PSD

São brancos, que se entendam /premium

Autor

Ninguém percebe qual é a partitura do PSD e qual a sinfonia que Rio ou Montenegro vão tocar, algo imprescindível para uma pessoa decidir se vai ou não ao concerto. Pode ser tudo e mais alguma coisa.

É hoje a reunião do Conselho Nacional do PSD. Na última semana, o PSD chamou para si a atenção da comunicação social como há muito não se via.  Não houve aspecto da oposição entre Montenegro e Rio, dos verdadeiros motivos dos protagonistas ao método de votação de hoje à tarde, que não fosse objecto de finas análises. Pela minha parte, apanhei-me a concordar com muito do que se disse, mesmo quando contraditório entre si. Com o que se disse sobre o mau caminho de Rui Rio, com o que se disse sobre o direito de Rio a ir a eleições, com o que se disse sobre a legitimidade da atitude de Montenegro, e por aí adiante. Quer dizer: concordando com muito, sem nenhum critério que me permita adoptar uma posição nítida, fiquei na posição clássica do boi que vê os comboios passar.

Ou muito me engano ou esta minha triste situação é partilhada pela esmagadora maioria dos portugueses. O que, pelo menos, aquece a alma. É bom ter companheiros de infortúnio, sujeitos a perplexidades idênticas às nossas e padecendo de cansaços parecidos. A verdade é que os partidos são, entre outras coisas, orquestras que nos tocam uma sinfonia. Ela é boa ou má, e eles tocam-na bem ou mal. Se ela é boa e os intérpretes são bons, nós podemos projectar sobre a superfície sonora, por um acto de imaginação, os nossos sentimentos e ver na música, de forma parcialmente ilusória, a exposição desses mesmos sentimentos. Se, em contrapartida, tudo o que a orquestra produz, no meio da tosse generalizada da audiência, é um amontoar de ruídos indistintos sem articulação interna, onde não se consegue distinguir o Bolero de Ravel da Paixão segundo S. Mateus, os espectadores levantam-se e vão saindo da sala, com a excepção dos amigos e familiares dos músicos e de um ou outro crítico conscensioso que espera uma graça salvadora ou a final catástrofe sonora para escrever o seu artigo. Segundo todas as aparências, a orquestra do PSD anda mais próxima da segunda situação do que da primeira. Projectar algumas emoções no que ela oferece à nossa imaginação parece uma tarefa quase impossível. Até porque já passou metade do concerto a afinar (sem sucesso) os instrumentos.

Tradicionalmente, a responsabilidade do mérito ou do demérito da execução é atribuída à misteriosa figura do maestro. Há-os, é claro, de toda a espécie e feitio, desde aqueles que são supostos, como Furtwängler, conseguirem obter uma comunhão com a orquestra através da simples intensidade do seu olhar, e há-os febrilmente gesticulantes, como parece que era Mahler nos seus inícios. Há os que capricham nos ensaios e há os que detestam ensaiar. Há os que detectam a mínima nota falsa na orquestra e há os surdos, como Beethoven, pavor de todos os músicos. Há os que comandam a orquestra e há os que são comandados pela orquestra, versão musical do ilustre Jim Hacker e do “I am their leader, I must follow them”.

Que tipo de maestro é Rio e que tipo de maestro pretende ser Montenegro? Rio teve a seu cargo, no passado, uma orquestra de província, com um reportório limitado, que conduziu com algum sucesso, depois de a encontrar em péssimo estado. Mas agora parece perdido no meio da quantidade de músicos de que dispõe. Conduz de braços caídos, sem expressividade alguma, guardando toda a sua energia para ralhar que nem Toscanini com os elementos da orquestra, que quer mergulhar (foi ele quem o disse, numa indescritivelmente horrível expressão) num “banho de ética”. (Não quero ser pretensioso, mas o banho lava a pele, e aquilo que se chama “ética” é suposto habitar para lá dela.) Os resultados musicais da operação têm ficado muito aquém dos do irascível maestro italiano.

E Montenegro? Montenegro tem um meritório passado como repetidor. Ajudou, em tempos idos, um outro maestro, e fê-lo com indesmentível competência. Mas não era ele o maestro nem sabemos qual a dimensão real das suas possibilidades. Alguma competência musical não assegura uma proficiência extraordinária de batuta na mão. Quem nos garante que não se vai perder na leitura da partitura?

Sobretudo, e isto vale para os dois, ninguém sabe, por estes dias, qual é a partitura do PSD. Ninguém percebe qual a sinfonia que vão tocar, algo que é imprescindível até para uma pessoa decidir se vai ou não ao concerto. Pode ser tudo e mais alguma coisa. O público navega na mais extrema ignorância. Como pedir efectiva atenção face a uma confusão assim?

Por tudo isto, aqueles que conseguem manter ainda alguma pouca curiosidade na reunião das cinco da tarde de hoje, estão no direito de serem informados não só sobre os cavalheiros que almejam ascender ao pódio de batuta na mão como sobretudo do reportório que estes pretendem oferecer-lhes. Sem isso, como querem que projectemos os nossos sentimentos, as nossas emoções, sobre a música e que a levemos a sério? Alguma informação sobre isso seria bem-vinda. Como dizia o outro: são brancos, que se entendam.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A janela de Victor Hugo /premium

Paulo Tunhas

Notre-Dame é algo perfeitamente identificável por toda a gente. Dito de outra forma: num indivíduo que todos conhecemos. E o fogo confrontou-nos com a possibilidade de assistir em directo à sua morte.

Música

A contemplação da música /premium

Paulo Tunhas

A haver semelhança entre as disposições emotivas do sujeito e as formas musicais, ela só pode ser o resultado de um processo através do qual o espírito captura imaginativamente as formas. 

Governo

Casos de família /premium

Paulo Tunhas

"Vou declarar que no governo, por definição, não há família; que ela está toda na oposição. Em política, o que importa são as definições. E é ao primeiro-ministro que cumpre definir: é o que o define"

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)