Os banco gregos, fechados desde 29 de junho, vão reabrir hoje, sendo que os levantamentos em dinheiro e as compras com cartões de crédito serão flexibilizados, segundo refere um decreto governamental divulgado no sábado.

A decisão surge na sequência de o Banco Central Europeu (BCE) ter anunciado que irá reforçar os fundos de emergência para o setor bancário, desde que Atenas concordasse com as reformas necessárias para negociar um novo resgate financeiro.

A partir de hoje, os gregos, poderão levantar somas mais avultadas diariamente, desde que não ultrapassem os 420 euros por semana, o que estava interdito há três semanas, mas o controlo de capitais mantém-se.

Os cartões de crédito, por sua vez, só poderão ser utilizados dentro da Grécia.

Já as transferências para o estrangeiro vão continuar limitadas, mas é permitido aos pais com filhos a estudar fora que efetuem transferências até 5.000 euros por trimestre e aqueles que tiverem de realizar atos médicos podem dispor de, até, 2.000 euros.

Hoje é também o dia em que a Grécia vai saldar, previsivelmente, parte das suas dívidas aos credores internacionais.

Está previsto que a Grécia receba hoje um crédito de 7.000 milhões de euros da zona euro destinado a cobrir as suas necessidades mais imediatas, nomeadamente, a devolução de 3.500 milhões ao Banco Central Europeu (BCE).

Atenas deverá também devolver 1.500 milhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI), uma dívida que deveria ter sido liquidada a 30 de julho, mas que não aconteceu.