Dois jovens britânicos de 17 anos, Hassan Munshi e Talha Asmal, desapareceram e suspeita-se que tenham voado de Manchester para a Turquia, no dia 31 de março, com a pretensão de irem para a Síria para se juntarem ao Estado Islâmico.

Os dois adolescentes viviam em Dewsbury, na West Yorkshire, e viviam num estado de “total descrença”, de acordo com uma fonte da International Business Times. Hassah e Asmal encontraram nas férias da Páscoa uma “oportunidade para fugirem do país” e os diretores dos jovens fugitivos já tinham notado comportamentos estranhos.

Não é a primeira vez que tiveram contacto com o terrorismo: o irmão de Hassan Munshi tinha sido preso com 16 anos, em 2006, e foi acusado por terrorismo por ter um livro no computador que ensinava como fazer Napalm, armamento explosivo perigoso. Tornou-se o rapaz mais jovem a ser condenado por terrorismo.

“A nossa prioridade é que eles possam regressar a casa em segurança. As famílias estão muito preocupadas e querem que eles voltem para casa.”, disse o chefe assistente da polícia Mark Milsom.

“A Síria é um sitio extremamente perigoso e o público estará consciente dos perigos que estes rapazes poderão enfrentar,” acrescentou.

De acordo com declarações de um polícia da West Yorkshire à BBC, a última vez que os rapazes foram vistos pelas suas famílias foi no dia em que viajaram para Dalaman, na Turquia.

Apesar das suspeitas, a Thomas Cook airlines, companhia de voo que supostamente transportou Munshi e Asmal para a Turquia, ainda não confirmou a presença dos dois jovens naquele voo.

“Apesar de não conseguirmos confirmar os nomes de nenhum dos passageiros que viajaram connosco, podemos assegurar a todos os nossos clientes que estamos a colaborar com as autoridades para garantir a segurança de todos os voos, dentro e fora do Reino Unido,” declarou um porta-voz da Thomas Cook airlines.