Rádio Observador

Psicologia

Porque não se muda a “Saúde”? /premium

Autor
  • Teresa Espassandim

O mais recente Relatório de Primavera do Observatório Português dos Sistemas de Saúde é claríssimo no que à saúde mental diz respeito, colocando o dedo na ferida da escassez de Psicólogos no SNS.

Enquanto Psicóloga, vivi já alguns episódios hilariantes em situações sociais como quando numa festa a pessoa que acabo de conhecer interrompe a conversa que se desenrolara perante a revelação da minha profissão para comentar “então está a avaliar-me, já sabe tudo sobre a minha personalidade?” Aceno que sim, soltando uma gargalhada perante os olhares surpresos e desconfortáveis. Depois de me divertir por uns breves instantes, tranquilizo os presentes que me rodeiam esclarecendo que não estaria ali a trabalho, que necessitaria de muito mais do que uns meros instantes e de um contexto próprio para realizar uma avaliação psicológica e que a prática da psicologia cumpre com um conjunto de princípios que constituem o código deontológico.

Por entre sorrisos e suspiros ambivalentes de alívio e alguma pena que detecto (o conhecimento acerca de nós próprios fornecido pelos outros de forma quase instantânea gera para muitos um íman difícil de atenuar) lá vou explicando alguns desses princípios que logo ali se aplicam, entre eles o da responsabilidade, o da beneficência e não-maleficência assim como o do consentimento informado. Esclarecidas as preocupações iniciais, abre-se invariavelmente um período de manifestação de curiosidade e questões várias e de partilha de informação pessoal sensível, dissimulada com “uma pessoa minha amiga está a passar por x situação. Será que…?”

Poucos são os que resistem a não tentar aproveitar momentos sociais destes para uma espécie de consultoriozinho, breve que seja. E assim foi. Logo que me apanhou sozinha a tal pessoa precipita-se a partilhar comigo que uma pessoa próxima se tinha separado, tudo muito repentino e inesperado, com várias mudanças difíceis a terem de ser feitas e que não estaria nada bem. Descreve que esta sentirá muita ansiedade, que lhe liga descontrolada e perdida na sua dor variadíssimas vezes durante o dia e até à noite e que já terá acontecido ter ataques de pânico. O mais recente tê-la-á levado às urgências de um hospital público onde relata ter recebido conselhos moralistas do tipo “Está assim por causa de um homem?! Há mais pessoas no mundo, não vale a pena sofrer assim!” e uma prescrição de psicofármacos, que não compreendeu. Nem mais. A tal pessoa questiona-me se assim é que deve ser, estupefacta. Respondo-lhe que não, que provavelmente a ajuda que teve foi porque não estão disponíveis outras formas de ajuda no SNS, como por exemplo Psicólogos, razão por que se recorre sobretudo ao tratamento farmacológico.

O mais recente Relatório de Primavera do Observatório Português dos Sistemas de Saúde é claríssimo no que à saúde mental diz respeito, colocando o dedo na ferida da escassez de Psicólogos no SNS (apenas 601, o que corresponde a um rácio de 0,285 psicólogos por 5000 habitantes e com uma distribuição manifestamente heterógena) e do elevadíssimo consumo de psicofármacos (em que Portugal se posiciona na dianteira dos demais países da OCDE). Refere igualmente as mais-valias que o investimento em mais Psicólogos no SNS significaria, em particular se nos Cuidados de Saúde Primários, para além do evidente aumento da acessibilidade dos serviços de intervenção psicológica, a ”disponibilização de tratamentos mais custo-efectivos, a diminuição da prevalência de problemas de saúde mental, a poupança em cerca de 20% a 30% dos custos e diminuição das idas às urgências, das hospitalizações e do tempo de internamento”. Não é de mais lembrar que 1 em cada 5 Portugueses tem um problema de saúde psicológica…

“E porque não se muda a Saúde?”, que é como quem diz os cuidados prestados e os profissionais disponíveis, retorquiu ainda a pessoa que acabara de conhecer. Ainda que à parte naquela situação social, tentando atender às interpelações que o estado de saúde da “pessoa amiga” causavam já não consegui responder mais (por tão pouco compreender) à indignação acerca do estado da Saúde do país: mas se assim é, porque não se muda?

Psicóloga especialista em Psicologia Clínica e da Saúde, Psicologia da Educação, Psicoterapia e Psicologia Vocacional e do Desenvolvimento da Carreira

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Psicologia

Ser (a)normal /premium

Teresa Espassandim

Por que vivemos a diferença de forma “ameaçadora”, quando é por ela que nos destacamos do todo formado pela humanidade, quando esta é reveladora do sentido de uma maneira de ser inteiramente singular?

Exames Nacionais

Reflexos na pauta /premium

Teresa Espassandim

Vamos lá lutar é por aquela décima no exame que a média agradece e os rankings rejubilam! Mas não esquecer o teatro, ERASMUS, o associativismo, o activismo, o desporto, o voluntariado, as viagens…

Trabalho

Psst, psst… O burnout anda por aí /premium

Teresa Espassandim

Quando o stress laboral se torna crónico e o ambiente entre colegas é conflituoso e nada colaborativo, o nosso envolvimento reduz-se à medida que o negativismo aumenta e o cinismo se torna recorrente.

Comportamento

Cuidado com o comparativismo! /premium

Laurinda Alves
152

Nunca poderemos dizer que a comparação entre pessoas leva à depressão e, ainda menos, ao suicídio, mas é vital ter a noção de que a comparação leva fatalmente à auto depreciação.

Psicologia

Ser (a)normal /premium

Teresa Espassandim

Por que vivemos a diferença de forma “ameaçadora”, quando é por ela que nos destacamos do todo formado pela humanidade, quando esta é reveladora do sentido de uma maneira de ser inteiramente singular?

Saúde

Mais Psicologia, mais progresso humano

Sofia Ramalho
1.302

A Psicologia e os psicólogos são cada vez mais necessários, em todos os ciclos da vida humana, intervindo para ajudar a lidar com o impacto das mudanças pessoais, sociais, ecológicas ou culturais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)