O governo alemão terá de recorrer, novamente, a empréstimos em 2021 para financiar o défice orçamental previsto devido ao impacto da pandemia de Covid-19, anunciou esta sexta-feira o ministro das Finanças.

“Seremos forçados a pedir, no próximo ano, uma exceção à regra sobre a limitação da dívida” pública da Alemanha para “usar meios consideráveis para proteger a saúde dos cidadãos e estabilizar a economia”, afirmou Olaf Scholz ao grupo de imprensa regional Funke.

Esta regra, conhecida como “travão da dívida”, proíbe o governo de pedir emprestado mais de 0,35% do seu produto interno bruto (PIB).

Porém, em circunstâncias especiais, o governo pode pedir autorização para ultrapassar este limite, tal como aconteceu na primavera passada.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Questionado sobre a possibilidade de o país ter de recorrer a um novo empréstimo no ano seguinte, Scholz notou que tudo dependerá da evolução da pandemia e, consequentemente, do seu impacto económico.

A pandemia de Covid-19 já provocou pelo menos 787.918 mortos e infetou mais de 22,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.