Bloco de Esquerda

Vampiros na feira do livro /premium

Autor

Partilho algumas das preocupações do BE. As editoras e as livrarias devem ser ajudadas pelo Estado, e a leitura (de livros diversos ou ortodoxos) incentivada. Mas pelo EstadoCatarina Martins, percebe?

Os portugueses não são dados à leitura. Segundo um estudo da Marktest de 2014, 2014 só 65% dos portugueses com mais de 15 anos tinha lido pelo menos um (um!) livro no ano anterior. Em média lêem 3 a 5 livros por ano. Mais de um terço dos garbosos nacionais não leu mais do que os rótulos da comida no supermercado e os títulos das revistas cor de rosa e dos jornais desportivos. Catarina Martins, do BE, está justamente preocupada. Pelo que propõe duas medidas infalíveis: atacar as editoras que vão conseguindo sobreviver e expropriar efetivamente a propriedade aos senhorios de livrarias e alfarrabistas.

Catarina Martins – que tem uma quota inegociável de 20% da produção nacional de disparates – visitou a feira do livro de Lisboa deste ano e partilhou connosco o seu magno plano. Deixem-me ir mais à frente ao magno plano, porque na visita à feira do livro a líder do BE informou-nos de uma realidade calamitosa: ‘a concentração do mercado editorial e livreiro tem diminuído o acesso à diversidade dos livros’.

Ora é curioso. É que eu nunca diria que um dos problemas do país fosse a falta de acesso à diversidade de livros. Sobretudo depois de uma visita à feira do livro. É certo que talvez falte vontade aos editores de lançarem livros com títulos do jaez de ‘Tornar-se Revolucionário em 10 Passos’, ‘Aprender a odiar a propriedade privada’, ‘Teoria Avançada da Luta Armada’ ou, ainda, ‘Guerrilheiro Sempre’. Entendo, e simpatizo, que este nicho de mercado esteja sub representado nas edições portuguesas, mas ainda assim havia muitos livros, e diversos, na feira do livro. O mercado editorial tem alguns problemas, é certo, mas também é verdade que há várias editoras pequenas com catálogos bem interessantes – ainda que, lá está, sem um excelente ‘Troquei a minha família pela militância no extremismo de esquerda’.

Na minha primeira visita à feira do livro encontrei ao fim de dois minutos o escritor chinês Yu Hua a dar autógrafos. Na minha modesta opinião, é um autor que, sem me supor demasiado temerária, diria que é ‘diversidade’. No livro que me autografou – “China em Dez Palavras” – fala da revolução cultural, quando de facto existiu uma abundante falta de ‘acesso à diversidade de livros’. Yu Hua conta como só conseguiu ler “A Dama das Camélias” depois de copiar à mão, com um amigo, um exemplar da obra disfarçado com uma foto de Hua Guofeng na capa. Talvez esteja distraída, é possível, mas não nos julgo perto desta ‘falta de acesso’.

Por outro lado, há essa novidade maravilhosa chamada internet. E aposto que as pessoas que leem mais de três a cinco livros por ano não são infoexcluídas, terão acesso aos milhões de livros que se vendem nos mais variados sites em línguas sortidas. Pode aliviar o coração deste problema de acesso à diversidade, Catarina Martins.

Mas vamos às propostas do BE. De chofre, quer contrariar a concentração do mercado editorial. Traduzo: quer estragar, de qualquer forma criativa, a vida às empresas que já têm dificuldades num mercado com portugueses que pouco leem – donde, há poucos consumidores. Também tenciona impedir os despejos de livrarias e alfarrabistas, provocados pela malévola especulação imobiliária. Ou, em palavras mais simples, atacar ainda mais o direito à propriedade privada.

Mas afirmo que partilho algumas das preocupações de Catarina Martins. As editoras e as livrarias devem ser ajudadas pelo Estado, e a leitura (de livros diversos ou ortodoxos) incentivada. Mas pelo Estado, Catarina Martins, percebe? É o Estado que tem de fazer a sua parte, não criar engulhos às empresas maiores nem explorar os senhorios.

Dou alguma ideias. Os livros podem isentar-se de IVA (atualmente pagam a taxa reduzida). O IRS relativo às rendas dos imóveis alugados a livrarias pago pelos senhorios pode diminuir, bem como o IMI. Até se poderia condicionar a redução destes impostos ao arrendamento a livrarias de grupos com menos de x euros de vendas consolidadas – para favorecer as pequenas livrarias independentes. E sim, Catarina Martins tem razão, a política do preço único dos livros deve ser alterada. Os grandes grupos livreiros conseguem furá-la com cartões de desconto, promoções cirúrgicas e por aí adiante. As pequenas livrarias poderiam conseguir competir se não estivessem obrigadas a manter preços iguais aos das livrarias maiores, sem igual capacidade para gerar descontos para usar no futuro.

E, Catarina Martins, sabe o que também era catita? Era a Autoridade Tributária não vampirizar as editoras que expõem na feira do livro. É particularmente vil que num setor longe de saudável, na ocasião em que as editoras podem despachar stocks e ter boas entradas de tesouraria, a Autoridade Tributária atormente empresas de um mercado exíguo. E, calhando, lhes aplique multas de milhares de euros por ridicularias como não discriminar na fatura o livro vendido.

Em 2016 o fisco atormentou, qual espírito mau, as editoras que estavam na feira do livro. E ainda se mostrou orgulhosa do número de autos e de isto e aquilo. Este ano reincidiu e visitou as barraquinhas de livros no Parque Eduardo Sétimo. Sabe, Catarina Martins, apoiante do governo que tutela a AT, o que era bonito? Não ser hipócrita.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Redes Sociais

Bullying aos adolescentes /premium

Maria João Marques
106

Adultos que esmagam nas redes sociais adolescentes só porque estes foram tontos e desmedidos (como os adolescentes normais são) são bem mais perigosos e daninhos que qualquer adolescente provocador.

Política

Marcelo e o populismo benigno /premium

Maria João Marques
227

Quanto a Cristina Ferreira podem arvorar-se em grandes puristas do sentido de Estado que Marcelo fez muito bem. Porque foi genuíno, estava a falar com os seus súbditos e não fez nada de extraordinário

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)