Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nos seus primeiros seis meses de mandato, Marcelo Rebelo de Sousa tem sido um presidente omnipresente. Com um agenda intensa (alguns diriam quase caótica) e uma constante presença na comunicação social, será hoje relativamente consensual afirmar que Marcelo tem procurado alargar o mais possível a sua base de apoio. Mas seria um erro reduzir esse esforço a uma mera táctica política. Todo o historial de Marcelo sugere que a sua postura é genuína e corresponde ao carácter e modo de ser do actual Presidente.

O alargamento da base de apoio político é particularmente importante se recordarmos que a eleição de Marcelo à primeira volta foi em larga medida tornada possível pelo facto de o seu principal opositor ter sido Sampaio da Nóvoa. O abismal resultado dos candidatos apoiados pelo PS nas últimas presidências não foi certamente alheio ao bizarro alinhamento que levou a que a facção dominante do PS apoiasse o mesmo candidato presidencial que movimentos de extrema-esquerda como o PCTP-MRPP, o Livre ou o POUS.

Marcelo foi eleito à primeira volta por mérito próprio, mas sabe que os 2,4 milhões de votos que o elegeram estão claramente abaixo dos cerca de 2,8 milhões votos conquistados por PSD e CDS nas legislativas de 2011. Esgotado o efeito de mobilização do eleitorado moderado que o extremismo de Nóvoa provocou, Marcelo tem por isso procurado – e bem – manter e alargar nas ruas e na arena mediática a base de apoio que conseguiu eleger.

Note-se no entanto que tal não implica necessariamente dar carta branca à “geringonça” montada e liderada por António Costa. Marcelo usou já por duas vezes o seu poder de veto político, enviando em ambos os casos mensagens fortes e claras em matérias relevantes para o país. Ainda assim, o teste decisivo para o Presidente Marcelo colocar-se-á quando for confrontado com uma crise política, algo que dificilmente deixará de acontecer na actual legislatura. Nesse cenário, e perante a impossibilidade de agradar a todos, a popularidade que tem cultivado poderá ser-lhe muito útil, mas será sem dúvida esse o verdadeiro teste de fogo de Marcelo enquanto Presidente.

André Azevedo Alves é professor do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR