Rádio Observador

Crónica

Em Portugal pensa-se pouco Inês Pedrosa /premium

Autor
  • José Diogo Quintela
2.988

Inês Pedrosa é porteira do 10 de Junho e não vai franquear a subida ao púlpito de alguém que meramente “pensa em Portugal”, nem de quem apenas “pensa sobre Portugal”. Não, exige quem “pensa Portugal".

No passado dia 14, no “Último apaga a luz”, da RTP3, Inês Pedrosa afirmou que, para discursar no 10 de Junho, “é preciso ter pensado o país”. Algo que, considera ela, João Miguel Tavares não terá feito. A expressão intrigou-me. O que significa “pensar o país”? É diferente de “pensar no país”? E de “pensar sobre o país”? Parece óbvio que sim. Inês Pedrosa pode não pesar muitas coisas, mas de certeza que pesa as palavras. Afinal, é escritora. E se, entre as palavras pesadas, há algumas que lhe merecem especial atenção, são todas as que rodeiam o verbo “pensar”. Afinal, é mulher. E, como sabe qualquer homem a quem uma mulher já perguntou “em que é que estás a pensar?”, não se conjuga “pensar” displicentemente. Portanto, Inês Pedrosa sabe a diferença e optou por destacá-la: João Miguel Tavares pode pensar no país, pode até pensar sobre o país, mas, é evidente, não pensou o país.

“E qual é a diferença?”, pergunta o leitor, da forma rústica tão típica das pessoas que às vezes pensam nesta temática, até pensam sobre esta temática, mas nunca pensaram esta temática. Até porque, se já o tivessem feito, não seriam pessoas que perguntam, mas sim que indagam.

A diferença está na profundidade da reflexão. “Pensar em” é superficial. Uma pessoa que apenas “pense em” Portugal consegue continuar a pensar noutros países, sem se aborrecer muito. “Pensei em Portugal, mas acabei por pôr Peru”, é uma frase que se ouve quando calha a letra P num jogo de STOP. “Pensar sobre” é diferente, pede um bocadinho mais de esforço. Implica que uma pessoa levante ligeiramente o rabo da cadeira, para se poder debruçar “sobre”. Não se consegue “pensar sobre” dois temas ao mesmo tempo, embora seja exequível acumular um “pensar sobre” com dois ou três “pensar em”. Já “pensar o” exige um poder de análise apenas compatível com uma vida toda dedicada ao tema, em detrimento da família, da diversão e da higiene, possivelmente regada com um ligeiro toque de Asperger. Por exemplo: alguém que pensa em comida é uma pessoa normal com larica; alguém que pensa sobre comida é badocha; alguém que pensa comida tem duas estrelas Michelin. Não sei se me fiz entender, é provável que não. Acho que se vê que pensei no assunto, mas não cheguei sequer a pensar sobre o assunto, quanto mais pensar o assunto.

Daí eu ter chegado tarde a esta questão do 10 de Junho. Quis preparar-me devidamente e para isso precisei de pensar Inês Pedrosa. Não foi fácil. Comecei por pensar em Inês Pedrosa. Suavemente, primeiro, para não me aleijar. Uma ou duas vezes ao dia, seguidas de alongamentos, hidratação e descanso. Ao fim de uma semana estava a conseguir pensar sobre Inês Pedrosa. A bizarria inicial das minhas meditações foi sendo substituída pela bizarria intermédia das minhas meditações. Mas só anteontem, depois do banho turco e de um jejum de 36 horas, consegui, finalmente, pensar Inês Pedrosa. Entrei numa espécie de transe e foi-me revelada a verdade. Estou, finalmente, em condições de me pronunciar.

Descobri que Inês Pedrosa, enquanto intelectual, beneficiou do mesmo fenómeno que eu, enquanto humorista. Ambos lucrámos com a crueldade da televisão: impiedosa na forma como nos mostra ao mundo, realça os nossos defeitos que, paradoxalmente, nos dão credibilidade profissional. Eu, cotejado com homens mais altos, magros e bonitos, apesar de achincalhado fisicamente, ganhei ao nível humorístico. Ser gordo e feio tem, por si só, piada. Inês Pedrosa beneficiou da mesma coisa. Comparada com Raquel Varela que, por ser jovem, bonita, esguia e bem arranjada, acaba por parecer superficial e fútil, Inês Pedrosa ganha uma gravitas que não possui. Sei, por experiência própria, que esta sorte confere auto-confiança, uma bazófia que nos faz arriscar toda e qualquer baboseira. Como esta da exigência, para o 10 de Junho, de alguém que tenha pensado o país. Inês Pedrosa requer um intelectual desse jaez, que pense o país e saiba não só o que significa jaez, mas também que é “desse jaez” e não “dessa jaez”. Inês Pedrosa é uma porteira do 10 de Junho e não vai franquear a subida ao púlpito de alguém que meramente “pensa em Portugal”, como um agente de viagens a sugerir destinos de férias; nem de alguém que apenas “pensa sobre Portugal”, como um filósofo de ressaca. Não, exige quem “pensa Portugal”, assim, sem preposições que limitem o alcance da reflexão. Por mais snob que Inês Pedrosa pareça, ela tem razão. Para falar sobre um tema, é obrigatório que se tenha pensado o tema.

Por isso acho estranho que Inês Pedrosa tenha dito que ter João Miguel Tavares a discursar seria a mesma coisa que ter lá um padeiro. Porque se percebe logo que Inês Pedrosa não pensou padeiros. Ao contrário de mim. Não sendo um, dou emprego a vários. A relação entre patrão e empregado pode parecer longínqua, mas existe proximidade.  Como Inês Pedrosa bem saberá, uma pessoa a quem pago o salário hoje, pode vir a estar casada comigo amanhã. E não há mal nenhum nisso, mesmo que haja dinheiros públicos ao barulho.

Inês Pedrosa pode pensar em padeiros. Pode até pensar sobre padeiros. Mas vê-se que não pensa padeiros. Há quanto tempo não verá um? Se se tivesse informado, saberia que, à hora do discurso, nenhum padeiro está acordado, pois passou a noite a amassar. Portanto, Inês Pedrosa não pode esnobar um padeiro que, de antemão, já esnobou o discurso do 10 de Junho, deixando-se dormir.

Confesso que não percebo a embirração de Inês Pedrosa com os padeiros. Afinal, são quem prepara o pão e bolos que ela, evidentemente, aprecia. Já a embirração com João Miguel Tavares, percebo-a bem. Inês Pedrosa não leva a mal que João Miguel Tavares não pense Portugal, leva a mal que João Miguel Tavares não pense Portugal da forma como ela acha que o país devia ser pensado. Isto é, na sua totalidade. É que João Miguel Tavares até pensa Portugal, mas fá-lo aos bocadinhos: pensa Vale do Lobo, pensa Cova da Beira, pensa Rua Castilho, pensa um outlet em Alcochete, pensa o edifício na Fontes Pereira de Melo onde é a sede da PT.

E é isso que Inês Pedrosa e os que se irritaram com o discurso não admitem: João Miguel Tavares recorda José Sócrates, o Primeiro-Ministro que os socialistas veneravam e querem agora esquecer que se trata de um vigarista que, digamos, pensou burlas. Alegadamente, claro. Sócrates, em Portugal, é metonímia para corrupção e, por coincidência, Inês Pedrosa teve o cuidado de avisar que falar sobre corrupção é alarmismo e populismo. Disse-o de uma maneira que até parece que praticá-la não é tão grave.

João Miguel Tavares é um post it que lembra, entre outras coisas, que o actual PM foi número 2 de Sócrates, que o actual número 2 do PM foi número 3 de Sócrates, que o outro número 2 de Sócrates, cujo filho viveu em Paris às suas custas, é agora eurodeputado do PS e que, só para falar em temas recentes, a CGD foi usada por Sócrates para controlar o BCP. O problema de Inês Pedrosa é que o 10 de Junho fê-la pensar em João Miguel Tavares. Aliás, pela exasperação demonstrada, foi mais profundo que isso: o 10 de Junho fê-la pensar João Miguel Tavares.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Crónica

Por cá, na Quinta…

Pedro Barros Ferreira
200

Estes prodígios das finanças criticam tudo e todos, direita e esquerda. Nada lhes serve. O que interessa é o que Estado volte a abrir os cordões à bolsa (e nisso os socialistas são bons, sem dúvida).

Crónica

Carta do Di Maria escrita por um médico português

Fernando Leal da Costa
382

Com as devidas adaptações poderia ter sido escrita por um qualquer trabalhador em Portugal ou no mundo inteiro. Por qualquer profissional! Se por um futebolista teria sido lida por milhões de sabichões

Política

The winter is coming

Pedro Barros Ferreira
209

Para travar esta frente fria, é necessário que alguém – por favor alguém! – saia do armário e afirme sem medo que quanto maior for a presença do Estado nas relações humanas maior é a corrupção.

Crónica

O que fazer quando se fazem 50 anos /premium

Alberto Gonçalves
1.198

Se o que importa é o que fazemos com os anos, a verdade é que, nestes 50, fiz o que quis, o que pude, o que soube e principalmente o que calhou. Amanhã, faço 50 anos. E depois de amanhã, faço o quê?

Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)