Rádio Observador

Espanha

Parlamento espanhol volta a discutir pena de prisão perpétua após morte de Laura

321

A morte violenta de uma professora em Espanha está a chocar o país, agora os partidos voltaram a discutir em pleno Congresso uma possível revisão à pena de prisão perpétua renovável.

Pedro Sánchez, primeiro-ministro espanhol, a discursar no Parlamento espanhol, a 31 de maio de 2018

AFP/Getty Images

O caso da professora Laura Luelmo , de 26 anos, assassinada violentamente na última semana enquanto praticava desporto está a chocar Espanha. O Congresso espanhol esteve esta quarta-feira a discutir uma possível alteração à pena de prisão perpétua renovável, em vigor no país desde 2016.

O corpo só foi encontrado esta segunda-feira após uma busca incessante com a participação de 200 volutários. O vizinho da vítima, Bernardo Montoya, de 50 anos, que foi detido também esta segunda-feira pela Guarda Civil espanhola, principal suspeito, acabou por confessar o homicídio um dia depois da detenção. De acordo com o jornal espanhol El Mundo, o interrogatório a que foi sujeito e que durou mais de três horas esteve “repleto de contradições e mentiras“. Montoya já tinha sido condenado anteriormente por roubo e pelo homicídio da mulher.

Tendo em conta os recentes acontecimentos, o presidente do Partido Popular espanhol, Pablo Casado, pediu esta quarta-feira, em nome do seu grupo parlamentar, que o Congresso não descarte aplicar a lei de prisão perpétua renovável e que tipifique como delito a ocultação de cadáver. 

A discussão foi acessa entre os deputados presentes. Para o líder do partido popular está “é a melhor fórmula de evitar uma reincidência” e conseguir que os assassinos e violadores “estejam onde devem estar: na prisão“. O líder de direita, citado pelo jornal espanhol ABC,  defende que a prisão pepétua renovável é “claramente constitucional” e considera fundamental reformular o código penal para “definir e tipificar melhor” alguns delitos relativamente à liberdade sexual das mulheres.

Tem que haver uma definição clara do que é violação e agressão, e, por outro lado, um agravamento de penas”, pede Pablo Casco, líder do PP.

O líder de Governo espanhol e líder do PSOE, Pedro Sánchez, garantiu que o seu governo não irá derrogar esta pena até que o Tribunal Constitucional espanhol defira sobre o recurso apresentado pelo seu partido contra a sua aprovação. Pedro Sánchez aproveitou ainda para anunciar que o seu partido apresentará em Conselho de Ministros outras medidas respeitantes à proteção das mulheres e defesa de liberdades, mas sem adiantar detalhes. Confrontado com estas declarações, o líder do PP voltou  a insistir que a pena de prisão permanente permite que os condenados por crimes de extrema gravidade “não reincidam e assegura a segurança dos espanhóis”.

O debate aqueceu quando a porta-voz adjunto do Podemos, Ione Belarra, ao questionar a vice-presidente do governo espanhol, Carmen Calvo, citada pelo ABC, levantou a voz dizendo que continuar com esta lei “é como se os vendedores de armas recomendassem vender armas de cada vez que há um  assassinato” e apelidou a posição do PP de “absolutamente infame”.

Basta. Deixemos em paz as mulheres porque não precisamos de pistoleiros nem prisão perpétua renovável. O que precisamos é de políticas públicas que nos protejam em vez de nos matarem”, defendeu a porta-voz do Podemos.

A vice-presidente do executivo acusou ainda a direita de “nunca ter feito nada pelas mulheres, salvo recorrer a leis de igualdade, pelas quais nós mulheres nos fazemos respeitar no nosso pais”. A porta-voz adjunta do PP, não perdoou e apontou o dedo ao Podemos por utilizar “política demagógica”.

Lições sobre igualdade do PP nenhuma. Vocês [PP] levantaram o Pacto de Estado contra a Violência de Género.”, rematou Belén Hoyo do Podemos.

O que é a pena de prisão perpétua renovável

A pena prisão permanente renovável é semelhante à pena de prisão perpétua e está em vigor em Espanha desde 2016. Esta pena foi aprovada durante o governo de Mariano Raroy e aplica-se em casos muito específicos, como genocídio, crimes contra a humanidade, assassínio agravado com vítimas menores de 16 anos ou consideradas vulneráveis ou homicídio aliado a delito sexual, basicamente casos de assassinatos com circunstâncias agravantes muito concretas. 

Com duração indefinida pode ser revista pelos tribunais em função das circunstâncias do réu, mas só a partir do momento em que o condenado tenha cumprido 35 ou 40 anos de pena, já que a pena máxima em Espanha é de 40 anos e é aplicada, por exemplo, a casos de terrorismo. O partido Popular e o Cidadanos já tinham apresentado propostas de alteração a esta pena, em março deste ano, mas acabaram por ser rejeitadas.

Em Portugal, a Constituição Portuguesa estabelece que a pena máxima de prisão é de 25 anos. 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)