Rádio Observador

PSD

A doença infantil do centrismo

Autor
535

Depois do que aconteceu na última semana, o resultado das próximas eleições está agora em aberto. Se a geringonça falhar, só há uma alternativa política: a direita. Não será certamente o centro.

No lançamento da sua candidatura à liderança do PSD, Rui Rio anunciou que quer liderar um partido do centro e mesmo do centro esquerda. Não deixa de ser estranho visto que a maioria dos portugueses que votam no PSD serão de direita e de centro direita. Pior do isso, a declaração de Rio visa afastar-se da herança de Passos Coelho, o qual supostamente terá levado o PSD demasiado para a direita. Rio mostra que pouco entendeu do que se passou em Portugal desde 2011. Um governo de esquerda levou o país à falência, à recessão e à ajuda externa. Um governo de direita restituiu a independência financeira e o crescimento económico a Portugal. Talvez Rui Rio devesse mostrar um pouco mais de orgulho na contribuição da direita e do seu partido para a dignidade do seu país.

Um PSD de centro faria de Portugal um caso inédito no contexto europeu. Seria o único país da União Europeia sem um grande partido de direita. Todos os outros países da União Europeia têm partidos de direita. Todos, sem excepção. E, por acaso, estão no governo na maioria desses países. Além disso, o grupo de centro direita, o PPE, é o maior no Parlamento Europeu desde 2004. Grupo do qual o PSD faz parte. Ou seja, com Rui Rio na liderança, o PSD teria uma dupla natureza: de centro esquerda em Portugal e de centro direita na Europa. Seria uma contribuição interessante de um politico que defende mais transparência nas relações entre os partidos e os cidadãos.

Um PSD de centro mostraria ainda uma clara incompreensão da mudança introduzida pela geringonça na política portuguesa. Os partidos socialistas e Marxistas juntaram-se para atacar a direita e construir uma maioria de esquerda em Portugal. Mesmo que Rui Rio jurasse, dia sim dia não, que o PSD está no centro esquerda, os partidos da geringonça continuariam a colocá-lo na direita. Se os adversários políticos atacam o PSD por ser de direita, a defesa mais eficaz será afirmar os méritos das políticas de centro direita. E não custa muito. Uma coligação de direita tirou o país da falência, fê-lo regressar ao crescimento económico, combateu a corrupção, recusou as alianças entre os poderes político e financeiro, e além disso, o PSD contribuiu de um modo decisivo para o desenvolvimento económico e para a justiça social em Portugal durante os últimos trinta anos. São mais do que razões para sentir orgulho no legado político do centro direita em Portugal. Para o PSD, a melhor maneira de combater os ataques dos seus adversários não é a negação da sua identidade mas a sua afirmação com orgulho. Por que razão, depois de tudo o que aconteceu em Portugal desde a subida ao poder do governo socialista de Sócrates, só a esquerda continua a ser orgulhosa e a direita está condenada a ser envergonhada? Parece-me que deveria ser exactamente o oposto.

Há ainda uma outra questão relevante para os militantes sociais democratas. Será a colocação do PSD no centro esquerda a melhor estratégia para chegar ao poder? Pela minha parte, estou certo de que seria uma estratégia condenada ao fracasso. Antes de mais, a colocação do PSD no espaço do PS pareceria à maioria dos portugueses como uma escolha oportunista. Além disso, os portugueses pensariam, e muito bem, que seria melhor votar no original do que numa cópia falsa. Por fim, no pós-geringonça, o PSD já não consegue imitar o PS, a não ser que acredite na possibilidade de fazer alianças com o PCP ou com o BE.

A melhor estratégia para o PSD passará pela capacidade de mobilizar o eleitorado de direita. Ao contrário do que muitos políticos julgam, as vitórias eleitorais começam com a mobilização do seu eleitorado natural e só depois com a conquista de votos no centro. As eleições de 2015 mostraram um ponto que nenhum líder do PSD pode ignorar. Mesmo depois de quatro anos muito difíceis, 40% dos portugueses votaram numa coligação de direita. E em 2015 ninguém tinha dúvidas que o PSD e o CDS estavam à direita. Até o Rui Rio o dizia. A direita regressa ao poder se souber construir uma maioria a partir daqueles 40%. Não o conseguirá se o PSD se afirmar como um partido de centro esquerda.

Depois do que aconteceu na última semana, o resultado das próximas eleições está agora em aberto. A aliança entre o Presidente e o PM acabou, o PCP será um parceiro muito mais difícil para o governo e António Costa está claramente desorientado. Tudo pode acontecer se as esquerdas e o próprio PS deixarem de acreditar na liderança de Costa. Se a geringonça falhar, só há uma alternativa política: a direita. Não será certamente o centro, e muito menos o centro esquerda.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)