A 14 de Janeiro de 1978, em São Francisco, John Lydon questionou o público: “Conhecem a sensação de ser enganados?”. Imediatamente após esse momento célebre, Lydon acabou com o concerto, com os Sex Pistols, com o movimento “punk” e com a farsa em que aquilo se transformara.

“Conhecem a sensação de ser enganados?”. É uma pergunta que me tem ocorrido bastante neste ano e meio de folclore virológico. Não ocorre a muitos, de certeza à maioria. Há dias, entrei num escritório para tratar de rotinas e a funcionária, que estava de rosto descoberto como é normal em pessoas honestas ou alheias a fanatismos religiosos, apressou-se a pegar no farrapo e a prendê-lo nas orelhas pelo elástico. Disse-lhe que por mim não era necessário o gesto, e acrescentei que achava a encenação ridícula. A funcionária respondeu que “tinha de ser”. Não percebi se o imperativo se prendia com a preocupação dela com a saúde ou o respeito por ordens “superiores”. Percebi que ficou assaz espantada quando a informei de que em inúmeros países já ninguém, excepto os assaltantes, esconde a cara. “Não me diga!” Eu disse. E disse mais: “Não reparou nas bancadas dos estádios estrangeiros, sem limites à lotação, sem “distanciamentos” e sem máscaras? (contive-me para não adicionar “e sem as restantes poucas-vergonhas”). A funcionária, de súbito sorridente, não reparara: “Ai, pois é!” Ai, pois é.

Para demasiados portugueses, todos os delírios imputados à Covid tornaram-se tão normais e inevitáveis quanto a chuva ou o bom tempo, isso na remota época em que a chuva e o bom tempo eram normais e inevitáveis e não sintomas das “alterações climáticas” que afligem o eng. Guterres. É, de facto, a consagração do “tem de ser”. As pessoas usam máscara porque tem de ser, mantêm as distâncias porque tem de ser, untam as mãos com gosma porque tem de ser, contam os convivas à mesa porque tem de ser, cumprem horários alucinados porque tem de ser, vacinam-se a elas e aos filhos e aos periquitos porque tem de ser, enfiam cotonetes no nariz porque tem de ser, exibem certificados de pureza porque tem de ser, em suma fazem figuras de urso. Porquê? Porque tem de ser.

E porque é que tem de ser? Aqui as opiniões divergem. Porque o governo é que manda. Porque as “autoridades” assim decidem. Porque “especialistas” alimentados por patrocinadores ou desejo de fama juram que sim. Porque os “media” apelam ao pânico. Porque esta particular maleita suscita um medo desproporcionado em sujeitos que não se imaginavam mortais. Porque há denúncias. Porque há multas. Porque não há vontade de descobrir uma relação de causalidade entre as medidas impostas e as respectivas consequências. Porque essa causalidade não existe e convém ocupar o vazio com um nevoeiro de regras e sanções, as quais, embora brutalmente irracionais, concedem aos pobres de espírito um simulacro de “orientação” e uma prova de virtude. Porque o conformismo, parente próximo da irresponsabilidade, é dos principais activos pátrios.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.