Política

Não, Daniel. Não foi Passos. Foste tu. /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho
2.354

Aquilo que Daniel Oliveira critica em Bolsonaro e Ventura – o radicalismo, o ostracizar do outro, os ataques pessoais – é bastante similar ao modo como a esquerda lidou com o anterior governo.

“Ventura foi parido por Passos, num processo de crescente radicalização do PSD”, escreveu recentemente Daniel Oliveira. A tese não é nova. Há cerca de um ano, quando André Ventura se candidatou à Câmara Municipal de Loures, o colunista do Expresso assinou outro artigo (“A deriva ideológica do PSD: da farsa à tragédia”) em que defendia que a liderança de Passos Coelho dera “espaço para a extrema-direita ganhar poder num partido do sistema”. Pois bem. Agora Passos já não está e Daniel Oliveira continua a culpar o ex-primeiro-ministro por uma alegada ascensão da extrema-direita em Portugal. Do seu ponto de vista, o facto de o PSD não ter retirado o apoio a Ventura após as suas declarações sobre a etnia cigana legitimou movimentos populistas no nosso espaço público. A vontade de André Ventura formar agora o seu partido (“Chega”) e a proximidade de Jair Bolsonaro à presidência do Brasil ressuscitaram a tese de Daniel Oliveira acerca da “deriva ideológica” do nosso centro-direita.

Eu, que já entrevistei Daniel Oliveira, conhecendo as suas ideias, discordo dessa tese. Usar Passos Coelho como bode expiatório de um fenómeno extremista pode ser politicamente útil para o autor (e para a sua esquerda), mas não deixa de ser uma conclusão simplista para mim (e para a minha direita). Podemos até discutir quão correta foi a manutenção do apoio social-democrata em Loures, mas daí a dá-la como catalisadora de uma onda populista em Portugal vai uma longa distância. Compreende-se a tentação de sujar o estatuto de Passos com as controvérsias de André Ventura, mas um analista político deve ir além das suas conveniências políticas.

Culpar o centro-direita por ímpetos extremistas tem uma consequência clara: desvaloriza-o, valorizando a esquerda de Daniel Oliveira. E é aí que divergimos. Se queremos entender verdadeiramente o pulsar populista em Portugal devemos olhar para antes das autárquicas em Loures do ano passado. Devemos perguntarmo-nos, com honestidade, quem trouxe, afinal, a ideologia, o euroceticismo e a polarização para o nosso debate público. Devemos perguntarmo-nos quem transformou a arena política num campo onde só se permitem discussões entre «bons» e «maus», «heróis» e «vilões», «neoliberais» e «esquerda», quando todos sabem que o período de intervenção foi bem mais complexo do que isso – apesar de nem todos prescindirem dessa narrativa.

Não concordo e não concordei com pacotes imediatistas de austeridade, com o défice democrático das instituições europeias ou com a falta de ambição que, certas vezes, afecta o nosso centro-direita. Mas não podemos analisar uma preocupação com os mesmos preconceitos daqueles que criticamos. Aquilo que Daniel Oliveira critica em Bolsonaro e Ventura – o radicalismo, o ostracizar do outro, os ataques pessoais – é bastante similar ao modo como a esquerda lidou com o anterior governo. Quem não se lembra da bancada do PCP chamar «PIDE reformado» a Paulo Portas? Quem não se lembra do Bloco de Esquerda colar traços de «racismo» a Passos Coelho? Ou do Partido Socialista chumbar todas as propostas do PSD para o último Orçamento do Estado somente por serem do PSD? A receita para o disparate estava toda lá: o argumentário básico, o tribalismo partidário, o excesso ideológico.

Não foi Passos, portanto, que abriu a janela populista em Portugal. Foram aqueles que não tiveram nenhuma arma contra ele que não essa janela.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Revolução

2019 e a natureza das revoluções /premium

Sebastião Bugalho

Em 2015 Portugal saiu das legislativas num clima “polarizado” e “crispado”. Quatro anos depois todos os partidos com assento parlamentar, da esquerda à direita, acabaram a aprovar as metas de Bruxelas

PSD

A tentativa de riogicídio  /premium

Sebastião Bugalho

Montenegro oferece a Rio o que ele não tinha: uma causa mobilizadora. Os autocratas necessitam e beneficiam de um inimigo externo e Rio, que nunca quis ser anti-Costa, cultivará o anti-montenegrismo.

PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)