Rádio Observador

Igreja Católica

Paris já está a arder? /premium

Autor
322

A Igreja católica francesa enfrenta dois principais inimigos: o vandalismo terrorista, ateu ou islâmico, e o laicismo jacobino.

Em plena Semana Santa, quando a Igreja católica celebra os mistérios da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo, a catedral de Notre Dame, em Paris, sofreu um gigantesco incêndio, que gerou um generalizado sentimento de pesar, bem como um generoso movimento de solidariedade nacional e internacional: inúmeras pessoas e entidades, públicas e privadas, ofereceram-se, de imediato, para contribuir financeiramente para a reconstrução da sé catedral da capital francesa.

A ocorrência daquele trágico acontecimento, ainda não suficientemente explicado, mas que parece não ter sido provocado intencionalmente, não constituiu um facto isolado. Por sua vez, o processo de reconstrução da Notre Dame está a gerar alguma polémica entre o cardeal da capital francesa, Michel Aupetit, e o presidente da República francesa. Emmanuel Macron quis chamar a si a restauração desse monumento histórico, esquecendo que se trata de uma igreja católica, de que é titular o arcebispo de Paris. Assim sendo, a Igreja católica francesa enfrenta dois principais inimigos: o vandalismo terrorista e o laicismo jacobino.

Segundo dados do Service Central de Renseignement Criminel (SCRC), da polícia francesa, avançados em Março passado pelo Le Figaro, entre 2016 e 2018 verificaram-se milhares de casos de vandalismo anticlerical: a média é de 2,75 templos católicos atacados diariamente. O pior ano foi 2017, em que se registaram 1045 atentados: mais de três por dia!

Os ataques caracterizaram-se pelo roubo e destruição de bens, assim como mensagens injuriosas grafitadas nas paredes. Só numa semana de Março deste ano, 12 igrejas francesas foram vandalizadas e uma delas foi mesmo alvo de fogo posto. No mesmo mês, a Basílica de Saint-Denis, em Paris, com mais de 800 anos, foi também atacada: o órgão ficou gravemente danificado e vários vitrais foram destruídos.

É verdade que actos desta natureza não são invulgares em França. Algumas manifestações políticas, como recentemente os protestos promovidos pelos chamados ‘gilets jaunes’, ou coletes amarelos, provocaram um rasto de destruição: carros incendiados, montras partidas, lojas pilhadas, etc. Para além deste terrorismo laico, há que lamentar também o terrorismo antissemita: segundo Le Figaro de 20 de Fevereiro passado, que cita dados oficiais do ministério do interior francês, em 2018 registaram-se 541 atentados antissemitas em França, 78% mais do que os 311verificados em 2017. O terrorismo anticatólico é, sobretudo, de proveniência ateia ou islâmica: nem todos os ateus são violentos, embora alguns o sejam; como também nem todos os crentes em Alá são terroristas, mas alguns defendem e praticam a ‘jihad’.

A Igreja católica francesa tem, pois, de fazer frente ao vandalismo laico, ao terrorismo islâmico e também ao laicismo galicano, que igualmente ameaça a sua existência e acção. O cardeal arcebispo de Paris, Michel Aupetit, é conhecido pela sua cordialidade, mas não pôde deixar de reagir ao discurso do presidente da República francesa. Emmanuel Macron, dirigindo-se à nação por ocasião do incêndio que praticamente destruiu toda a cobertura da catedral de Notre Dame, em nenhum momento referiu os católicos de França, principais vítimas desta tragédia. “Afinal de contas – comentou, a este propósito, o arcebispo de Paris – trata-se de uma efectiva e activa catedral e a palavra ‘católico’ não é nenhum palavrão que não se possa dizer”. Como é sabido, para o laicismo, o que é do Estado é do Estado, mas o que é, ou era, da Igreja é ‘nosso’, mesmo que tenha sido obra dos fiéis católicos, que financiaram e realizaram a construção, com um único fim: o culto divino.

Não seria, contudo, um facto inédito na atribulada história da Notre Dame. Depois da revolução francesa, a emblemática catedral parisiense foi dedicada, em 1793, ao idolátrico ‘culto da razão’. Um ano depois, a sé de Paris, à falta de devotos, transformou-se num paiol e armazém de alimentos: dir-se-ia que o seu deus passou a ser a morte, ou o ventre (cf. Fl 3,19).

Deve-se a Napoleão a recuperação de Notre Dame para a liturgia católica, mas mantendo-se como propriedade do Estado francês. A partir da Concordata de 1801, permitiu-se que a Igreja católica retomasse, na sé catedral da capital francesa, as práticas religiosas. Foi em Notre Dame que, em 1804, Bonaparte foi coroado: o próprio Napoleão, retirando a coroa das mãos do romano pontífice, cingiu-a. Dessa forma, muito de acordo com a tradição galicana, o imperador francês não apenas se afirmou superior ao vigário de Cristo como, de certo modo, fez de Notre Dame o seu templo, subordinando o culto católico ao engrandecimento da pátria francesa. Era também nessa catedral que fazia questão que se oficiassem os solenes Te Deum que celebravam as suas vitórias militares. Para esse efeito, a sé parisiense veio a substituir, de certo modo, as catedrais de Reims ou Versalhes, mais conotadas com o regime monárquico, adquirindo assim uma relevância nacional, que já não mais perderia.

Emmanuel Macron, ao querer agora protagonizar o processo de reconstrução de Notre Dame, parece imitar Napoleão, esquecendo, mais uma vez, que se trata de uma catedral católica, que é a sede, ou sé, do arcebispo de Paris. Por isso, o Cardeal Michel Aupetit sentiu-se na obrigação de recordar ao chefe de Estado que a Notre Dame, mais do que um monumento histórico francês, é um templo católico e que, portanto, o arcebispo de Paris, como seu titular, não pode ser posto à margem da restauração desse templo, afecto à Igreja, que aí exerce, desde tempos imemoriais, o seu culto.

Também em Portugal persiste esta atitude laicista: a Igreja construiu as catedrais e os conventos, mas depois, o Estado apropriou-se deles. Quantos quartéis, hospitais e escolas estatais usurpam instalações religiosas?! Mesmo quando, posteriormente, se permitiu que nesses imóveis se voltassem a realizar actos de culto, o Estado manteve-se, contudo, como titular da propriedade desses bens, que nem sequer foram expropriados, porque não consta que se tenham pago as devidas indemnizações…

Esta política do esbulho, puro e simples, do património católico surgiu em 1834, com o liberalismo, que foi o principal responsável pelo roubo de muitas propriedades eclesiásticas que, vendidas ao desbarato em hasta pública, entraram em vertiginoso processo de destruição. A república, que foi na sua génese um regime jacobino e anticlerical, acelerou este procedimento ruinoso, não apenas para a Igreja em Portugal, mas também para a cultura e para a educação nacional, como o investigador Henrique Leitão provou, pela publicação do inventário das principais bibliotecas conventuais que, ao serem secularizadas, se perderam na sua quase totalidade. O Estado Novo não inverteu esta política: não só não devolveu todos os imóveis eclesiásticos indevidamente integrados no património público, como também não restituiu as obras de arte que, subtraídas a inúmeras igrejas e conventos, são hoje parte essencial do recheio dos museus nacionais.

Os defensores do laicismo gostam muito de citar a famosa sentença de Jesus Cristo: “Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Mt 22, 21), para exigirem à Igreja católica a mesma tributação a que estão sujeitas as outras religiões e entidades. Contudo esquecem que, se se aplicasse esse princípio com justiça, o Estado teria de devolver todo o património imobiliário e artístico da Igreja católica portuguesa, de que indevidamente se apropriou, nomeadamente ao longo dos últimos dois séculos da história de Portugal. Portanto, feitas as contas, é o Estado português que fica a ganhar com tão pobre compensação para um tão monumental roubo …

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Vaticano

Portugal já ganhou o penta! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
149

Daí a necessidade e urgência de escutar as sábias palavras do Cardeal D. José Tolentino: “O que o Senhor repete é: ‘Lembra-te do perdão!’ É como perdoados e perdoadores que somos chamados a viver”.

Livros

‘As gémeas marotas’ /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
590

Só uma mente depravada, senão mesmo criminosa, se empenha em perverter as crianças, através de uma aparentemente inocente história infantil.

Vaticano

Portugal já ganhou o penta! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
149

Daí a necessidade e urgência de escutar as sábias palavras do Cardeal D. José Tolentino: “O que o Senhor repete é: ‘Lembra-te do perdão!’ É como perdoados e perdoadores que somos chamados a viver”.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)