Politicamente Correto

Anomalias democráticas

Autor
2.854

Gentil Martins, médico, não pode falar como cidadão e dar a sua opinião. Mas Ferro Rodrigues, presidente da AR, pode ter “posições pessoais” com críticas ao Ministério Público. Algo não bate certo.

O caso à volta das declarações de Gentil Martins tem interesse porque traz à tona três aspectos que definem o mau estado do nosso debate público e da nossa cultura democrática – dois óbvios e um nem por isso. Primeiro, revela a força do preconceito mesmo entre homens da ciência. Segundo, expõe os tiques despóticos de quem se alega paladino da liberdade e da democracia. Terceiro, exibe as diferenças de tratamento (de tolerância ou de intolerância) que situações análogas merecem consoante os protagonistas. Vamos por partes.

Primeiro ponto. Em entrevista ao Expresso, o médico e ex-bastonário da Ordem dos Médicos definiu a homossexualidade como uma “anomalia” e um “desvio de personalidade”, comparando-a ao sadomasoquismo e às “pessoas que se mutilam”. Gentil Martins poderia ter-se limitado à questão de valores (opor-se ao casamento entre homossexuais, por exemplo) e, sendo uma posição legítima, ninguém lhe poderia apontar o dedo. Mas, ao cair na tentação de um diagnóstico, caiu objectivamente em erro. Primeiro, porque, tendo sido objecto de estudo, a ciência não define a homossexualidade como uma perturbação médica (neste caso, psiquiátrica) – pelo que a validade da sua qualificação enquanto “anomalia” ou da comparação com perturbações psiquiátricas é negada pela própria medicina. E porque, por não ter sustentação científica, a sua declaração é inequivocamente discriminatória, pois estabelece determinada orientação sexual como anomalia biológica. Se dúvidas houvesse, bastaria aplicar a mesma qualificação de “anomalia” a questões de raça, por exemplo, para captar a sua dimensão discriminatória. Isto deveria ser fácil de entender.

Segundo ponto. Gentil Martins pode dizer o que bem quiser. Tem liberdade para fazer afirmações certas ou erradas, elevadas ou ignóbeis, sofisticadas ou básicas, inspiradoras ou repulsivas. Se assim o entender, tem também o direito de lançar declarações no espaço mediático que constituam crime público, por contrariarem a legislação vigente ou a própria Constituição. Mas essa liberdade vem com responsabilidade. Importa nunca perder de vista uma distinção fundamental entre o direito à liberdade de expressar opiniões e a responsabilização num Estado de Direito pelas afirmações proferidas quando ofensivas para terceiros. Assim sobrevive o discurso das minorias. É, por isso, fácil discordar de Gentil Martins, mas ainda mais importante defender o seu direito a estar errado e, se isso se aplicar, a ser responsabilizado pelo teor das suas declarações – pelos seus pares na Ordem dos Médicos ou até, para aqueles que identificarem aqui um crime público, pelo Ministério Público. Nas nossas comunidades políticas, a liberdade e a responsabilidade coexistem e andam de mãos dadas.

Inquietante, pois, a fúria persecutória que um pouco por todo o lado se abateu contra Gentil Martins, pretendendo negar-lhe a liberdade de dizer o pensa e, quase, de o forçar ao exílio. Instaurou-se um julgamento popular por delito de opinião. E esse é o pior caminho. Ele que diga o que quiser e que as instituições democráticas ajam em conformidade – é assim que funciona a democracia. Tudo o resto, que é o que temos tido, são meros tiques despóticos.

Terceiro ponto. Pode alguém com prestígio e reconhecimento social falar enquanto cidadão, sem que as suas declarações sejam extrapoladas para a sua actividade profissional? Em Portugal, depende. A Gentil Martins, que é médico mas não ocupa cargo institucional de representação da sua classe, não foi concedido esse estatuto de falar enquanto cidadão e de expor a sua opinião sem posteriores julgamentos acerca de como exerce a sua actividade. Mas, há dias, Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República, pôde pendurar as suas funções institucionais e, através de “posições pessoais”, criticar duramente o Ministério Público em casos que envolvem o governo. Logo ele que, ocupando o segundo lugar da hierarquia do Estado, tem um dever de isenção, que pretendeu suspender para abalar a separação de poderes no regime. E sem que se ouvisse sequer um burburinho. Há aqui algo que não bate certo: uns podem tudo, outros não podem nada. O ar está a tornar-se irrespirável.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente que pode tudo /premium

Alexandre Homem Cristo
155

A solução para os problemas do país (incluindo a crise das direitas) não é mais Marcelo com instituições políticas enfraquecidas. É o contrário: menos Marcelo com instituições políticas fortalecidas.

Eleições

Uma grande coligação da direita /premium

Alexandre Homem Cristo
187

É agora que PSD e CDS terão de decidir como pretendem sair da noite eleitoral de Outubro e em que condições farão a refundação da direita: sozinhos e derrotados, ou juntos e eventualmente vitoriosos?

Liberdades

Também tu, Universidade de Harvard?

Luís Ribeiro
190

Viver na espuma dos acontecimentos, sem aprofundar as consequências, leva a isto: cai um preconceito, mas é logo substituído por outro. O preconceito racial é substituído pelo preconceito do #MeToo.

Crianças

Os chimpanzés não contam histórias

Eduardo Sá
3.089

Uma escola de Barcelona retirou livros como "A Bela Adormecida" e o "Capuchinho Vermelho", por as considerarem histórias tóxicas ou sexistas. E o mais grave é que esta onda populista não parece parar.

Politicamente Correto

A confusão dos géneros

Gonçalo Forjaz
532

A evolução do acrónimo LGBT é reveladora, crescendo até LGBTQIA e tendo agora fórmula final sugestiva: LGBTQIA+. Ou seja, um zoófilo, um pansexual ou um poliamoroso terão que se limitar à categoria +

Politicamente Correto

Bem-vindos à ditadura do sem /premium

Helena Matos
10.332

Sem sexo. Sem glúten. Sem lactose. Sem nomes. Sem carne. Sem peixe. Sem pai nem mãe. Sem gorduras. Sem cor... Aterrados com o sermos a “favor de” transformámos o quotidiano numa casa de pânico. 

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)