Rádio Observador

II Guerra Mundial

Os factos da II Guerra Mundial contados em tweets

100

Um historiador britânico está a documentar a Segunda Guerra Mundial no Twitter em direto, como se estivesse a acontecer agora. Ainda vai em 1939, tem mais seis anos de conflito pela frente.

RealTimeWWII/ Twitter

Dezembro, dia 18. Hoje, a Força Aérea britânica foi derrotada na Batalha de Heligoland Bight pelos alemães e as primeiras tropas canadianas chegam à Europa. Há pouco mais de 15 dias, a União Soviética invadiu a Finlândia, tendo bombardeado Helsínquia e obrigado os finlandeses a retirar para a Linha Mannerheim. No entanto, os russos, já expulsos da Liga das Nações, têm sofrido bastantes derrotas táticas. O ano é 1939, e a Segunda Guerra Mundial está apenas a começar — no Twitter, isto é.

A página ‘WW2 Tweets from 1939’ está a documentar a Segunda Grande Guerra em direto, como se esta se estivesse a passar neste preciso momento. O projeto é da responsabilidade de Alwyn Collinson, historiador britânico licenciado pela Universidade de Harvard, que oferece uma visão única daquele que é o maior conflito da história da humanidade, dando a sensação de imersão no conflito através de relatos, imagens, relatórios, dados e declarações.

Collinson começou o projeto em 2011 e já vai na segunda Segunda Guerra Mundial. Isto porque a ‘primeira volta’ do conflito terminou em Agosto de 2017, seis anos depois de ter iniciado. O historiador decidiu começar de novo em setembro, com a invasão da Polónia por parte do exército Nazi, comprometendo-se assim a mais seis anos de relato histórico em direto — desta feita com novos materiais — para os seus mais de 500 mil seguidores.

“É incrível ter milhares de pessoas a ler e a responder. Penso que é uma pena simplesmente abandonar isso”, disse Alwyn Collinson a The Atlantic. No fundo, aquilo que faz, explica, “é como tentar dar notícias, mas de há muitos, muitos anos atrás”. “Não estou simplesmente a tentar entender quem invadiu quem, que cidades caíram e quando, mas mais aquilo que as pessoas pensaram e como estavam a tentar fazer disso uma narrativa na altura”, acrescentou.

Os seguidores da página partilham histórias, diários e fotografias de familiares com Collinson, chegando mesmo a corrigi-lo e a ajudá-lo quando, por exemplo, detetam um erro. Claro, com este tipo de conteúdo vêm intervenções, no mínimo, menos úteis: Collinson recorda ao The Atlantic um momento em que um seguidor comentou “porque é que estás a reportar estas notícias de judeus? Volta às notícias a sério”.

Alwyn inspirou-se na cobertura da Primavera Árabe em redes sociais como o Twitter, em 2010, algo até então sem precedentes e que ajudou a amplificar a dimensão dos conflitos. A The Atlantic, Collinson relembra “sentir-se profundamente emocionado com a forma como era possível ver a história a desenrolar-se”.

Essa emoção, contou ao i News, “absolutamente” também se fez sentir em determinados momentos da sua cobertura da Segunda Guerra Mundial. “Estaria a mentir se dissesse que não me afeta. E sei que algumas pessoas em tempos deixaram de seguir a minha conta temporariamente, tal como no começo da invasão da União Soviética”, confessou. “As pessoas sentiam que estavam a ver um filme de terror numa escala industrial”.

‘WW2 Tweets from 1939’ inspirou outras pessoas a iniciar projetos como o de Alwyn Collinson — também há uma cobertura em direto da Primeira Guerra Mundial — e, segundo o autor, permite-nos estabelecer paralelos com a nossa própria história, da qual não podemos ter uma visão omnisciente, bem como nos lembra “de que ninguém vive fora da história”. E Collinson, em 2017 e 1939, vive dentro duas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
II Guerra Mundial

D-Day: 75 anos depois /premium

João Carlos Espada

É desejável que a legítima crítica a Donald Trump não traga de volta o profundo anti-americanismo que dominou no século XX largos sectores da esquerda e da direita anti-democráticas na Europa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)