Extrema Esquerda

Porque é que o turismo é mau, mas a imigração é boa?

Autor
2.130

Criticar o excesso da imigração ilegal põe-nos logo a par de Trump, enquanto insultar e agredir turistas permite-nos continuar a ser tão respeitáveis como o conselheiro de Estado Louçã.

Vamos entender-nos: se eu disser que a Europa não pode acolher toda a imigração ilegal da Ásia ou da África sem subverter o seu modo de vida – sou racista, mesmo que não acredite na inferioridade de qualquer “raça”, ou até nem acredite na ideia de “raça”. Mas se clamar que os turistas estrangeiros estão a destruir as nossas cidades — não sou nem sequer xenófobo, mesmo que recorra aos lugares comuns do ódio.

Não estou a dizer que o turismo, à escala que entretanto tomou em países como Portugal ou Espanha, com as viagens baratas e o jihadismo no Próximo Oriente, não tenha consequências. O turismo transformou o Algarve, e promete agora transformar Lisboa, por exemplo aumentando o gosto e o custo de viver no centro. Mas a imigração ilegal para a Europa também explodiu nas últimas décadas e o seu efeito não é menos transformador, como se vê pelos bairros islamizados do norte da Europa, onde os antigos residentes já não têm lugar.

Não estou a comparar imigração e turismo. Estou apenas a perguntar porque é tão arriscado criticar a imigração ilegal, com o perigo de ser imediatamente identificado como um novo Hitler, e porque, ao contrário, é de bom tom lamentar o excesso do turismo, parecendo por vezes até justificado o uso de alguma brutalidade, como faz a esquerda radical na Catalunha, com a compreensão do Podemos em Madrid.

Uma parte da resposta está nos mais vociferantes protagonistas da discriminação entre imigrantes e turistas: a esquerda radical de tipo catalão, actualmente instalada em vários níveis de governação no sul da Europa, de Portugal à Grécia. Depois de perderem a classe operária, que hoje vota Trump ou Le Pen, os radicais descobriram a pobreza do Terceiro Mundo como a nova carne para canhão das revoluções. Ao princípio, sob a forma distante das “massas camponesas” e dos seus guerrilheiros. Agora, sob a forma próxima das “minorias étnicas” dos guetos urbanos ocidentais. Nada como os imigrantes para expor o “racismo” e o “exclusivismo” dissimulados nas democracias: por isso, quantos mais imigrantes, melhor. Pelo contrário, os turistas são a face mais hedionda do capitalismo. Para um radical, lembram sempre aquela democratização da riqueza que permite a cabeleireiras inglesas ou a taxistas franceses irem tirar selfies ao Chiado.

Mas se o radicalismo cultiva agora o ódio ao turista, é também pelo seu eco nas classes médias das cidades de destino. Os imigrantes ilegais são pobres. Para além de justificarem comiseração, incomodam sobretudo os mais pobres, com quem competem pelos mesmos serviços de assistência, os mesmos bairros sociais, e os mesmos empregos não-qualificados, cujos salários, aliás, fazem descer. Para as classes médias, os imigrantes são tão excelentes como para os radicais: por um lado, servem-lhes para exibir uma tolerância que os distingue do povinho xenófobo; por outro lado, são uma grande reserva barata e obediente de empregados domésticos e au pairs. Os turistas, pelo contrário, são um estorvo para as classes médias: disputam-lhes os bairros interessantes, os melhores restaurantes, as praias da moda. Pior: a sua concorrência tende a aumentar os preços, como no caso do alojamento urbano, fazendo a classe média sentir-se empobrecida. Pior ainda: são frequentemente jovens e plebeus, com uma inconsciência de protocolo e da etiqueta que fatalmente estragam a “exclusividade” de qualquer ambiente: nada como um turista de calções e chinelos e queimado da praia, a falar alto na mesa ao lado, para tirar charme à refeição especial num restaurante recomendado.

É por isso que criticar o excesso da imigração ilegal nos põe logo a par de Trump, enquanto insultar e agredir turistas nos permite continuar a ser pelo menos tão respeitáveis como o conselheiro de Estado Louçã.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Chapa dada, chapa tirada

Rui Ramos
583

António Costa definiu esta semana a sua política como sendo de “chapa ganha, chapa distribuída”. O que não disse foi que muitas chapas distribuídas não são de facto chapas ganhas, mas chapas falsas. 

Governo

Um governo de mortos-vivos políticos

Rui Ramos
2.590

Ninguém perceberá o actual governo se não perceber o enorme conjunto de fracassos que está por detrás dele. Este é mesmo um caso de “mortos agarrados aos vivos", para usar a expressão de Marx.

Web Summit

Os novos beatos do Web Summit

Rui Ramos
1.178

Duas coisas detestáveis do Web Summit: a importância que a si próprios se dão estes profetas do écran, e o delírio governamental com a ideia de replicar Silicon Valley numa Albânia.

Catalunha

Depressa, que já nos viram

Paulo Tunhas
135

O “homem de esquerda” ainda vive no interior do mito da Revolução francesa, que lhe garante uma ilusória inteligibilidade da história. A qualquer momento, essa ilusão salta de novo para a boca de cena

Catalunha

A venezualização da Catalunha

Rui Ramos
1.873

A crise catalã começou com as habilidades à António Costa de políticos falhados. Foi assim que a extrema-esquerda se tornou no árbitro da política catalã, e o separatismo a agenda do governo local. 

Politicamente Correto

O meu mundo não é deste reino

Maria João Avillez
4.230

Do outro lado da guerra cultural não há voz nem vontade. O comprometimento deixou de ter significado e perdeu poder de convocatória? Não sei, mas a fractura é grande.

Maioria de Esquerda

Homenagem a um adversário político

Miguel Alvim

É bom que as pessoas descomprometidas com o sistema percebam a diferença entre a inteireza da intervenção política de Carlos Brito e o oportunismo da "afirmação política" de uma secretaria de Estado.

Pedro Passos Coelho

Antirracismo: uma patologia necrófila

Gabriel Mithá Ribeiro
1.294

Os heróis multiplicam-se porque, como é habitual entre cobardes, o fenómeno histórico do racismo deixou de existir nas sociedades maioritariamente brancas ocidentais. É apenas um cadáver em putrefação

Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida
4.286

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site