Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há poucos grandes devedores, dos que têm passado pelas diversas comissões parlamentares de inquérito, que não digam que pelo menos algumas das propostas vieram dos bancos, com especial relevo para a CGD. Regra geral envolveram financiamentos para a compra de acções. E o caso mais grave foi o que envolveu a designada guerra pelo controlo do BCP.

Na altura todo o processo já era bastante suspeito. João Silvestre, no Expresso, foi revisitar o que se escreveu na altura e é espantoso como estava lá tudo: “As movimentações à volta do BCP já começaram, com algumas forças ligadas ao Governo a darem sinais de que pretendem, com a ajuda da CGD e da EDP, fragmentar o maior banco português”. Estávamos em finais de 2007, já com os primeiros sinais da crise a chegarem dos EUA. Em Janeiro de 2008, Carlos Santos Ferreira e Armando Vara mudam-se da CGD para o BCP.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.