Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Fala-se em casas de horrores quando se descobrem famílias em que os pais violam os filhos, os acorrentam e maltratam. Ou sempre que há, na mesma casa, adultos que não alimentam nem cuidam da saúde e higiene de crianças e jovens menores, impedindo-os de sair à rua e ir à escola. Alguns são privados de ver a luz do dia durante anos a fio, como aconteceu com a tristemente célebre Elizabeth, a jovem austríaca mantida em cativeiro durante 24 anos pelo próprio pai, o tarado-perverso Josef Fritzl, que a emparedou numa cave e a violou sucessivamente, gerando 7 filhos-netos.

Também se fala de casas de horrores quando as notícias são sobre lares onde há velhinhos mantidos em condições sub-humanas. Ou quando se descobre que há bebés e crianças muito pequenas que são violados por gente que paga valores exorbitantes e viaja de longe apenas com esse propósito. E, ainda, casos de tráfico humano e as pessoas traficadas são diariamente obrigadas a prostituírem-se, forçadas a estes e outros trabalhos inauditos que são como sevícias.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.