Constituição da República Portuguesa

Querem, podem e mandam

Autor
621

Com a ida de Marcelo a Barcelona, ficámos a saber que todos os partidos convivem bem com o acto de contornar a Constituição quando, pelos seus próprios critérios, houver um “momento excepcional”.

Facto 1: a Constituição da República Portuguesa determina que as deslocações do Presidente da República (PR) carecem de autorização prévia da Assembleia da República, conforme estipulado no artigo 129.º – “o Presidente da República não pode ausentar-se do território nacional sem o assentimento da Assembleia da República ou da sua Comissão Permanente, se aquela não estiver em funcionamento”. De acordo com o mesmo artigo, o incumprimento pode justificar perda de mandato.

Facto 2: o PR deslocou-se a Barcelona, na semana passada, para participar numa homenagem às vítimas do atentado terrorista de dia 17. Fê-lo sem a obtenção prévia de uma autorização formal dos deputados – ou seja, violando o estipulado na Constituição da República.

Facto 3: tendo o PR contactado o presidente da Assembleia da República (AR) acerca desta viagem atempadamente, mas com o parlamento de férias, a solução passou por um “mecanismo informal de decisão” (Ferro Rodrigues terá contactado todos os líderes parlamentares, que aceitaram) seguida do compromisso de, posteriormente, se regularizar a situação na próxima reunião da Comissão Permanente – leia-se, formalizar a autorização à posteriori, no dia 7 de Setembro. De acordo com o gabinete do presidente da AR, citado pelo Expresso, “para momentos excepcionais, procedimentos excepcionais”.

A sequência dos factos diz-nos então o seguinte: por uma questão de conveniência, dois órgãos de soberania (o Presidente da República e a Assembleia da República) suspenderam a Constituição, impondo um regime de excepção em virtude do que consideraram um momento excepcional. E ninguém se importou. Ora, em tempos que tanto se discute a falência das democracias europeias, eis uma prática inquietante mesmo debaixo dos nossos narizes.

Sim, a questão da viagem a Espanha não é em si problemática – a ida de Marcelo a Barcelona justifica-se, mesmo que o Estado português já estivesse representado através do primeiro-ministro. E sim, talvez a obrigação de um PR solicitar autorização ao parlamento para viajar seja actualmente pouco pertinente. Mas conceber que isso legitime que se incumpra a Constituição é exibir desconhecimento sobre o valor das regras formais numa república democrática. Ache-se o que se achar dessa obrigação formal, ela existe e está no papel. Até que uma revisão constitucional a de lá retire, a regra é para cumprir – mais ainda por quem jurou “cumprir e fazer cumprir” a Constituição. Que todos os partidos, juntos com PR e presidente da AR, concordem em desobedecer-lhe não atenua a transgressão. Pelo contrário, acrescenta-lhe gravidade: ficámos a saber que todos convivem bem com o acto de contornar a Constituição quando assim for benéfico e, pelos seus próprios critérios, houver um “momento excepcional”.

Os regimes republicanos e democráticos sustentam-se nas regras e nos procedimentos. Ou, dito de modo simples, na previsibilidade imposta por um enquadramento comum e que todos devem respeitar – no pressuposto de que ninguém está acima da lei. Mas, pelos vistos, há quem esteja. Permitir que as leis e regras sejam interpretadas conforme as conveniências, ou mesmo suspensas arbitrariamente para satisfação de necessidades tidas como “excepcionais”, é quebrar essa previsibilidade. É deteriorar a confiança dos cidadãos nas instituições políticas e no enquadramento comum em que assenta a república. É expor que as regras se aplicam a uns, mas poderão não se aplicar a outros. E é entregar o regime a quem, pelos seus critérios, define o que é “excepcional” e nos informa de quando as leis são ou não são para cumprir.

Sei que, para muitos, todo o episódio não passou de um problemazito sem importância. Mas é nestas pequenas coisas que, ao contrário do pressuposto democrático de que o povo é soberano, se vê que soberanos a sério são aqueles que determinam estas “excepções” à sua medida. Afinal, são eles que querem, podem e mandam.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

A extinção dos contratos de associação /premium

Alexandre Homem Cristo
498

Nas situações em que as escolas com contrato de associação prestam um serviço educativo melhor que a escola estadual, qual o sentido de extinguir o contrato e optar pela pior solução para os alunos?

Professores

Os sindicalistas e os cobardes /premium

Alexandre Homem Cristo
123

No PS, preferiu-se iludir os professores. No CDS, fica-se pela superfície. E o PSD, oportunista, está a colar-se aos sindicatos. Ninguém arrisca o óbvio: é preciso reformar a avaliação dos professores

Feminismo

Princesas da superficialidade /premium

Alexandre Homem Cristo
682

Uma campanha que, com base em evidências, pode levar a ganhos de saúde das mulheres e, sobretudo, das jovens mulheres, não pode ser qualificada de misógina. Pelo contrário, deve ser aplaudida.

Tribunal Constitucional

Ainda há juízes no Luxemburgo!

Francisco Pereira Coutinho e Teresa Violante

Os cortes de subsídios, ao contrário do que refere o Tribunal Constitucional no acórdão de 5 de julho de 2012, estavam previstos no memorando de dezembro de 2011. A discussão continua em aberto.

Deficiência

A indiferença à diferença

Catarina Santos Botelho
253

Vivemos tempos algo cínicos, intolerantes à diferença e promotores de formas de “idolatria” de tendências uniformizadoras: o ideal de beleza, de felicidade, de modo de vida ou de carreira a prosseguir

Mundial 2018

O dia em que o Panamá marcou um golo /premium

Bruno Vieira Amaral

É incrível como um jogo sem história – tal a diferença entre as duas equipas – acaba por ser histórico. Essa é uma das magias do Mundial, a dos pequenos prazeres estatísticos que proporciona.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)