Legislativas 2015

Tanto faz?

Autor
6.631

O silêncio desta metade de Portugal que sou suposta representar é devastador. E como tal, apela a conclusões feias.

1 – Não pensei poder espantar-me tanto: que é feito da outra metade do país?  Acreditam na bondade politica de que se anuncia? Que pensam desta inóspita paisagem?

Essa coisa dos senadores, das elites, dos criadores de riqueza, dos empresários, das confederações patronais? É-lhes indiferente a novidade política em curso? Toda a universidade, toda a economia, toda a ciência, toda a cultura, que sei eu, revê-se nisto? Tanto faz? Têm medo de discordar, receio de se expor, horror a ficarem etiquetados porque dependem ainda mais do Estado do que aquilo que se pensa e sabe? Precisam tanto de dinheiro e “apoio” que estão atrás de Costa? Já fizeram tábua rasa de quem ganhou as eleições, largando para trás Passos Coelho e a coligação, mesmo sabendo que haverá um governo saído dela? Não estão dispostos a dar-lhe nenhuma espécie de oxigénio quando há quinze dias rejubilavam com a vitória? Os ditos “protagonistas” que habitam o espaço à direita do PS, e cujas responsabilidades públicas lhes conferiria palco e visibilidade para intervir preferem o que aí vem?

Não percebo. Talvez prefiram. Há silêncios inequívocos.

O silêncio desta metade de Portugal que sou suposta representar é devastador. E como tal, apela a conclusões feias.

2 – Entendamo-nos: um governo tripartido de esquerdistas radicais não faz medo, a vida só vai mudar para pior, o resto será igual, ninguém nos vai atormentar, pelo contrário irão esforçar-se por não “assustar”, convidarão logo a inócua CIP para almoçar, Mário Centeno, far-se-á fotografar com dois ou três solícitos “patrões”, para os “tranquilizar”. Isso.

Só nos atormentará a vergonha que teremos. Vida pior, escrevi eu? Sim, pior: quando expirarem os últimos seis meses de Cavaco Silva em Belém e quando tiverem decorrido mais seis sobre a presidência do próximo inquilino do Palácio de Belém, vai ser muito doloroso observar os despojos dessa dúzia de meses. E penosíssimo verificar o que restará dos sacrifícios dos portugueses feitos durante quatro anos em nome do acerto das contas públicas e da modesta credibilidade externa do país, entretanto um bocadinho reconquistada. Exagero? Não. O acordo tantas vezes evocado por António Costa – e evidentemente “conversado” antes das eleições – só está fechado com o BE e mesmo assim. O osso está a ser mais difícil de roer com o PC. Mas como António Costa não pode deixar de chegar ao congresso socialista como primeiro-ministro – se não chegasse ficaria um sem abrigo politico – dará ao PC tudo o que os comunistas lhe pedirem, talvez até a pele. É a vida, como diria o longínquo engenheiro. Sucede que esse “tudo” que será oferecido ao PC numa bandeja grátis, vai-nos custar caríssimo. Uma pena, uma vergonha, e uma indecência.

3 – “Já leste o que esta sanduíche tem lá dentro sem a gente fazer ideia? “perguntava-me alguém lendo o papelinho que envolvia um banal pedaço de pão, saboreado num avião. Lembrei-me logo da sanduíche do PS com o PCP e o BE, tal a quantidade de coisas disfarçadas na sanduíche (farinha de trigo, água, flocos de trigo maltado, farelo de trigo, levedura, sal, farinha de cevada maltada, proteína de trigo, vinagre de vinho, emulsionantes, óleos vegetais – colza e palma – gordura de palma, agente de tratamento de farinha).

Nada é só o que parece, pois ainda havia o aviso do que “esta sanduíche pode conter”: “vestígios” de… crustáceos, ovo, peixe, amendoim, soja, frutos de casca rija, aipo, mostarda, sementes de sésamo, tremoços, moluscos”. Extraordinário mas… sanduíche avisada vale por duas, a dos radicais não: está igualmente repleta de disfarçados ingredientes, mas esconde quanto pode os “vestígios”, embora assim de repente me ocorra logo a manifestação contra a NATO convocada para Lisboa por uma organização brumosa, mas cuja convocadora, a ex-deputada comunista Ilda Figueiredo, é um excelente “vestígio” comunista. Mas não tinham os comunistas deixado cair essa chatice da NATO? Não, não deixaram. Fingiram que deixaram. Concordarão que neste pão político os “vestígios” são bem mais ruins que tremoços ou aipo.

Levei aliás a outra metade do voo sobre o Atlântico a pensar na injusta pouca sorte do país se um dia a vier a comer a sanduíche de Costa: misturar num mesmo pão, economia de mercado e anti-capitalismo, a manutenção do euro com o regresso do escudo, a defesa da NATO com invectivas contra ela, a disciplina orçamental com aumento de salários e pensões, matará quem o prove. Para não falar dos “vestígios” de marxismo-leninismo, maoismo, socialismo radical, comunismo e por aí fora, que são mais vestígios que nozes.

4 – Anda por aí um debate mal-intencionado segundo o qual há uma de gente de má-fé que vê uma golpada, uma fraude, uma usurpação, um golpe de Estado, na concretização de um governo do PS em aliança com a esquerda radical, quando esse governo teria afinal toda a legitimidade política e eleitoral. Pela enésima vez terei que voltar ao que me choca e surpreende. E o que me choca e surpreende não é um governo desses – embora nunca o defendesse politicamente e o ache assassino para o país – mas uma coisa bem distinta e é nela que reside a diferença que me interessa neste debate: quem perdeu as eleições não pode reivindicar uma vitória e um governo como se as tivesse ganho. Ponto. Com o mistificador argumento de que somando o que nunca se anunciou que se somaria, se alcançará a estabilidade através de uma maioria de deputados no Parlamento. De uma vez por todas: a ilegitimidade de que me reclamo não radica na natureza de um governo de extrema-esquerda mas no facto de ele não ter sido votado (e menos ainda anunciado).

Como dizia alguém muito a propósito: é o mesmo que retirar ao Benfica a vitória no campeonato porque a soma dos pontos das outras equipas é superior à dos encarnados.

P.S.: Agradeço vivamente ao anónimo autor desta límpida comparação a ajuda que me deu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Medicina

João Lobo Antunes /premium

Maria João Avillez
433

Porque é que aquele rapaz tão bonito, de olhar azul claro, um companheiro de trabalho tão curioso e atento aos outros, parecia por vezes taciturno e quase triste? “Estudava muito” dizia-se por lá.

Crónica

Amêndoas da Páscoa /premium

Maria João Avillez
231

Daqui a uns dias Notre Dame terá algumas linhas nos jornais e quando muito falar-se-á nos milhões doados pelos “ricos”, não no valor do ex-libris da civilização que nos foi berço e nos é raiz e matriz

Política

Os imutáveis /premium

Maria João Avillez
612

Nunca ocorre à esquerda avaliar o adversário pelo mérito, a responsabilidade, a iniciativa, o currículo, mas sempre só pelo insulto político ou o acinte pessoal. Caramba.

Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)