Sondagens

Sondagem. PS reforça liderança

299

Socialistas mantêm a tendência de crescimento, no estudo de opinião para o Expresso/SIC. O partido de António Costa já só precisaria de um partido à sua esquerda para obter a maioria absoluta.

TIAGO PETINGA/LUSA

PS e PSD estão separado por oito pontos nas intenções de voto, de acordo com um estudo de opinião da Eurosondagem feito para o Expresso e a SIC. Os socialistas reforçaram a liderança que traziam do último estudo e recolhem agora 38% das intenções de voto. Entre os partidos que apoiam o Governo na Assembleia da República, o caso é ligeiramente diferente: tanto o BE como a CDU perdem pontos.

Num mês, as contas fazem-se assim:

  • O PS subiu 1% em relação ao resultado de novembro (e está com os tais 38%);
  • O PSD cai 0,4 pontos (para os 30%);
  • O BE perde 0,6% ( surge com 9,1% das intenções);
  • E a CDU perde um pouco mais, com uma descida de 0,5% (para os 7,7%);
  • Ainda que no fundo da tabela, CDS e PAN acompanhar a onda positiva do Governo e recolhem respetivamente, mais 0,2 e 0,5% das intenções de voto — fossem agora as eleições e os partidos obteriam 6,8 e 1,6%.

Isto significa que PSD e CDS — que, em 2015, concorreram juntos, sob a sigla da coligação Portugal à Frente, obtendo 36,86% dos votos — estão sensivelmente ao mesmo nível do resultado que obtiveram nas últimas legislativas. Têm 36,8% das intenções, nesta sondagem para o Expresso e para a SIC.

Também significa que o PS subiu (bastante) em pouco mais de um ano. Os atuais 38% de intenções contrastam com os 32,31% conseguidos nas urnas.

Mais uma vez, a história dos dias que correm é menos favorável aos partidos que garantem a viabilidade parlamentar do Governo de António Costa. O BE desceu dos 10,1% de votos para uma intenção de 9,1%. Já a CDU (PCP e PEV juntos), que conseguiu 8,25% de cruzes à frente da coligação não vai além dos 7,7% das intenções.

Apesar da subida constante do PS, só unindo forças com pelo menos um dos dois partidos à sua esquerda os socialistas garantiriam a maioria de lugares favoráveis na Assembleia da República. Tudo somado, PS, BE e CDU obtêm 54,8% das intenções de votos dos eleitores inquiridos neste estudo de opinião.

Passos é cada vez menos popular

O mesmo estudo analisa a popularidade dos líderes partidários e do Presidente da República. E, aí, Pedro Passos Coelho mantém a sua tendência de descida (ainda que se mantenha longe de perder o terceiro lugar do ranking).

Claramente positivo, Marcelo Rebelo de Sousa cai, no entanto, 0,2% para os 56,8% de votos favoráveis.

O primeiro-ministro António Costa sobe mais de um ponto e consegue a validação de 31,9% dos portugueses. Tem mais do dobro do líder da oposição. Passos perde 2,2% das aprovações e fica-se pelos 14,6%.

Assunção Cristas não destoa entre o panorama dos líderes partidários fora do Governo: perde 0,9% dos pontos mas mantém-se em terreno positivo, com 10,4% dos pontos. Mais uma décima que Jerónimo de Sousa. O líder comunista desce para 10,3% e perde o quarto lugar do ranking para a líder centrista.

Catarina Martins fecha a contagem. A coordenadora do BE perde tantos pontos quanto Jerónimo de Sousa (1,9%), mas também consegue ser positivamente avaliada pelos inquiridos, com uma votação de 8,8%.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Abusos na Igreja

O Observador e os abusos na Igreja

Miguel Pinheiro

Como foi feito e por que foi feito o trabalho especial do Observador sobre abusos sexuais na Igreja portuguesa? Quais são as dúvidas e críticas dos leitores? E quais são as nossas respostas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)