A Suécia tem sido um caso muitas vezes referido na gestão da pandemia provocada pelo SAR-CoV-2 por, até agora, ainda não ter recorrido a medidas como o confinamento geral. Os números, inicialmente controlados, dispararam em vários surtos, mas a forma sueca de combate ao vírus que parou o mundo no último ano tem sido olhada entre a curiosidade e a crítica intensa por vários países, devido às regras mais moderadas que têm sido seguidas. O país tornou-se uma referência para muitos dos que questionam medidas mais radicais e massivas e, muitas vezes, dá origem a publicações como a que aqui analisamos onde é afirmado que o país deixou de realizar testes PCR aos seus cidadãos.

Partilhada também em Portugal, nesta publicação do Facebook, com data de 21 de maio de 2021, afirma-se que “na Suécia já não se fazem mais testes PCR” e é mesmo adicionado um link, para uma rede social, a StreetLoc, criada para auxiliar as comunidades com informação e que se classifica como sendo “o Facebook sem a censura e os verificadores de factos”.

O texto que é partilhado refere, de acordo com o que é escrito, uma nota do site da Agência de Saúde Pública sueca, para justificar a afirmação que é partilhada. Mas na página oficial deste organismo não se encontra nenhuma informação nesse sentido. Aliás, a indicação sobre a testagem no país que consta como recomendação oficial é a de que os adultos com sintomas de Covid-19 sejam testados para verificarem se têm infeção ativa, bem como as crianças em idade escolar, a partir dos seis anos. Já as crianças mais novas apenas devem permanecer em casa, se existirem sintomas, sem precisarem de fazer qualquer teste. Isto tanto na versão sueca como na versão inglesa do mesmo site.

É dada autonomia a cada região do país para que defina a sua própria política de testagem, tendo como fio condutor esta recomendação geral da Agência de Saúde Pública, que reforça poderem “existir variações regionais das recomendações nacionais”. A indicação é que as pessoas procurem saber que regras se aplicam na sua região.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mas as regras gerais para quem tem sintomas associados à Covid-19 são muito semelhantes às seguidas atualmente em Portugal, com a autoridade de saúde a indicar que as pessoas nesta circunstância devem informar-se no site da Agência sobre como realizarem um teste na região onde vivem. E que esse deve ser feito até ao quinto dia do início dos sintomas. Até obter o resultado do teste, a pessoa “tem de ficar em casa e evitar o contacto com outros”, consta nessa orientação.

Há também indicações sobre que tipo de teste tem de ser feito. No país onde já foram prática comum os testes feitos em casa para despistar a infeção por SARS-CoV-2, a Agência de Saúde Pública aponta agora que “os auto-testes antigénio, em que é a própria pessoa que faz e analisa o teste, pode ser usado para monitorizar a situação em alguns locais de trabalhos, mas não deve ser usado quando se apresenta sintomas de Covid-19. Um teste positivo que resulte de um auto-teste tem de ser confirmado por um teste PCR”, recomenda-se no site oficial.

No primeiro ano da pandemia, a Suécia arrancou de forma tardia com a testagem massiva da população. No entanto, é atualmente o 15º país europeu que mais testa, segundo o site World Meters, descendo na tabela, para o 24º posto (a meio do quatro), quando é feita a proporção por um milhão de habitantes. Está praticamente ao mesmo nível de Portugal, que tem o mesmo volume de população.

Testes feitos em casa, quarentenas de 7 dias e zero punições para quem as quebra. Como é a vida de um infetado na Suécia

A Suécia foi um case study nesta pandemia, tendo em conta o controlo inicial do número de infeções sem recorrer a confinamento. No entanto, no final do ano passado, o país enfrentou uma subida de casos de Covid-19, o que levou o Governo a ponderar, só nessa altura, a definição de algumas medidas restritivas locais — o que acabou por acontecer. Um mês e meio depois, após o descontrolo de casos no país, o Governo voltou a avançar com medidas, limitando o número de pessoas que se podiam encontrar em espaços públicos, por exemplo. O Observador esteve no país em reportagem a dar conta desta mudança que foi ocorrendo já no final do ano em que foi declarada a pandemia.

Sem máscaras nem lockdown, os suecos começam a ter restrições mais duras. Mas Estocolmo à sexta à noite ainda é uma festa

Conclusão

A Suécia não deixou de fazer teste PCR, como diz a publicação. Consultando o site oficial da Agência de Saúde Pública do país fica claro que os testes continuam a ser recomendados mesmo só para quem apresenta sintomas de Covid-19 e que, nesse caso, devem ser mesmo feitos testes PCR, segundo define a autoridade de saúde da Suécia nas orientações gerais que tem publicadas no seu site oficial no momento em que foi divulgada esta informação.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

NOTA: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook

IFCN Badge