PSD

O outro legado de Passos Coelho

Autor
438

Passos Coelho achou (bem) que, para salvar o país, não poderia preocupar-se com o PSD. Mas depois também não o guiou para o futuro. Agora, para resgatar o país da geringonça, o PSD não está preparado.

Passos Coelho tem dois legados. O primeiro é aquele que (quase) toda a gente lhe reconhece: foi o primeiro-ministro que o país precisou num momento de urgência nacional. Liderou com sucesso um duríssimo processo de ajustamento financeiro, reformou áreas-chave para o desenvolvimento da economia (como as rendas e o código de trabalho), abalou os poderes instalados da oligarquia portuguesa – a queda de Ricardo Salgado, após Passos lhe recusar dar a mão, é apenas o exemplo mais evidente. Foi firme na defesa do que acreditou ser, em cada momento, a melhor opção para o país – o que não significa ter tido sempre razão (longe disso), mas que assumiu para si o ónus de tomar decisões particularmente exigentes quando nenhuma das opções disponíveis era boa. Foi persistente quando, em 2013, rejeitou a demissão de Paulo Portas, momento decisivo na história recente do país. A recuperação económica, que hoje se vive e que arrancou em 2013, tem muito do seu cunho. Nunca foi um comunicador nato, nem nunca evidenciou esforço em seguir os truques mediáticos que conseguem disfarçar as más notícias – falou verdade sobre a situação que o país vivia e venceu eleições legislativas em 2011. E, embora a vitória eleitoral tenha sido insuficiente para governar, o tempo deu-lhe razão: mesmo com António Costa em São Bento, os dados revelam que, no governo, a esquerda tem aplicado uma contenção orçamental tão ou mais rigorosa para o funcionamento dos serviços públicos. Afinal, onde PS-PCP-BE viram neoliberalismo de Passos Coelho, havia somente a dura realidade do ajustamento das contas públicas que também o PS teve de prosseguir. É muito provável que a história lhe faça justiça.

Mas isto veio com um preço. E é esse o outro legado de Passos Coelho, que, mal anunciou a saída da presidência do seu partido, veio à tona: o PSD está um deserto. Passos Coelho esteve quase oito anos na liderança do PSD – na história do partido, só Cavaco Silva esteve mais tempo (10 anos). Mas, focado no país, optou por uma liderança elástica e nunca escondeu um certo desinteresse quanto às lutas e necessidades do partido. Uma das suas famosas sentenças – “que se lixem as eleições, o que interessa é Portugal” – resumiu-o de forma lapidar: os sociais-democratas foram cedo informados que os interesses do partido (dos deputados, dos militantes) viriam sempre em segundo lugar, enquanto Passos Coelho fosse primeiro-ministro. Mas o desinteresse de Passos Coelho pelas dinâmicas internas do partido prevaleceu depois, já na oposição. As recentes autárquicas mostraram-no de forma inequívoca: em Lisboa e no Porto, Passos Coelho não se impôs às intrigas dos órgãos distritais e concelhios (como devia tê-lo feito), e validou que o PSD apresentasse candidaturas decorativas, que satisfizeram agendas internas mas fragilizaram a percepção nacional sobre o partido. Passos Coelho teve sempre um rumo para o país, mas nunca desenhou um caminho para o PSD.

O resultado está à vista: a confiar na campanha eleitoral em curso, o futuro do PSD não virá com gente nova, nem com propostas inovadoras, nem com a defesa de um posicionamento político de centro-direita (à medida da bipolaridade parlamentar que a aliança das esquerdas criou). Pelo contrário, o que se tem assistido tem mostrado os barões partidários de sempre a orientar as campanhas, uma ausência de ideias e um certo pudor em sair da matriz social-democrata de centro-esquerda, que fazia sentido em 1980 mas já não faz hoje – ainda mais quando, após uma aliança parlamentar das esquerdas, os equilíbrios políticos se bipolarizaram. Não se sente que dali possa surgir uma alternativa política.

Passos Coelho, quando primeiro-ministro, sentiu que, para salvar o país, não poderia preocupar-se com o PSD. Teve razão. Mas, também nestes últimos dois anos de oposição, não guiou o partido para o que viria a seguir. Foi um dos seus erros. O legado fica, com um preço por pagar: agora que é preciso resgatar o país da frente de esquerda, o PSD não está preparado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Congresso do PSD

A (só) aparente ruptura no PSD

Alexandre Homem Cristo
149

Não há razões para mudanças de rumo no PSD. E, por isso, talvez os primeiros desiludidos com Rui Rio venham a ser aqueles que (como Pacheco Pereira) viram nele a oportunidade de se vingarem de Passos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site