Rádio Observador

Cultura

A história de Bernardo Lapa, homem da “Cultura”

Autor
1.645

Bernardo Lapa celebrou o governo de esquerda, que assumiria a responsabilidade que lhe cabe na Cultura, distribuindo os rendimentos da população bronca pelos agentes” susceptíveis de a iluminar.

É tempo de contar a história de Bernardo Lapa, tão verídica quanto o país. Ainda muito novo, Bernardo Lapa desconfiou que via o mundo de modo diferente. Três oftalmologistas garantiram tratar-se de astigmatismo, mas um tio ligado à mediação de seguros e às artes (participou em três “colectivas” de pintura e visitou outras dezasseis) falou-lhe no “olhar artístico” e desde então Bernardo Lapa não mais deixou de procurar a própria “voz”. Sempre era melhor do que procurar emprego.

No final da adolescência, a par do curso de Antropologia, Bernardo Lapa já havia percorrido inúmeras formas de expressão, da banda desenhada à fotografia, do candomblé à olaria, da acupuntura ao batuque. E causou brado, junto de dois primos, a sua fugaz aparição na curta-metragem “Mariana, ou da Natureza das Coisas”. Aos 21 anos, julgou ter descoberto o seu habitat no universo literário, que depressa abandonou ao perceber que, além de conceber o romance “A Côdea” (o relato de um flautista de rua que convence um gestor de activos a tornar-se flautista de rua), teria também de escrevê-lo. O rigor burguês e acomodado da gramática não o seduzia.

Aos 24 anos, após sucessivos retiros num mosteiro budista e no sofá-cama da namorada, Bernardo Lapa optou por romper com quaisquer abordagens tradicionalistas e dedicou-se a promover instalações. Embora nunca tenha instalado um ar-condicionado ou uma torneira de passagem, ficou relativamente célebre a ocasião em que se instalou num restaurante do Chiado, engoliu um arroz de tamboril com vinho branco e, no momento de pagar a conta, denunciou aos berros a perseguição aos artistas. Nessa época, repetiram-se os berreiros e as greves de fome, nenhuma superior a quatro horas.

A caminho dos 30 e a meio caminho entre a casa dos pais e as vigílias por causas sortidas, Bernardo Lapa viu um mendigo sem pernas e, ao contorná-lo a sete metros, teve uma epifania: só havia uma arte capaz de retratar sem constrangimentos os abismos para que se precipitam as almas, as brechas nos muros da incomunicabilidade, a complexidade da existência, enfim. Nesse instante, permanentemente acometido de uma forte consciência social, Bernardo Lapa comprou duas Sagres Mini e decidiu dedicar a vida ao teatro de marionetas.

Um ano depois, a companhia Cabaça dos Mafarricos, que Bernardo Lapa fundara com um amigo e cinco bonecos, adquirira largo prestígio no eixo Príncipe Real-Campo de Ourique. Restava um problema: estava-se em 2012 e a austeridade “neoliberal” restringia selvaticamente os subsídios à “Cultura”. Por motivos óbvios, a sra. Merkel e Pedro Passos Coelho não queriam expôr o povo ao exacto tipo de conhecimento patente nas obras da Cabaça dos Mafarricos. A peça inaugural, “Presos Por um Fio”, descrevia justamente (nos dois sentidos) a angústia de um licenciado em malabarismo – Tomás – que, por intervenção de um poder maligno e avesso à criatividade, se vê forçado a descer a trabalhos típicos da ralé. No derradeiro acto, desesperado pela falta de apoios, Tomás lança-se de um rés-do-chão e magoa-se um bocadinho. Na estreia, os seis espectadores aplaudiram de pé.

Nessa época, a contestação de Bernardo Lapa não se limitou aos fantoches. Politizado, marchou quase diariamente contra Israel, as touradas, a destituição daquela senhora brasileira, o exílio do cançonetista Tordo, o consumo de bacalhau, o aquecimento global, o arrefecimento global, o sr. Trump, a proibição das drogas, o boicote ao Haiti, perdão, a Cuba (ele confundia-os), o Belenenses e, claro, cantou a “Grândola” nas imediações de cada ministro da “direita”. Afinal, Bernardo Lapa era um homem da “Cultura”.

E foi enquanto homem da “Cultura” que Bernardo Lapa celebrou o advento de um governo de esquerda. Finalmente, julgou, o Estado assumiria a responsabilidade que lhe cabe no sector, distribuindo os rendimentos da população bronca pelos “agentes” susceptíveis de a iluminar. No princípio, tudo correu bem. Através de uma ou duas “cunhas”, a Cabaça dos Mafarricos obteve o financiamento de “Um Furúnculo em Setembro”, crítica implacável do turismo nas grandes cidades. Recentemente, porém, Bernardo Lapa soube que a encenação seguinte, ainda com título, tema, enredo e bonecos a definir, não conseguira a subvenção que ele e a humanidade naturalmente esperavam. Num ápice, tirou a conclusão inevitável: o governo de esquerda quer igualmente matar a cultura.

Nos últimos dias, Bernardo Lapa tem-se desdobrado em protestos. Perante as câmaras televisivas, empunhando um cartaz com o slogan “Só a ditadura não gosta da Cultura!!”, explicou às massas que a arte não pode depender do gosto delas, mas apenas do dinheiro. O vídeo, com 374 “visualizações” (e 41 “gostos”), tornou-se viral. Na sexta-feira, Bernardo Lapa desfilou ao lado da dona Catarina do BE, ruidosa adversária do Orçamento que aprova na AR. Começa a falar-se dele para um lugar na Direcção Geral das Artes ou até no ministério. Assim os deuses permitam, já que a “Cultura” é um direito divino.

Notas de rodapé

1. O sr. Lula? Sinceramente, custa-me a crer que um sujeito com passado ilustre no comunismo, no sindicalismo e na apresentação de livros assinados por José Sócrates esteja envolvido num dos maiores esquemas de corrupção da história dos esquemas de corrupção. Se calhar, os tipos fizeram mal as contas e não desapareceu um tostão. Ou então é mesmo má vontade e há uma data de gente interessada em prejudicar a democracia, o progresso social, a paz, o pão, a habitação, etc. Entretanto, espera-se que resultem os esforços dos nossos “media” na beatificação do ex-metalúrgico: é que todos os dias entram por aí brasileiros assustados e convencidos de que esse santo é o demónio em forma de analfabeto. E o modo como o santo evitou entregar-se às autoridades para forçar baderna e sangue mostra que os brasileiros têm alguma razão. O sr. Lula não será o demónio, mas é dos maiores canalhas disponíveis no mercado.

2. Inúmeros desmancha-prazeres pedem a demissão do presidente do Sporting. Nem a brincar. O sr. Bruno de Carvalho é das raras fontes de diversão que o país possui. Deve ser um dom natural, mas a verdade é que tudo o que o homem diz ou faz tem graça. Ontem, foi a suspensão do “plantel” em peso. Amanhã, será a transladação para os Jerónimos da sua vivíssima pessoa. Querer acabar com isto, e com o gozo alheio, é coisa de malucos. E ainda juram que o maluco é ele.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

A evaporação da democracia /premium

Alberto Gonçalves
1.472

Cantando e rindo, os portugueses marcham para o abismo e só darão por ele quando se esbardalharem lá em baixo. Ou, palpita-me, nem aí. Não seria a primeira vez.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)