Terrorismo

Se Mandela fosse do PSD, o BE arranjaria maneira de lhe chamar racista

Autor
4.499

A novidade nos últimos tempos foi a adopção pela esquerda democrática do método comunista de difamar os adversários, primeiro com o apodo de “neo-liberais”, agora com o labéu de “racistas”.

No massacre de Barcelona, participaram mais de uma dezena de jovens muçulmanos árabes, sob a direcção do imã de uma mesquita local. O problema está nas conclusões que não podemos tirar, sem passarmos pela farsa das acusações de racismo e islamofobia: que a imigração muçulmana está a ser usada pelos jihadistas para semear na Europa o sectarismo violento do Médio Oriente, e que a democracia, o pluralismo e o Estado de direito no Ocidente estarão em risco se não houver um controle rigoroso das migrações e uma exigência muito clara aos imigrantes e seus descendentes para se conformarem com os valores, as leis e os costumes das sociedades de acolhimento. Mas quem disser isto, e só por dizer isto, é “racista”.

Os racistas existem. Mas racismo é agora usado da maneira mais discricionária. Vamos entender-nos: racista é qualquer doutrina ou atitude que pressuponha a divisão da humanidade em “raças” e a hierarquização dessas “raças” de modo a excluir algumas delas dos direitos e consideração devidos às “raças superiores”. O que significa que argumentar que membros deste ou daquele grupo, num determinado momento ou lugar, parecem ter um certo problema pode ser verdade ou mentira, mas não é necessariamente “racismo” nem sequer fobia. As sociedades ocidentais, como aqui lembrou Gabriel Mithá Ribeiro, foram aquelas que, no mundo, mais esforço alguma vez fizeram para eliminar a discriminação racial. Mas foram também aquelas em que a denúncia de racismo se tornou um truque barato para marcar pontos políticos. Esse costume tem tido dois efeitos: por um lado, impediu o debate sério sobre qualquer questão que envolva uma “minoria étnica”, como é o caso do terrorismo jihadista na Europa; por outro, tornou muitas dessas questões um exclusivo dos populismos nativistas, o que por sua vez serve à esquerda radical para tentar assimilar a esses movimentos quem quer que repare nos problemas, de um ângulo diferente do seu (o terrorismo jihadista deve-se apenas ao imperialismo americano).

Há muito tempo que a esquerda radical usa a acusação de “racismo” como uma variante de “fascista”: racistas e fascistas são todos aqueles que não são comunistas (na Alemanha dos anos 30, até os sociais democratas eram “sociais fascistas”). Os resultado são tão absurdos como isto: Pedro Passos Coelho é “racista” apenas por sugerir que as fronteiras devem estar fechadas a criminosos, mas Arménio Carlos pode incitar ao ódio contra os funcionários “escurinhos” do FMI. Porquê? Porque Passos é do PSD e Arménio do PCP. Se Martin Luther King ou Nelson Mandela por acaso voltassem e se inscrevessem no PSD, a esquerda radical arranjaria maneira de lhes chamar racistas.

A novidade nos últimos tempos foi a adopção pela esquerda democrática deste método comunista e neo-comunistas de desqualificar os adversários, primeiro com o apodo de “neo-liberais”, agora com o labéu de “racistas”. Em 1975, o PS escusou-se a tratar os que resistiam à hegemonia comunista como “fascistas”. Agora, porém, alinha levianamente na campanha contra o inventado “racismo” da oposição parlamentar. É a medida da sua crescente incapacidade de resistir às redes da esquerda radical.

Com o devido respeito, a esquerda democrática está apenas a desempenhar o papel do proverbial “idiota útil”. Porque este jogo serve sobretudo àqueles que gostariam, um dia, de ver os cidadãos das democracias ocidentais obrigados, como nos anos 30, a escolher apenas entre duas alternativas autoritárias, digamos, para usar exemplos de hoje: ou a Venezuela de Maduro ou as Filipinas de Duterte. Resistir sem medo às suspeitas absurdas de racismo não é apenas um meio de manter a liberdade de espírito necessária para enfrentar problemas como os que derivam das migrações do Médio Oriente: é também um meio de defender a democracia.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Porque é que Rui Rio ganhou e vai perder /premium

Rui Ramos
332

Porque é que Rui Rio vai perder? Por este pormenor: a manobra de António Costa resultou de uma bipolarização do debate político, notória desde a Guerra do Iraque (2003) e a Grande Recessão (2008).

Rui Rio

A crise do PSD é a crise de todo o regime /premium

Rui Ramos
263

Rio não se distingue dos seus rivais no PSD por quaisquer ideias, mas por uma estratégia – ou melhor, por uma manha. Esta é clara: hostilização àquilo que ele trata como “direita”, e aproximação ao PS

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)