Com manifestações a decorrer em todo o mundo por causa da morte de George Floyd, o afro-americano que morreu depois de um polícia ter pressionado o joelho no seu pescoço, o Facebook serviu também para muitos utilizadores protestarem. Várias publicações foram feitas nas últimas semanas: algumas são homenagens ao homem de 43 anos, outras procuram desculpabilizar a sua morte brutal, com recurso a informação errada. É o que se passa nesta.

Uma publicaçãoque está a circular na rede social procura mostrar que a esmagadora maioria dos brancos e mesmo os afro-americanos são assassinados por negros, tendo por base, alegadamente, estatísticas dos crimes levados a cabo em 2015, nos Estados Unidos. Só que as percentagens apresentadas não correspondem à realidade e este post é falso.

A publicação foi feita no dia 3 de junho, mas já tinha sido partilhada por Donald Trump em 2015

Desde logo, a “Crime Statistics Bureau”, a entidade que é citada na publicação como sendo a fonte das estatísticas, não existe. Depois, este dados foram partilhados em 2015 por Donald Trump, ainda antes de se tornar pelo presidente dos EUA, no Twitter — e, já na altura, acabou desmentido pelo Politifact. Se era falsa naquela altura, continua a ser falsa agora.

Embora a publicação em causa se refira a estatísticas de 2015, quando foi partilhada por Donald Trump, o FBI ainda não tinha divulgado dados oficiais sobre os crimes relativos a esse ano. Mas agora já estão disponíveis — não só de 2015, mas até 2018 — e permitem concluir que a publicação está errada. A tabela abaixo faz uma comparação entre os dados partilhados nas redes sociais e os dados oficiais divulgados pelo FBI: enquanto que a publicação alega que 81% dos brancos são assassinados por negros, as estatísticas oficiais mostram que esse valor é apenas de 16%.

Fonte: Relatório do FBI sobre tipologia e tendências dos crimes nos EUA (Uniform Crime Reporting) de 2015

As estatísticas partilhadas nas redes sociais pretendem passar a ideia de que os principais assassinos dos brancos são negros — mas os dados reais mostram exatamente o oposto. As percentagens não deixam dúvidas: os brancos tendem a matar outros brancos, da mesma forma que os negros tendem a matar outros negros. Esta tendência manteve-se ao longo dos anos: aliás, o último relatório disponível, de 2018, mostra que 81% dos brancos são assassinados por brancos e apenas 16% são assassinados por negros — números exatamente iguais aos de 2015.

Número de pessoas mortas pela polícia não é divulgado oficialmente

A mesma publicação também alega que 3% dos brancos e 1% dos negros são assassinados pela polícia. Ora, não existem dados oficiais sobre o número de pessoas que morreram às mãos de forças de segurança. Para preencher essa lacuna, o jornal The Washington Post criou uma base de dados com a caracterização das pessoas mortas pela polícia — a partir de informação que consta em relatórios e notícias.

Como uma nota falsa de 20 dólares levou à morte de Floyd e deixou os Estados Unidos a ferro e fogo

De acordo com essa base de dados, em 2015, 414 brancos e 223 negros foram mortos pela polícia. Se aplicássemos as percentagens que constam na publicação ao relatório do FBI, teríamos números bem diferentes. Em 2015, foram assassinados 3.167 brancos e a publicação alega que 3% dessas vítimas teriam sido mortas pela polícia: feitas as contas, daria cerca de 95 brancos — o que não se aproxima em nada aos 414 brancos mortos pelas autoridades que constam na base de dados do The Washington Post.

O mesmo acontece em relação aos dados sobre afro-americanos. Em 2015, 2.664 negros foram assassinados, de acordo com o FBI. Ora, a publicação diz que, desses, 1% teria morrido às mãos da polícia — o que daria 26 e que, mais uma vez, não corresponde à base de dados do The Washington Post. Esta base de dados mostra que foram 223 os negros mortos pelas forças de segurança, nos Estados Unidos.

Edifícios incendiados, carros destruídos e pilhagem. As imagens dos protestos contra a morte de George Floyd

As percentagens da tabela partilhada no Facebook mostram que por cada negro assassinado pela polícia, haveria quase quatro brancos mortos da mesma forma — o que está errado. A base de dados do The Washington Post, baseada em relatórios oficiais e notícias, mostra que a proporção é de cerca de dois brancos mortos pela polícia por cada negro morto.

Conclusão

Uma publicação procura mostrar que a esmagadora maioria dos brancos e mesmo os afro-americanos são assassinados por negros, tendo por base, alegadamente, estatísticas dos crimes levados a cabo em 2015, nos Estados Unidos. Só que as percentagens apresentadas não correspondem à realidade.

Enquanto a publicação alega que 81% dos brancos são assassinados por negros, as estatísticas oficiais mostram que esse valor é apenas de 16%. O relatório do FBI desse ano mostra que os brancos tendem a matar outros brancos, da mesma forma que os negros tendem a matar outros negros — uma tendência que se manteve até aos dias de hoje.

Assim, segundo a classificação do Observador, este conteúdo é:

Errado

No sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota 1: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge