Rádio Observador

Demografia

Portugueses vivem mais, mas esperança média de vida nos EUA afunda

294

Entre os países desenvolvidos, os norte-americanos são os que vivem em média menos anos, enquanto Portugal apresenta o segundo maior crescimento da esperança média de vida para as mulheres.

Getty Images

Um estudo que analisou quantos anos vivem em média mulheres e homens em 18 países desenvolvidos concluiu que a esperança média de vida nos Estados Unidos estagnou, sendo a mais baixa do grupo analisado. Em Portugal, aumentou 1.3 anos para mulheres e 1.37 para homens entre 2010 e 2o16.

Os académicos concluíram que a esperança média de vida sofreu um ligeiro recuo em 12 dos 18 países entre 2014 e 2015, mas a maioria foi compensada por um “crescimento robusto” no ano seguinte. As exceções foram o Reino Unido e os Estados Unidos que continuaram a cair no caso dos homens e apresentaram um crescimento nulo ou residual nas mulheres. Doenças respiratórias, doenças cardiovasculares, doenças do sistema nervoso e perturbações mentais foram as principais causas apontadas para esta quebra.

Os Estados Unidos surgem assim em último lugar do ranking em 2016, com uma esperança média de vida de 81.4 para mulheres e de 76.4 para homens. O país de Donald Trump destacou-se ainda por apresentar uma quebra mais acentuada que os restantes países na esperança média de vida das camadas mais jovens. Isto deve-se, segundo os investigadores, a um aumento acentuado da mortalidade por overdose causada pela epidemia de opioides que o país atravessa. O CDC (Centro de Controlo de Doenças dos EUA) estima que só em 2017 tenham morrido 72 mil norte-americanos por overdose, um número recorde que indica que atualmente morrem mais pessoas nos EUA devido ao consumo de drogas, do que em incidentes com armas de fogo ou acidentes rodoviários.

Portugal ficou em sétimo lugar do ranking das mulheres, com uma esperança média de vida de 84.32. Já no caso dos homens, ficou em penúltimo lugar com 78,11 anos. A tabela feminina é liderada pelo Japão (87.17), Espanha (85.84) e França (85.17). O pódio masculino pertence à Suíça (81.63), Austrália (81.49) e Japão (81.01).

Em termos de crescimento, Dinamarca (1.45), Portugal (1,3) e Austrália (1.2) foram os países onde a esperança média de vida mais aumentou. Também a Dinamarca (1.83) lidera os aumentos no masculino, juntamente com a Noruega (1.76) e Finlândia (1.71). Tanto para mulheres como homens, Estados Unidos (0.19 e 0.04) e Reino Unido (0.37 e 0.68) apresentam a maior estagnação, apresentando crescimentos residuais.

“A estagnação e os declínios na esperança média de vida podem ser um sinal de decadência do perfil da saúde da população causado por tendências sócio-económicas adversas, deterioração na prestação ou qualidade dos serviços de saúde, ou agravamento dos fatores comportamentais”, explica o estudo. Os investigadores demonstram particular preocupação porque a quebra registada em 2014-2015 teve uma escala inédita. “Os declínios da esperança média de vida em 2014-15 foram mais difundidos e tiveram uma maior magnitude do que os registos observados em décadas.”

Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, Finlândia, França, Holanda, Itália, Japão, Noruega, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido foram os países analisados. O estudo foi divulgado pelo BMJ (British Medical Journal).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Demografia

É preciso reverter a obsessão antinatalista

Fernando Maymone Martins
1.351

São indispensáveis apoios à mulher grávida, bem como às famílias numerosas e é necessário remover a facilitação do aborto. É preciso reverter a obsessão antinatalista. Não é uma questão menor.

Mundo

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)