Democracia

Celebrando a queda do Muro de Berlim

Autor

Estarão as democracias ocidentais em perigo? Por que motivo crescem os partidos populistas e declinam os partidos centrais?

Na última terça-feira, 6 de Fevereiro, passaram 10316 dias após a queda do Muro de Berlim. Dado que o Muro existiu durante 10315 dias (entre 1961 e 1989), terça-feira marcou o dia em que o período pós-Muro ultrapassou o período da sua existência.

A data não foi no entanto assinalada com a euforia que seria expectável. Nuvens de apreensão pesam sobre as democracias na Europa e no mundo. Crescem velhas e novas ameaças externas — do já conhecido fundamentalismo islâmico ao mais recente e muito pouco denunciado expansionismo colectivista e materialista chinês.

Mas cresce sobretudo um novo e indefinível mal estar interno: os eleitores dão sinais de descrença nos grandes partidos clássicos em que as democracias têm assentado; novos movimentos e partidos populistas atraem inesperados apoios populares.

Estarão as democracias ocidentais em perigo? Por que motivo crescem os partidos populistas e declinam os partidos centrais? Estes foram os temas de uma reunião de trabalho em Oxford precisamente na terça e quarta-feiras da semana passada. Promovida pelo Europaeum — um consórcio que reune doze das mais antigas universidades europeias — a reunião foi subordinada ao tema ‘Challenges to building consensus: Old problems, New Times?’.

Foi uma intensa discussão académica, que não seria possível reproduzir neste espaço. Mas uma experiência particularmente intrigante merece talvez um breve relato. Tratou-se de uma sessão aberta ao público sobre ‘Populism, Nationalism and Brexit’, com dois proeminentes ‘brexiteers’ e um proeminente ‘remainer’.

O que eles disseram não foi propriamente novo, de um lado ou do outro. O que foi absolutamente surpreendente foi o tom cordial, cortês — quase doce — em que toda a sessão decorreu. Não houve um insulto, um azedume, um sequer ligeiro elevar do tom de voz. Polidamente, na verdade atenciosamente, cruzaram argumentos simplesmente opostos sobre o futuro do Reino Unido e da União Europeia. E apresentavam esses argumentos opostos com a desconcertante compostura de quem estivesse num evento social a pedir desculpa por discordar do anfitrião.

O único momento (parcialmente) dissonante foi quando um elemento da assistência — um vigoroso ‘brexiteer’ — fez uma intervenção inflamada a favor do ‘Brexit’ e contra os ‘traidores ao povo’ que querem impedir a concretização da vontade popular. Respondeu-lhe suavemente Gisela Stuart, que foi a líder oficial (trabalhista) da campanha pelo Brexit: ‘Receio que a sua intervenção tenha revelado mais sobre a sua mente do que sobre algum problema real que a nossa democracia esteja a enfrentar’. E prosseguiu tranquilamente com os seus argumentos.

Depois desta sessão pública, o grupo de académicos europeus do Europaeum regressou à sua reunião de trabalho. Havia um silêncio entre nós. O primeiro a falar foi um idoso professor emérito de Bolonha, com as maneiras distintas da velha e adorável Itália. Disse ele:

‘Estou muito impressionado com o tom educado do debate a que acabámos de assistir. E fez-me lembrar as palavras do grande historiador francês da Inglaterra do século XIX, Élie Halévy. Ele descreveu um jantar no Clube Athenaeum, em Londres, entre um Bispo católico, um Bispo anglicano e um deputado agnóstico: cada um deles ouvia os outros atentamente e suspendia o que estava a dizer para que os outros pudessem discordar.’

Houve um prolongado e respeitoso silêncio entre nós. Após alguns minutos, atrevi-me a acrescentar que Élie Halévy cunhara a expressão ‘milagre inglês’ : o ‘milagre’ de a Inglaterra ‘ter feito todas as revoluções — industrial, económica, social, política, cultural — sem nunca ter de recorrer à Revolução’.

No final dos trabalhos, fomos jantar na High Table do colégio. E, como há muitos séculos acontece em Oxford, começámos por pedir a Deus a benção para a nossa refeição: ‘Benedictus benedicat’. No fim do jantar, como há muitos séculos acontece em Oxford, agradecemos a Deus a nossa refeição: ‘Benedicto benedicatur’.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

EDP: um intrigante silêncio /premium

João Carlos Espada

Ficou célebre a máxima de Xi Jinping: “Governo, militares, sociedade e escolas — Norte, Sul, Este e Oeste — o partido é o líder de todos”. Portugal estará incluído?

Ocidente

Eleições e Democracia /premium

Diana Soller

Se achámos que as democracias eram resilientes – tão resilientes que as demos por garantidas – quaisquer instituições que as substituam (tendencialmente mais autoritárias) serão resilientes também.

Corrupção

Não chega ter vergonha /premium

Rui Ramos
1.727

Não há casos semelhantes ao de Sócrates. Os dirigentes socialistas precisam de provar que é possível confiar no PS outra vez. Era isso que deviam estar a discutir. Ter vergonha não chega.

Revolução

25 de Abril: dois conceitos de democracia

João Carlos Espada

Os revolucionários relutantes anglo-americanos de 1688/1776 morreram na cama; os revolucionários ardentes franceses de 1789 mataram-se uns aos outros. As duas opções confrontaram-se após 25 de Abril.

Democracia

Não é cool ser contra o 25

Pedro Barros Ferreira
450

Na música parece ser impossível ser de Direita e gostar de Sérgio Godinho. Pois eu gosto. Parece impossível gostar da “Vida de Bryan” e ser católico. Pois eu sou e esse filme é um dos da minha vida. 

Efeméride

Maio de 68: 50 anos depois

João Carlos Espada

Contra os anseios revolucionários de Maio de 68, a França permaneceu “burguesa”, isto é, livre e democrática. Pôde assim absorver ideias de Maio de 68, que teriam sido esmagadas pelos comunistas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)