Rádio Observador

Dinamarca

Atentado em Copenhaga: polícia divulga imagem do suspeito

A polícia dinamarquesa declarou que afinal é um suspeito e não dois que dispararam sobre o edifício onde decorria uma conferência em homenagem ao Charlie Hebdo

Polícia dinamarquesa divulgou imagem do suspeito

LISELOTTE SABROE/EPA

A polícia dinamarquesa declarou que apenas um homem está envolvido no atentado deste sábado em Copenhaga, e não dois, como inicialmente foi referido, tendo divulgado uma foto do suspeito da autoria do tiroteio.

terrorista_copenhaga

A polícia procura “um homem entre os 25 e 30 anos, com cerca de 1,85 m, atlético, de aspeto árabe”

De acordo com a agência francesa AFP, a foto divulgada por comunicado na Internet mostra um homem que usava um casaco escuro e um gorro que cobria todo o pescoço e quase toda a cabeça, tendo apenas uma abertura na zona dos olhos.

O suspeito transportava também uma mala preta.

A fotografia foi tirada ao final da tarde, pouco depois de o suspeito ter abandonado a viatura que usou para fugir do local do atentado.

Os primeiros testemunhos indicam que não haverá mais do que um autor”, esclareceu a polícia.

As autoridades anunciaram que procuram “um homem entre os 25 e 30 anos, com cerca de 1,85 m, atlético, de aspeto árabe e (…) cabelo liso”, armado com uma pistola-metralhadora negra.

A AFP refere que a polícia dinamarquesa é conhecida por descrições polémicas, tendo já referido anteriormente que procurava assaltantes “de aparência cigana”.

A primeira-ministra dinamarquesa classificou hoje o atentado de Copenhaga como um “ataque terrorista”, afirmando que a Dinamarca foi alvo de “um ato de violência cínica”.

Já antes a polícia dinamarquesa tinha atribuído a mesma classificação ao atentado que esta tarde provocou a morte de um homem e feriu, pelo menos, três polícias, que se encontravam no local em serviço.

O ataque ao centro cultural onde decorria o colóquio ‘Arte, blasfémia e liberdade de expressão”, contava com a presença do embaixador de Paris em Copenhaga, François Zimeray, e do cartoonista sueco Lars Vilks, autor de uma caricatura de Maomé publicada em 2007, que originou uma forte contestação da comunidade islâmica.

O episódio de 2007, que tinha na base o trabalho de Vilks, seguiu-se à polémica que envolveu o diário dinamarquês Jyllands-Posten, que em setembro de 2005 publicou 12 caricaturas de Maomé, consideradas ofensivas pela comunidade islâmica, e que estiveram na base de ameaças de morte dirigidas ao chefe de redação do jornal.

De acordo com a imprensa dinamarquesa, Lars Vilks seria o alvo do ataque de hoje.

Nem o embaixador, nem o cartoonista foram atingidos pelos disparos.

 

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)