Politicamente Correto

Anomalias democráticas

Autor
2.854

Gentil Martins, médico, não pode falar como cidadão e dar a sua opinião. Mas Ferro Rodrigues, presidente da AR, pode ter “posições pessoais” com críticas ao Ministério Público. Algo não bate certo.

O caso à volta das declarações de Gentil Martins tem interesse porque traz à tona três aspectos que definem o mau estado do nosso debate público e da nossa cultura democrática – dois óbvios e um nem por isso. Primeiro, revela a força do preconceito mesmo entre homens da ciência. Segundo, expõe os tiques despóticos de quem se alega paladino da liberdade e da democracia. Terceiro, exibe as diferenças de tratamento (de tolerância ou de intolerância) que situações análogas merecem consoante os protagonistas. Vamos por partes.

Primeiro ponto. Em entrevista ao Expresso, o médico e ex-bastonário da Ordem dos Médicos definiu a homossexualidade como uma “anomalia” e um “desvio de personalidade”, comparando-a ao sadomasoquismo e às “pessoas que se mutilam”. Gentil Martins poderia ter-se limitado à questão de valores (opor-se ao casamento entre homossexuais, por exemplo) e, sendo uma posição legítima, ninguém lhe poderia apontar o dedo. Mas, ao cair na tentação de um diagnóstico, caiu objectivamente em erro. Primeiro, porque, tendo sido objecto de estudo, a ciência não define a homossexualidade como uma perturbação médica (neste caso, psiquiátrica) – pelo que a validade da sua qualificação enquanto “anomalia” ou da comparação com perturbações psiquiátricas é negada pela própria medicina. E porque, por não ter sustentação científica, a sua declaração é inequivocamente discriminatória, pois estabelece determinada orientação sexual como anomalia biológica. Se dúvidas houvesse, bastaria aplicar a mesma qualificação de “anomalia” a questões de raça, por exemplo, para captar a sua dimensão discriminatória. Isto deveria ser fácil de entender.

Segundo ponto. Gentil Martins pode dizer o que bem quiser. Tem liberdade para fazer afirmações certas ou erradas, elevadas ou ignóbeis, sofisticadas ou básicas, inspiradoras ou repulsivas. Se assim o entender, tem também o direito de lançar declarações no espaço mediático que constituam crime público, por contrariarem a legislação vigente ou a própria Constituição. Mas essa liberdade vem com responsabilidade. Importa nunca perder de vista uma distinção fundamental entre o direito à liberdade de expressar opiniões e a responsabilização num Estado de Direito pelas afirmações proferidas quando ofensivas para terceiros. Assim sobrevive o discurso das minorias. É, por isso, fácil discordar de Gentil Martins, mas ainda mais importante defender o seu direito a estar errado e, se isso se aplicar, a ser responsabilizado pelo teor das suas declarações – pelos seus pares na Ordem dos Médicos ou até, para aqueles que identificarem aqui um crime público, pelo Ministério Público. Nas nossas comunidades políticas, a liberdade e a responsabilidade coexistem e andam de mãos dadas.

Inquietante, pois, a fúria persecutória que um pouco por todo o lado se abateu contra Gentil Martins, pretendendo negar-lhe a liberdade de dizer o pensa e, quase, de o forçar ao exílio. Instaurou-se um julgamento popular por delito de opinião. E esse é o pior caminho. Ele que diga o que quiser e que as instituições democráticas ajam em conformidade – é assim que funciona a democracia. Tudo o resto, que é o que temos tido, são meros tiques despóticos.

Terceiro ponto. Pode alguém com prestígio e reconhecimento social falar enquanto cidadão, sem que as suas declarações sejam extrapoladas para a sua actividade profissional? Em Portugal, depende. A Gentil Martins, que é médico mas não ocupa cargo institucional de representação da sua classe, não foi concedido esse estatuto de falar enquanto cidadão e de expor a sua opinião sem posteriores julgamentos acerca de como exerce a sua actividade. Mas, há dias, Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República, pôde pendurar as suas funções institucionais e, através de “posições pessoais”, criticar duramente o Ministério Público em casos que envolvem o governo. Logo ele que, ocupando o segundo lugar da hierarquia do Estado, tem um dever de isenção, que pretendeu suspender para abalar a separação de poderes no regime. E sem que se ouvisse sequer um burburinho. Há aqui algo que não bate certo: uns podem tudo, outros não podem nada. O ar está a tornar-se irrespirável.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Web Summit

#aculpaédoPassos

Alexandre Homem Cristo
1.734

Sob pressão, o governo atira com acusações falsas. Foi assim sempre que algo correu mal. Este comportamento constitui uma irresponsabilidade muito mais indigna do que qualquer jantar no Panteão.

Catalunha

Estar do lado da República

Alexandre Homem Cristo
207

A Catalunha é o campo de batalha onde prossegue a guerra destes tempos – a do ataque ao liberalismo. São os valores republicanos que precisam de defesa. Contra Puigdemont, como contra Trump e Le Pen.

Politicamente Correto

É difícil comer cabrito vivo

Helena Matos
325

Estava a perceber quando terão os trabalhadores do sector privado as suas 35 horas e eis que constato que a Nação se mobiliza contra uma ignomínia: a morte de um cabrito num congresso de cozinheiros 

Politicamente Correto

Chamem a polícia…

Paulo de Almeida Sande
318

Usam-se as bandeiras da indignação e mobilizam-se os exércitos dos que, em rebanho, se juntam aos defensores da causa, seja ela qual for. Há uma expressão para isso e é “mais papista do que o Papa”.

Assédio Sexual

O sexo politicamente incorrecto

Rui Ramos
375

O alegado comportamento de Harvey Weinstein e Kevin Spacey só é possível numa cultura onde o assédio sexual pôde passar por um “pecadilho” menor. E a chamada "libertação sexual" contribuiu para isso. 

Politicamente Correto

Os autocarros do amor

Alberto Gonçalves
1.284

Felizmente, à revelia da propaganda que tanta “vender” os transportes públicos a título de amigos do ambiente ou da circulação urbana, há jornalistas sem medo de os denunciar como os amigos do deboche

Politicamente Correto

O homem unidimensional

Paulo Tunhas

Basta ler aqui e ali alguma prosa que se produz para se perceber que por detrás da encenada sofisticação está a mais fanática regressão à unidimensionalidade do pensamento e à crença mágica primitiva.

Saúde Pública

Votar o futuro da Saúde da nação

Francisco Goiana da Silva

Resta-nos a nós, cidadãos, esperar que quando esta medida de Saúde Pública [taxa do sal] for votada, os deputados não se esqueçam de acautelar a vontade da sociedade. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site