Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma das coisas de que a oligarquia nos convenceu é de que o que se passa dentro do país tem pouca importância. Por exemplo, a bancarrota de 2011. Segundo os nossos oligarcas, foi culpa do euro. E para o caso de o diabo se lembrar de aparecer por aí, já há desculpas prontas: desta vez, será culpa do BCE ou das guerras comerciais do presidente Trump. A responsabilidade, portanto, nunca é de quem governa e faz oposição em Portugal. É mesmo assim? Vamos a ver: uma economia pequena e aberta, como a portuguesa, ressentirá sempre mudanças do contexto externo. Mas se neste momento faz sentido dizer que, por exemplo, uma subida de juros do BCE provocaria uma aflição em Portugal, é porque Portugal, sempre endividado e outra vez deficitário, está especialmente vulnerável. Ora, isso não tem que ver apenas com condições externas, mas com opções internas, que têm uma razão de ser política.

Não nos podemos queixar demasiado do mundo no princípio do século XXI. Não estou a esquecer a recessão de 2008 ou as guerras do Médio Oriente. Mas as duas primeiras décadas deste século foram uma das grandes eras de convergência, isto é, um tempo em que as economias dos países mais pobres cresceram mais do que as dos países mais ricos. É por isso que, pela primeira vez desde o século XVIII, a maior parte do que se estima ser a riqueza mundial é hoje produzida fora do Ocidente. Não há muito mistério aqui: nunca, ao mesmo tempo, o crédito e a energia foram tão baratos, e os mercados mundiais tão abertos. Portugal, no entanto, não aproveitou esta oportunidade. Ao contrário do que tinha acontecido em todas as ocasiões de prosperidade desde 1945, manteve a sua distância em relação aos Estados mais ricos, e, por isso, viu um número significativo de países mais pobres, dentro e fora da Europa, aproximarem-se ou ultrapassarem-no. Mais: Portugal deu o pior sinal dos países que não conseguem sair do nível em que estão, que é, sempre que há alguma bonança, isso provocar logo desequilíbrios de contas externas, como aconteceu no último ano.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.