Rádio Observador

Feminismo

“Mulheres Livres, Homens Livres”: um excelente livro /premium

Autor

Na minha opinião, a insensibilidade de grande parte da esquerda (norte-americana) relativamente aos movimentos pró-vida é uma das responsáveis pela ascensão de Trump ao poder.

Como já aqui contei, uma das melhores coisas de ser um colunista regular da imprensa são os livros que me dão. Um dos livros que me ofereceram recentemente foi o “Mulheres Livres, Homens Livres”, de Camille Paglia, publicado em Portugal pela Quetzal. O que não contei foi o motivo da oferta. Quem mo deu foi alguém que gostou dos meus artigos sobre a guarda partilhada de crianças — em que, contrariando as Capazes e outras associações que se dizem feministas, defendi a presunção jurídica da residência alternada após o divórcio.

Na verdade, muitas das pessoas que gostaram dos meus artigos sobre guardas partilhadas, em que basicamente advogo que as crianças têm o direito de passar tanto tempo com os pais como com as mães, recomendaram-me este livro da Camille Paglia, como se eu nela encontrasse apoio para o que defendo. Como diz o provérbio, inimigo do meu inimigo meu amigo é. Como já disse, uma dessas pessoas foi mais longe e mandou-mo pelo correio. Mas, se é verdade que Paglia maltrata o feminismo tipo Capazes de uma forma bem mais agressiva do que eu, a realidade é que, neste assunto concreto, as implicações do que Paglia defende são as opostas do meu artigo. Para Paglia, a biologia determina grandes diferenças entre homens e mulheres e a forma como cada um vive a parentalidade, levando as mulheres a dedicarem-se mais à casa e às crianças e os homens ao trabalho para assegurar o sustento. O que, logicamente, daqui decorre é defesa do status quo, em que as crianças, invariavelmente, ficam com as mães, como as Capazes defendem.

Este biologismo de Paglia é esticado ao absurdo. Basta atentar na seguinte passagem (pág. 66): “eu penso em primeiro lugar que a ilusória certeza masculina de que a objectividade é possível se baseia na visibilidade dos seus órgão genitais. E, em segundo lugar, que certeza é um afastamento defensivo da ansiedade induzida pela invisibilidade do útero. As mulheres tendem a ser mais realistas e menos obsessivas devido à tolerância para com a ambiguidade, que elas descobrem pela incapacidade de conhecerem os próprios corpos. As mulheres aceitam o conhecimento limitado como sendo a sua condição natural, uma grande verdade humana que um homem pode levar a vida inteira a tentar alcançar”.

Percebo que isto pretende ser uma metáfora, mas a ideia de que o facto de termos os órgãos sexuais externos ou internos determina a forma como interpretamos o mundo parece-me tão absurda que está para além dos recursos estilísticos. E durante dezenas de páginas insiste nesta ideia, às vezes com passagens dignas de alguns poetas, como quando escreve que “cada corpo feminino contém uma célula da noite arcaica, diante da qual o conhecimento se sustém”. Este é, na verdade, um dos méritos do livro: mesmo quando defende ideias com que não concordamos, por estar tão bem escrito, continuamos a gostar do que lemos. Na verdade, tenho muitas vezes a mesma sensação com a revista britânica The Economist: é tão bem redigida que ao ler alguns dos seus artigos, muitas vezes, esqueço-me de que discordo deles.

Adiante. Não quero insistir nesta ideia, porque, se discordo do biologismo que a autora defende (e longe de mim defender a ideia contrária de que a Biologia não conta para nada), também é certo qur estou de acordo com muito do que ela escreve. Por exemplo, e tal como referi no artigo sobre a Serena Williams, concordo com a acusação de Paglia a alguns movimentos feministas de que quase infantilizam a mulher ao tratarem-na sempre como vítima, como se fosse um ser não passível de ser responsabilizado pelos seus actos.

Quando há umas semanas foi publicada, aqui no Observador, uma crítica de João Pedro Vala a este livro, ia eu a cerca de um terço do mesmo. João Pedro Vala foi bastante duro, acusando o livro de ter algumas passagens ilógicas e incompreensíveis e de ser bastante repetitivo. Nessa altura, concordei com ele, mas, à medida que continuei a ler, o livro foi crescendo em mim e cheguei ao fim com a sensação de ter lido uma excelente obra. Correndo o risco de ser injusto, ouso dizer que João Pedro escreveu quando não ia a mais de meio do livro.

Camille Paglia deixa claro ao que vem. Assume-se como uma lésbica feminista, devota de Simone de Beauvoir, revoltada contra algumas das novas correntes do feminismo, especialmente aquelas que considera serem herdeiras de Rousseau. O livro é uma coletânea de vários textos, que vão desde os bastante eruditos a meros artigos de opinião. Muito eclético, portanto. Entre os mais eruditos, temos, por exemplo, um capítulo dedicado ao busto de Nefertiti. Na última categoria, temos os que pouco mais são do que um desfiar de insultos a algumas líderes feministas ou ataques aos programas académicos de “estudos de género”. Quer se concorde ou não com ela, e eu encontrei-me numa e noutra situação por diversas vezes, a verdade é que somos sempre desafiados e é difícil não apreciar a sua retórica corrosiva.

Antes de terminar, gostaria de destacar os últimos dois capítulos. Aquele em que discute o aborto e no qual me revi bastante. Nesse texto, Paglia defende, recorrendo a argumentos libertários, o direito da mulher a abortar. Mas, simultaneamente, mostra uma enorme preocupação em perceber os argumentos contrários, evitando o insulto fácil. Ao contrário da grande maioria das feministas, reconhece que ser-se contra o direito ao aborto não é incompatível com ser-se feminista e mostra ter noção da ambiguidade ética de um assunto tão sensível como este. Na minha opinião, a insensibilidade de grande parte da esquerda (norte-americana) relativamente aos movimentos pró-vida é uma das responsáveis pela ascensão de Trump ao poder. Há cada vez mais eleitores nos EUA cuja única preocupação é o aborto e que, como tal, estão dispostos a votar em candidatos grotescos como Trump desde que estes se comprometam a nomear juízes para o Supremo Tribunal que dêem garantias de reverter a decisão de Roe vs Wade, de 1973, que tornou o aborto legal em todos os Estados dos EUA. E, como se vê, esta promessa de Trump tem sido cumprida.

O último capítulo é particularmente interessante por causa da actualidade nacional. É dedicadoa um retrato de Patti Smith feito por Robert Mapplethorpe. Esse mesmo, que acabou meio censurado pela Administração de Serralves. Obviamente que Paglia fala sobre o retrato e a força que transmite e não sobre o caso de Serralves. Mas seria muito interessante saber o que teria a dizer sobre o que se passou aqui no burgo. Aposto que diria que só quem não percebe o papel desafiador da arte pode defender que se confinem as imagens mais provocadoras a salas pré-determinadas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igualdade de Género

O sexo e a concorrência /premium

Luís Aguiar-Conraria
141

Se até algo como a simplificação burocrática na criação de empresas teve efeitos na redução da desigualdade de género dos salários, percebe-se o absurdo da ideia de que não há discriminação salarial.

António Costa

Três perguntas, três não-respostas /premium

Luís Aguiar-Conraria
307

Os desafios da nossa evolução demográfica não são compatíveis com um discurso puramente conjuntural de “vamos lá fazer com que alguns jovens regressem ao país e diversificar algumas fontes de receita"

Orçamento do Estado

Por um IVA civilizado /premium

Luís Aguiar-Conraria
2.744

Se for a um restaurante de luxo, o IVA que é pago é de 13%. Se beber uma cerveja, paga 23% de IVA, já se beber um vinho de 150€ paga apenas 13%. Ou seja, andamos a subsidiar gastos de gente rica.

Feminismo

A vitória do patriarcado

Patrícia Fernandes e André Azevedo Alves
189

Boa parte do feminismo atual, enquanto insiste em olhar para o mundo desvalorizando o que a mulher fez e sobrevalorizando a esfera tradicionalmente masculina acaba vencida pelo seu próprio vocabulário

Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
1.301

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)