Tanto o Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia como as autoridades holandesas (país onde está a sede deste tribunal) estão a investigar o suicídio do general bósnio croata Slobodan Praljak, que na semana passada ingeriu cianeto em pleno julgamento, para perceber como foi possível entrar na sala de audiências com o veneno e como impedir episódios semelhantes no futuro.

O tribunal das Nações Unidas responsável por julgar crimes de guerra e contra a Humanidade nomeou Hassan Jallow, o ministro da Justiça da Gâmbia, para liderar a investigação e descobrir as brechas de segurança no tribunal que permitiram que Praljak entrasse no edifício com o frasco de cianeto que utilizou para se suicidar, na sessão que confirmou a sua pena de 20 anos por crimes contra muçulmanos na guerra da Bósnia.

Segundo o jornal britânico The Guardian, a investigação deverá começar por focar-se numa falha de segurança flagrante: não havia nenhum agente da polícia junto de Slobodan Praljak durante a audiência, que pudesse ter impedido a ingestão do veneno. Habitualmente, nos julgamentos no Tribunal Penal Internacional, em Haia, os réus estão acompanhados por um polícia. No julgamento de Ratko Mladić, no mês passado, até foram colocados dois agentes para garantir a segurança na sala.

Outra das questões em foco na investigação serão os protocolos de segurança no que toca aos objetos que podem entrar na sala de audiências. Isto porque o tribunal tem regras apertadas na entrada para o edifício, que exigem que os réus sejam submetidos a um controlo de segurança. Esse controlo inclui a passagem numa máquina de raios-x e uma inspeção por parte de um agente da polícia.

A investigação terá de ser feita com a maior rapidez possível, uma vez que os investigadores temem que algum dos restantes arguidos envolvidos nos julgamentos relativos à guerra da Bósnia tentem uma ação semelhante.

Na semana passada, durante uma sessão do Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia — que deverá fechar portas no fim do ano, após ter sido constituído em 1993 para julgar os crimes de guerra cometidos nas guerras resultantes da fragmentação da Jugoslávia — em que os juízes das Nações Unidas se pronunciaram sobre um recurso apresentado por generais bósnios condenados em 2013, Slobodan Praljak gritou que não era nenhum criminoso de guerra, antes de ingerir o veneno.

Depois, sentou-se e anunciou que tinha acabado de ingerir veneno, o que levou os juízes a suspender de imediato a sessão. Praljak morreria pouco depois.