O cenário era para ser este: milhares de pessoas reunidas no Milwaukee, a cidade com mais habitantes do estado do Wisconsin, em pleno julho. No entanto, a pandemia mudou os planos ao Partido Democrata e a convenção deste ano nem sequer aconteceu na data prevista. Depois do adiamento, o encontro para nomear Joe Biden e Kamala Harris como candidatos à presidência dos Estados Unidos da América vai arrancar esta segunda-feira.

Ao todo, a convenção vai durar quatro dias (até quinta-feira) e acontecerá praticamente toda em ambiente virtual, à semelhança do que tantos outros grandes eventos têm optado por fazer devido à pandemia do novo coronavírus. Além disso, no final o objetivo é apenas um: convencer os norte-americanos que este partido está preparado para tirar os republicanos Donald Trump e Mike Pence, presidente e vice-presidente dos EUA, da liderança do país.

Kamala Harris, a vice de Biden que queria que Biden fosse vice dela — e que tem sempre uma resposta pronta

Quando e onde vai acontecer?

A programação desta convenção de 2020 foi reduzida para apenas duas horas por noite: das 21h00 às 23h00 (hora em Washington D.C.). Isto significa que, em Portugal, as sessões vão decorrer entre as 2h00 e as 4h00 da madrugada de Lisboa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Uma sala de controle de vídeo virtual personalizada foi desenhada para receber centenas de informações de todo o país, incluindo o potencial de interação com americanos de todo o país”, explica o Partido Democrata.

Todas as sessões vão ser transmitidas no YouTube (aqui), mas também noutras plataformas, como o Facebook, o Twitter ou e outros serviços, como o Amazon Prime. No site da Convenção do Partido Democrata foram disponibilizadas as formas de assistir ao evento (aqui).

Sem comícios nem bebés para beijar, Trump e Biden desesperam para reinventar a arte de fazer campanha

Programa dos discursos:

Durante os quatro dias vão subir a palco, ou ao ecrã do vídeo digital, os nomes mais fortes do Partido Democrata. Logo no primeiro dia, Michele Obama, a antiga primeira-dama, vai ser uma das principais oradoras. Como escreve o The New York Times, é a “figura mais popular de segunda-feira à noite”: “A ex-primeira-dama é vista pelos democratas não apenas como um símbolo de uma época melhor, mas como uma coluna de som elétrica e uma campeã das causas que mais lhes interessam”.

O marido e ex-presidente dos EUA, Barack Obama, falará só na quarta-feira. Contudo, até lá, o que não falta são democratas que marcam o dia-a-dia político nos EUA, seja mais à esquerda, como Bernie Sanders ou Alexandria Ocasio-Cortez, seja mais moderados, como o casal Hillary e Bill Clinton. Veja lista dos principais oradores de cada dia, destacando os mais aguardados.

Segunda-feira, 17/08, ou o dia de Michele Obama e Bernie Sanders

  • Michelle Obama (ex-primeira-dama);
  • Bernie Sanders (senador do Vermont);
  • Catherine Cortez Masto (senadora do Nevada);
  • Andrew Cuomo (governador de Nova Iorque);
  • Gretchen Whitmer (governadora do Michigan);
  • Jim Clyburn (congressista da Carolina do Sul);
  • Bennie Thompson (congressista do Mississippi);
  • Gwen Moore (congressista do Wisconsin);
  • John Kasich (ex-governador do Ohio, Partido Republicano),
  • Doug Jones (senador do Alabama);
  • Amy Klobuchar (senadora do Minnesota).

Terça-feira, 18/08, ou o dia de Alexandria Ocasio-Cortez e Bill Clinton

Este é o dia da votação dos delegados, apesar de já estar tudo praticamente decidido.

  • Sally Yates (ex-procuradora-geral dos EUA);
  • Chuck Schumer (senador de Nova Iorque);
  • John Kerry (candidato do Partido Democrata na eleições presidenciais de 2004),
  • Alexandria Ocasio-Cortez (a mais nova congressista de Nova Iorque);
  • Lisa Blunt Rochester (congressista do Delaware);
  • Bill Clinton (ex-Presidente dos EUA);
  • Jill Biden (mulher de Joe Biden);

Quarta-feira, 19/08, ou o dia de Kamala Harris, Nancy Pelosi, Hillary Clinton e Barack Obama

  • Kamala Harris (candidata do Partido Democrata a vice-presidente dos EUA);
  • Nancy Pelosi (presidente da Câmara dos Representantes);
  • Hillary Clinton (candidata do Partido Democrata nas eleições presidenciais de 2016);
  • Elizabeth Warren (senadora do Massachusetts e uma das candidatas à nomeação do partido democrata);
  • Tony Evers (governador do Wisconsin);
  • Michelle Lujan Grisham (governadora do Novo México);
  • Gabrielle Giffords (activista e defensora do controlo das armas);
  • Barack Obama (ex-Presidente dos EUA).

Quinta-feira, 20/08, ou o dia de Joe Biden

  • Joe Biden (candidato do Partido Democrata à Presidência e antigo vice-presidente dos EUA);
  • Cory Booker (senador de Nova Jérsia);
  • Gavin Newsom (governador da Califórnia);
  • Keisha Lance Bottoms (presidente da câmara de Atlanta);
  • Tammy Baldwin (senadora do Wisconsin);
  • Tammy Duckworth (senadora do Illinois);
  • Chris Coons (senador do Delaware);
  • Família Biden.

O que é que acontece numa convenção? E que é que esta vai ter de diferente?

Normalmente, há reuniões e encontros, lobby e festas. Contudo, o principal objetivo é indicar o candidato do partido. Normalmente, milhares de delegados reuniam-se numa arena com discussões sobre a quem atribuir os delegados. A delegação de cada estado é chamada, alguém do estado pronuncia-se e diz quantos de seus delegados vai dar a cada candidato. Este ano, essa chamada vai acontecer na terça-feira, virtualmente, durante 30 minutos.

E a convenção do Partido Republicano?

Seria em Charlotte, na Carolina do Norte, um estado onde que o presidente Trump venceu há quatro anos. Preocupados com o facto de as restrições relacionadas com o novo coronavírus impedirem grandes eventos, os republicanos ainda decidiram mudar-se para uma cidade noutro estado indeciso, Jacksonville, Flórida. Também aí, contudo, o evento acabaria por ser cancelado, quando os casos de Covid-19 aumentaram.

Agora, Trump diz que provavelmente fará seu discurso de aceitação da nomeação do Partido Republicano na Casa Branca. A indicação formal acontecerá em Charlotte na segunda-feira, a 24 de agosto, com eventos programados para os três dias seguintes, terminando no discurso de Trump na quinta-feira, 27 de agosto.