817kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

GettyImages-1250850977
i

AFP via Getty Images

AFP via Getty Images

"Brincar com o fogo". A jogada arriscada de Macron pode tornar Bardella primeiro-ministro, unir a esquerda ou lançar o caos

UN já publica cartazes a dizer "Bardella a PM". Esquerda quer frente unida, mas socialistas e melénchonistas disputam liderança. E, pelo meio, poucos entendem a decisão do Presidente de ir a eleições.

    Índice

    Índice

Pouco passava das 14h30 da tarde desta segunda-feira quando a conta de X (ex-Twitter) da União Nacional (UN) publicou uma imagem já em campanha para as legislativas marcadas por Emmanuel Macron na véspera, perante o resultado das eleições europeias deste domingo. “BARDELLA, PRIMEIRO-MINISTRO”, podia ler-se em letras maiúsculas, por cima do rosto sorridente do jovem presidente da UN, de 28 anos. “Vote a 30 de junho e 7 de julho!”, acrescentava-se na publicação.

Tinham passado pouco mais de 12 horas desde que Bardella tinha garantido a sua reeleição como eurodeputado no Parlamento Europeu, alcançando um resultado histórico: mais de 30% para a UN — um resultado não alcançado por nenhum partido francês em Bruxelas desde 1984 — e o dobro do conseguido pelo Renascença, o partido do Presidente Macron. Nessa noite, Bardella apressou-se a exigir a convocação de legislativas nacionais, afirmando que o resultado revelava um Presidente “enfraquecido”. Apenas meia-hora mais tarde, Macron falava à nação e confessava ter concedido esse desejo à UN: dissolveu a Assembleia Nacional e convocou eleições legislativas para dali a duas e três semanas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Se a antiga Frente Nacional de Marine Le Pen não estava à espera, disfarçou bem. O partido de extrema-direita apressou-se a divulgar os novos cartazes, a enumerar projetos para o programa eleitoral e a líder foi na noite desta segunda-feira à televisão anunciar que será novamente candidata à Assembleia Nacional (sempre de olho no Eliseu em 2027, é claro). “Domingo é o primeiro dia depois de Macron”, afirmou Le Pen.

Bardella já estende a mão a Marion Maréchal para aproveitar “oportunidade histórica” para a extrema-direita

Bardella, o menino-prodígio que pertence ao partido desde os 16 anos e que sempre foi cortejado pela líder, está pronto para saltar de Bruxelas para Paris, menos de 24 horas depois da eleição. E perante uma curta campanha de três semanas que se avizinha — cujo timing já foi criticado pela associação de autarcas de França (que temem não ter tempo de preparar tudo), mas sanado constitucionalmente pelos especialistas, a extrema-direita francesa já colocou toda a máquina partidária a funcionar.

No final da tarde desta segunda-feira, Bardella recebia na sede do partido uma convidada muito especial, que indiciava essa preparação: Marion Maréchal Le Pen, a sobrinha de Marine que bateu com a porta para se juntar ao Reconquista de Éric Zemmour (pelo qual foi eleita este domingo para o Parlamento Europeu), foi encontrar-se com os antigos colegas de olho numa solução conjunta. “Marion Maréchal tem uma atitude construtiva em relação à nossa campanha, o que não foi o caso de Éric Zemmour”, esclareceu Bardella à saída, garantindo que tenciona abrir a UN a “personalidades” que não lhe pertencem.

GettyImages-2156383756

Marion Maréchal foi à sede da União Nacional reunir-se com Jordan Bardella esta segunda-feira

AFP via Getty Images

“Os nossos eleitores têm de se manter mobilizados, porque esta oportunidade é histórica”, avisou. Marion Maréchal parece estar praticamente contratada: à saída, falou num “desejo ardente” de unir UN ao Reconquista e repetiu a expressão “momento histórico”. “É altura de o discutir com Zemmour”, disse, admitindo que o partido de Le Pen impôs algumas condições (não tornadas públicas).

À direita, a grande aliança está em marcha, com Marion a anunciar que também se irá encontrar com Nicolas Dupont-Aignan, o autarca e líder do partido gaulista França de Pé. “Toda a direita deve conversar”, declarou.

A incredulidade até dentro do próprio partido e os “caminhos alternativos” que Macron podia ter seguido

No resto do espectro político, porém, ninguém parece compreender exatamente a decisão de Macron de convocar eleições que, à primeira vista, parece apenas favorecer a União Nacional.

Na noite eleitoral deste domingo, as palavras do Presidente foram recebidas com silêncio na sede de campanha do Renascença, a sua força política. “Não consigo acreditar nisto”, desabafou com o Le Point um ativista do partido após o discurso. “Estamos a recomeçar a 30 de junho uma guerra onde corremos o enorme de risco de perder. A UN está às portas do poder”, admitiu outro.

GettyImages-2156213666

Na sede do Renascença na noite eleitoral do domingo, a reação dominante era de incredulidade

AFP via Getty Images

Em público, até figuras destacadas do partido, como Yaël Braun-Pivet, não apoiaram totalmente a decisão de Macron “Havia outros caminhos possíveis”, disse a antiga presidente da Assembleia Nacional numa entrevista na manhã desta segunda-feira à France 2. Ao mesmo canal de televisão, mas à noite, Raphaël Glucksmann — cabeça-de-lista dos socialistas reeleito para Bruxelas na véspera — foi ainda mais duro: “O Presidente da República está a brincar com o fogo. Brinca com as instituições como se fosse um miúdo”.

Palavras que não destoam do que foi escrito um pouco por toda a imprensa francesa. No Le Figaro, mais à direita, o consultor e ensaísta Édouard Tétreau decretou “o estranho suicídio do macronismo”. No liberal “Les Échos”, Christophe Jakubyszyn sentenciou que “por uma vez”, “Macron não procrastinou”. “Mas devia!”, escreveu o jornalista. À esquerda, a Nouvel Obs não hesitou em apelidar o Presidente de “engenheiro do caos”.

GettyImages-1251592276

A imprensa francesa foi muito crítica da decisão de Macron

AFP via Getty Images

Tudo porque, como explicou o veterano especialista da Sciences Po Pascal Pérrineau, apesar de politicamente fragilizado pelo resultado destas europeias, o Presidente tinha alternativas à dissolução da Assembleia Nacional. “Para começar, podia não fazer nada e esperar. Quando a UMP perdeu as europeias em 1999 ou o PS em 2014, o Presidente não dissolveu”, resumiu ao Le Point. “Não havia nenhuma razão para Emmanuel Macron tomar esta decisão. Vinte e quatro milhões de franceses não votaram nas europeias. Qual é a pressa?”.

O desacerto é até interno, com o Renascença, partido de Macron, a manter uma posição ambígua sobre o que fazer nestas legislativas. Logo na noite de domingo, o secretário-geral do partido Stéphane Séjourné promoveu uma série de reuniões com outras forças políticas daquilo que classificou como “arco republicano” e que foi dos Republicanos (centro-direita) aos ecologistas. Segundo o Les Échos, prometeu que o partido não nomeará um candidato que defronte aqueles que estejam dispostos a trabalhar juntamente com Macron. Mas é difícil perceber como podem partidos tão diferentes concordar num candidato comum — e, logo nessa noite, os Republicanos disserem rejeitar completamente a proposta.

No dia seguinte, foi o próprio Emmanuel Macron a sondar a recetividade do campo dito “centrista”. Esta segunda-feira, o Presidente recebeu no Eliseu Séjourné e também Édouard Philippe (presidente do Horizontes, de centro-direita) e François Bayrou (líder do MoDem). Ambas as forças políticas apoiam atualmente o Renascença no Parlamento e sustêm assim o governo de Gabriel Attal, nomeado por Macron.

Esquerda quer “Frente Popular” — mas Socialistas e França Insubmissa já disputam liderança

Dificilmente há união suficiente ao centro para combater a extrema-direita, a avaliar pelos números registados nestas europeias. Razão pela qual, à esquerda, os pedidos repetem-se: “Façam uma Frente Popular”, apela o jornal Libération na sua capa desta segunda-feira — não clarificando se com ou sem o Renascença.

Os sinais ao longo desta segunda-feira, contudo, mostraram que a união entre partidos como os socialistas, o França Insubmissa (FI) e os ecologistas está longe de existir neste momento.

A meio do dia, uma das figuras destacadas do FI, François Ruffin, lançou uma plataforma de campanha onde pede essa “frente comum” à esquerda contra a extrema-direita e tenta recolher assinaturas. O líder do movimento é, naturalmente, ele próprio — muito embora o coordenador do partido seja Manuel Bompard, a cabeça-de-lista a estas europeias Manon Aubry e o fundador histórico Jéan-Luc Mélenchon.

Durante o dia, FI, Partido Comunistas e Ecologistas tiveram uma reunião para avaliar posições, mas não é certo qual o resultado. E, mais importante do que isso: o encontro não contou com a presença do Partido Socialista francês.

É que se ao longo dos últimos anos o partido mergulhou numa profunda crise, a campanha destas europeias liderada pelo carismático Raphaël Glucksmann fez os socialistas voltarem a sonhar com a possibilidade de serem a maior força da esquerda de França — afinal, ficaram a poucos pontos percentuais do Renascença.

E, na noite desta segunda-feira, Glucksmann deixou claro em entrevista à France 2 que reclama para si o cargo de líder desta “Frente Popular” de esquerda. “Não vamos refazer a Nupes”, disse, referindo-se à união que concorreu às legislativas de 2022 juntando os vários partidos de esquerda — mas que, crucialmente, era liderada não por um socialista, mas por Mélenchon.

“Há uma mudança no equilíbrio do poder. Eu lidero agora a esquerda”, decretou o eurodeputado socialista. De seguida, colocou em cima da mesa as condições que o PS impõe para essa união: apoio “inabalável” à União Europeia e à “resistência ucraniana”, rejeição das reformas nas pensões, imigração e subsídio de desemprego (propostas por Macron), aceleração da transição ecológica e “rejeição da brutalização da vida política”. “Sem essas condições, não faremos uma aliança”, garantiu.

GettyImages-2154993114 GettyImages-1240622039

Os socialistas com Grucksmann e a França Insubmissa de Mélenchon querem ambas liderar a "frente de esquerda"

AFP via Getty Images

O corte com as reformas do governo de Macron afastam à partida os centristas do Renascença. E, à esquerda, parece difícil perceber como irá a França Insubmissa concordar com um programa que colide com as suas posições, por vezes ambíguas em relação ao projeto europeu e muito críticas da atual política para a Ucrânia. O manifesto publicado pela FI durante a noite incluía precisamente “a recusa da escalada da guerra na Ucrânia” no texto.

Pelo meio, alguns vão pedindo a socialistas e mélenchonistas que se entendam. Para além do Libération, os Verdes — saídos de um dos seus piores resultados eleitorais de sempre nas europeias — fazem eco do pedido: “Todas as forças da esquerda têm de se unir. Temos apenas alguns dias para nos organizarmos e unirmos”, alertou o ex-candidato presidencial do partido Yannick Jadot. O antigo primeiro-ministro socialista, Bernard Cazeneuve, foi ainda mais longe e pediu um “governo de esquerda e mais além, com todos os republicanos ardentes, para manter o caos à margem”.

Ao final da noite, uma aparente solução de compromisso: socialistas, FI, comunistas e ecologistas anunciam um acordo para concorrer com um programa comum e candidato único por cada círculo eleitoral. O objetivo, dizem, é “a criação de uma nova frente popular que una todas as forças humanistas, associativas, cidadãs e de união de esquerda”. Resta saber como se irá articular uma Frente sem líder claro, pelo menos por enquanto — quem irá aos debates televisivos, por exemplo? É uma das questões que fica para já sem resposta.

Perante o cenário incerto, o prazo apertado e um Presidente cujas ideias ainda não são conhecidas, o resultado que sairá destas eleições é uma incógnita cujo potencial de impacto no regime — e até além fronteiras — é enorme. “A equação é muito simples. Ou a UN obtém uma maioria absoluta, Jordan Bardella é chamado ao Matignon e, num mês, França passa a ser governada pela extrema-direita”, alvitra o cientista político Pascal Pérrineau, abrindo-se um cenário de “coabitação” entre um Presidente de um partido e um governo de outro. Não seria inédito em França, mas seria a primeira vez em que um dos atores pertence à extrema-direita.

“Ou há uma maioria relativa e a situação que vivemos desde 2022 continua e piora. E respondemos ao caos com o caos”, acrescenta o professor. “O risco de maior bloqueio é elevado, porque o Artigo 12 da Constituição impede nova dissolução durante um ano. A crise política que vivemos agora pode vir a tornar-se numa crise de regime”, alerta. Pérrineau termina a declaração com uma frase que o candidato socialista lhe pediria emprestada horas depois, numa entrevista: “Emmanuel Macron está a brincar com o fogo.”

*Artigo atualizado às 23h20 para dar conta do acordo alcançado entre os partidos de esquerda na noite de segunda-feira

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos