Rádio Observador

Crescimento Económico

Porque é que a econometria não serve para nada?

Autor
461

Atendendo que se fazem orçamentos com compromissos de despesa de milhares de milhões de euros com base nas previsões de crescimento económico, vamos concordar que o erro não é inócuo.

Nos últimos tempos temos assistido à discussão de previsões macroeconómicas, naturalmente motivadas pela dificuldade que a República Portuguesa tem em ajustar a riqueza que consome à riqueza que Portugal produz e pelos constrangimentos impostos pelo facto de não termos moeda própria. Educado que fui nas ciências duras, compreendo perfeitamente o conceito de erro de previsão, mas, associado a este, tenho que entender a distribuição desse erro. E sendo verdade que estas discussões de previsões, para cá e para lá, estão longe de ser novidade, também é verdade que nunca ninguém vem dizer que errou ou pedir desculpa pela falha. Atendendo que se fazem orçamentos com compromissos de despesa de milhares de milhões de euros com base nessas previsões, vamos concordar que o erro não é inócuo e, pior, a distribuição do erro é muito importante, nem que seja porque um erro de um ano compensava o erro de outro.

Vamos então facilitar a coisa e usar uma instituição supostamente independente, o Banco de Portugal. Fomos ver as previsões que o Banco de Portugal fez este século para o produto interno bruto do país a partir do Boletim Económico de Verão do ano em causa. Isto é, estamos a seis meses do fim do ano e os economistas do Banco, com os dados que têm dos meses já corridos desse ano, fazem uma previsão do que vai ser o total do ano. Simples, certo? A distribuição do erro é aquela que mostro na figura seguinte (Fonte: Boletim Económico do Banco de Portugal):

Picture1

Usando como erro mínimo o valor de 0,1% do PIB, aproximadamente 180 milhões de euros ou 10 mil pessoas a trabalharem, os técnicos do Banco de Portugal acertaram 2 vezes nas 15 que o fizeram. Mas o que é estranho é que falham por muito tantas vezes quantas aquelas que falham por pouco. Falhar por -0,4% é estarem 40 mil pessoas a trabalhar sem que os economistas deem por isso. São dez Auto Europas, para que se tenha uma ideia da dimensão do erro.

Obviamente, não há aqui nenhuma conspiração do Banco de Portugal para que as previsões falhem, nem se tire daqui uma declaração de incompetência. Certamente o banco produzirá, dentro daquilo que são as práticas aceites, o melhor que sabe. O problema está no facto de estarmos a falar de um sistema económico.

O que é um sistema previsível? Um sistema previsível é um sistema em que os estados possíveis não se alteram. Por exemplo, quando lançamos um dado, podemos não saber que número vai sair, mas sabemos que tem 6 lados e cada vez que o lançamos vai sair um de 6 números. Quando lançamos uma moeda ao ar, sabemos que vai sair cara ou coroa. E vai sempre sair, ou cara, ou coroa. Estes são dois sistemas previsíveis no sentido em que podemos determinar, ou por forma teórica, ou por medida, a distribuição dos resultados possíveis e, com eles, tomar opções sobre o que fazer tendo consciência do erro que estamos a fazer.

Uma economia é o oposto disto, por definição. Nós estamos sempre a produzir para “dentro do sistema” usando o capital que temos. Então os lados do nosso dado económico estão sempre a crescer. Hoje tem 6 lados, amanhã 9, depois 27, depois… Portanto, cada vez que fazemos uma medida, a incógnita não é o valor que obtemos, mas quantos lados tem o dado. Quando procuramos fazer uma previsão, ainda que com dados na mão, como no caso de estarmos a prever o produto de um ano já com o ano a meio, o resultado só vai ser o previsto por sorte. E é isso que a dispersão dos valores do erro mostra.

Não raras vezes, as pessoas dão mais valor às técnicas matemáticas que aos pressupostos em que estas são válidas e a econometria é o perfeito exemplo disto. Num sistema cujo crescimento se faz como na economia (não confundir com “crescimento económico” que é outra coisa para os economistas), as técnicas matemáticas não se adequam e os resultados levam a erros demasiado grandes para aquilo que o meu bolso é capaz de aguentar.

Em conclusão, numa altura em que os economistas se digladiam sobre que previsão para 2016 estará mais correta, se a do governo, se a da Comissão de Acompanhamento, se a do Banco de Portugal, acredite naquilo que lhe digo: aquela que fizerem em março de 2017.

PhD em Física, Co-Fundador e Partner da Closer

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igualdade de Género

Generalidades identitárias

João Pires da Cruz
439

Nos EUA, ao se impor o direito à autodeterminação de género, as provas femininas de atletismo estão a ser dominadas por ‘meninas’ que são marmanjos carregados de músculos que fizeram um totó no cabelo

Discriminação

A cor da pele não define ninguém

João Pires da Cruz
2.101

Cresci num bairro social e sei que ser a favor de quotas enquanto se acabam com os contratos de associação na educação é a falsídia extrema. O que os desfavorecidos precisam é de educação de primeira.

Alterações Climáticas

O Triunfo dos Porcos

João Pires da Cruz
673

A ciência não é uma questão de opinião. Não é uma democracia onde se valoriza a liberdade de expressão. Vive de alguma diversidade, mas só na posse de todos os dados, no conhecimento do que está certo

Crescimento Económico

Como vai o motor da nossa economia?

Luís Ribeiro
200

Estamos a viver “à sombra da bananeira” de uma alta imobiliária que alguns consideram já ser mais uma “bolha” do que um “boom”. É uma ilusão que se esfuma facilmente e é incapaz de arrastar a economia

China

O crescimento económico da China

Miguel Gouveia

É muito improvável que num país governado por uma clique cujo poder tem poucas limitações funcione o princípio da "destruição criativa" indispensável para que uma economia realmente avançada progrida.

Crescimento Económico

Portugal na liga dos últimos /premium

Alexandre Homem Cristo
207

A economia pouco cresce. Mas o discurso oficial ignora a existência dos desafios económicos e não reage ao facto de, comparativamente aos seus parceiros europeus, Portugal estar a ficar para trás.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)