Rádio Observador

Maioria de Esquerda

Mais quatro anos de geringonça? /premium

Autor
769

Não esperem o fim da geringonça simplesmente pela alteração dos equilíbrios entre os seus sócios. Só há uma maneira de acabar com a geringonça: substituí-la por uma maioria reformista.

A crer nas sondagens e no que dizem os sócios da actual maioria parlamentar, este não será o último ano da geringonça. Se António Costa não obtiver uma maioria absoluta, é quase certo que a geringonça continuará. É o que Costa repete há anos, e não há razões para não acreditar nele ou para esperar que os seus parceiros, por mais agrestes que se mostrem durante a campanha eleitoral, se escusem a novo entendimento. BE e PCP vão precisamente pedir votos com um único argumento: influenciar a governação do PS. De resto, Catarina Martins já deve ter tirado as devidas lições do vexame que, em Espanha, Sánchez administrou a um Iglesias demasiado ganancioso.

Mas se Costa arranjar a sua maioria absoluta, nem por isso a geringonça chegará ao fim. É que a geringonça não emergiu simplesmente da ocasional necessidade de Costa procurar amparo na extrema-esquerda, após o seu fracasso eleitoral de 2015. Resultou, também, do ambiente criado pela Grande Recessão de 2008 e pela crise das dívidas soberanas da zona Euro. Dentro do PS, muita gente convenceu-se de que só atitudes radicais o poderiam poupar ao destino do Pasok. Como é que Pedro Nuno Santos, o mais sério candidato à sucessão de Costa, escapou às garras do anonimato? Gritando a alemães e franceses, no fim de 2011: “ou os senhores se põem finos ou nós não pagamos”. Admitindo, como já se admite, que estas sejam as últimas legislativas de Costa, é improvável que alguém pense herdar-lhe o lugar avançando pela “direita”. Pedro Nuno Santos deu o mote em 2011: “estou a marimbar-me que nos chamem irresponsáveis”.

Dir-me-ão: e depois? Costa, os seus sucessores e os seus parceiros continuarão constrangidos pela dependência financeira do BCE. Não poderão aumentar o défice nem se atreverão a tirar-nos do euro. Pois não. Mas isso não quer dizer que não tenham nada com que passar o tempo. A geringonça não se fez por causa das “reposições”, nem dos serviços públicos. A geringonça fez-se para manter e reforçar o poder dos seus parceiros no Estado, e do Estado na sociedade, e, por isso, para impedir quaisquer “reformas estruturais” que pusessem em causa esse poder.

É o que os parceiros da maioria têm feito e que têm razão para continuar a fazer. Sobretudo se finalmente ganharem umas eleições, como não ganharam em 2015, e a sua maioria for graduada em “maioria de revisão constitucional” (isto é, dois terços da Assembleia da República). Talvez não restaurem o Conselho da Revolução, mas a dimensão de uma vitória dessas será, só por si, pressão suficiente para irem mais longe, quer na colonização do Estado pelos seus agentes e ideologias, quer na colonização da sociedade pelo Estado. É por exemplo possível que uma geringonça reforçada aproveite eventuais substituições de juízes no Tribunal Constitucional para, como Trump está a fazer nos EUA, garantir que, perdida um dia a maioria parlamentar, continuará a dispor de uma maioria togada para bloquear reformas. Teremos então geringonça por muitos mais anos.

Não esperem portanto o fim da geringonça simplesmente pela alteração dos equilíbrios entre os seus sócios. Só há uma maneira de acabar com a geringonça: substituí-la por uma maioria reformista. Mas eis o que nenhum partido à direita percebeu ou fez algo para que acontecesse. Rui Rio insiste nos acordos com o PS — para fazer “reformas”, segundo diz, como se a razão de ser do PS não fosse impedir reformas. Os demais partidos, velhos e novos, têm-se dedicado a perfilhar as causas do BE com o respectivo folclore, sem lhes ocorrer que, para isso, já há o BE. Tendo assim entregue o país à geringonça, não se admirem se a geringonça for tentada a abusar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maioria de Esquerda

O Estado da Esquerda

Nuno Carvalho
501

O que o PS fez foi usar meios e dinheiro do Estado para assegurar que o modelo da geringonça se aguentava até ao fim, ignorando as prioridades de um Estado responsável e que funcionasse para todos.

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)