “ricos”, diz o PCP, como de costume). Porquê? Um dos seus dirigentes explicava ontem, a propósito do IRC, que os supermercados não podiam “fugir”. Talvez julgue que os outros contribuintes também não. A ideia de “fuga” é significativa: a maioria de apoio ao governo já trata o país como uma espécie de prisão fiscal.

Segundo a imprensa, 30 mil profissionais beneficiam do regime de residente não-habitual. No caso dos pensionistas, o mesmo estatuto garante-lhes total isenção de impostos. Os outros governos europeus olham-nos como um paraíso fiscal, um off-shore atracado ao continente. Não é a diferença entre residentes habituais e não-habituais contrária ao igualitarismo da maioria? De modo nenhum. O socialismo sempre foi assim, com dois países dentro de cada país: um para os estrangeiros, de cujo dinheiro precisa, e outro para os nacionais, que julga não poderem “fugir”. Era assim na URSS e é assim em Cuba. Não estou a dizer que já somos a Cuba da Europa com que os avós da actual maioria sonharam em 1975. Mas se ao apartheid fiscal juntarmos a anedota quase soviética das golas contra incêndios que por acaso é perigoso usar durante um incêndio, começamos a ter cenário para um “Adeus, Lenine” à portuguesa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O país onde a política morreu /premium

Rui Ramos
165

As más finanças, a estagnação económica e o envelhecimento demográfico tiraram oxigénio a tudo o que relacionávamos com direita e esquerda em Portugal. Há apenas governo e oposição.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)