Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os aeroportos são internacionalmente conhecidos por serem um repositório de bactérias. Mas, se acha que os terminais são um poço de doenças, fique a saber que os aviões também não lhes ficam atrás.

De modo a testar a limpeza dos voos comerciais, o site de viagens Travelmath enviou um microbiologista a cinco aeroportos norte-americanos. Ao todo, foram recolhidas 26 amostras em quatro voos diferentes, realizados por duas das maiores companhias norte-americanas. Os resultados foram surpreendentes.

Segundo um comunicado divulgado pela Travelmath, citado pela CNN, os locais com o maior número viável de bactérias são os tabuleiros, usados pelos passageiros para comerem as refeições ou para pousarem o computador. Em média, o tabuleiro de um avião tem 2.155 unidades de formação de colónias (UFCs) por centímetro quadrado — ou seja, 2.155 bactérias viáveis por centímetro quadrado.

Segundo o Travelmath, um número tão elevado de UFCs deve-se ao facto de a tripulação ter pouco tempo entre voos para limpar como deve ser os bancos dos passageiros. As casas de banho, por outro lado, são limpas frequentemente. Para evitar a transmissão de bactérias, o comunicado emitido pelo site refere que é importante “eliminar qualquer contacto direto entre a comida e o tabuleiro”.

Em segundo lugar na lista dos locais mais sujos, surgem os bebedouros, com 1.240 UFCs, e, em terceiro, as ventoinhas, que se encontram por cima dos bancos. Fique a conhecer os seis lugares mais sujos de um avião (do mais sujo para o menos sujo):

  1. Tabuleiros: 2.155 UFCs/cm2
  2. Bebedouros: 1.240 UFCs/cm2
  3. Ventoinhas: 285 UFCs/cm2
  4. Torneiras das casas de banho: 265 UFCs/cm2
  5. Fivelas dos cintos de segurança: 230 UFCs/cm2
  6. Fechaduras das portas das casas de banho: 70 UFCs/cm2

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR