Eutanásia

O bioprogressismo /premium

Autor
354

O ódio ao heteropatriarcado substituiu o ódio ao capitalismo. O sexo passou a género, os pais a progenitores, a maternidade a procriação, a morte a direito. Tudo de preferência medicamente assistido.

Depois do direito à maternidade através das barrigas de aluguer temos a eutanásia como expressão do direito à morte: “Despenalizar a eutanásia não chega. Morrer é um direito, uma liberdade” – declara Paula Teixeira da Cruz. Mariana Mortágua a propósito da eutanásia  fala  d’A derradeira liberdade

Por outras palavras, a biologia tornou-se o campo da ideologia. E o progressismo passou a bioprogressismo. Como não se actualizou o habitual argumentário da libertação o resultado é no mínimo grotesco: fala-se em direito à morte e em última liberdade como se a morte fosse algo que podemos conquistar ou a que podemos renunciar.

Inevitavelmente o mundo bioprogressista concebe a sua intervenção como crucial para corrigir o erro (o delírio é tal que num primeiro momento quase somos levados a crer que em Portugal ou não se morre ou se morre de forma indigna). Desenham-se cenários redentores para a maravilhosa legislação que o legislador-bioprogressista se apressa a fazer, faltando apenas dizer que desse dia em diante morreremos felizes para sempre.

A pressa para regular a morte é tanta que alguns dos projectos apresentados na Assembleia da República parecem inacabados: o PEV nem se deu ao trabalho de especificar os procedimentos a adoptar se o pedido for negado ou quando o paciente fica inconsciente. Já o BE não definiu quem fica automaticamente de fora.

Na verdade nada disto conta porque, como a prática da eutanásia noutros países tem mostrado, rapidamente se alarga o âmbito das pessoas a quem se pratica eutanásia dos doentes lúcidos em sofrimento insuportável para crianças, pessoas que até tinham mudado de vontade, jovens deprimidos, velhos senis ou nem tanto…

Provavelmente a eutanásia não será aprovada. Por agora, claro. Porque uma das coisas que caracteriza o bioprogressismo é que ele nunca se dá por derrotado. A sociedade é que não estava preparada para as suas propostas! Assim enquanto outro assunto não lhes captar as energias lá os teremos a quererem libertar-nos da morte! E nós, claro, a reboque das suas agendas libertadoras que mais não são que decálogos tirânicos. Porque o objectivo esse mantém-se inalterado: controlar a sociedade. Apenas muda o objecto: onde antes estava o burguês está agora o homem branco. O heteropatriarcado substituiu o capitalismo. A família já não é para destruir mas sim para instrumentalizar: o sexo passou a género, os pais a progenitores, a maternidade a procriação, a morte a direito. Tudo de preferência medicamente assistido que é o mesmo que dizer que estatizado. (Ah, já me esquecia, deixou de se falar de família quando se referem os cuidados aos mais velhos: agora a expressão correcta é cuidador. Mais uns tempos e teremos a carreira de cuidador, o regulamento do cuidador, os procedimentos do cuidador, a certificação do cuidador, o certificado de cuidador…)

Na verdade ou nos libertamos do fatalismo quase biológico com que temos dado como adquirida esta superioridade do progressismo ou acabaremos todos a discutir dentro de alguns anos (não muitos) como foi possível termos pactuado com um crime como são as barrigas de aluguer. Ou não termos percebido que a eutanásia enquanto direito à morte reivindicado por uma minoria mediatica e socialmente poderosa se podia transformar no dever de morrer em momento considerado oportuno para uma multidão de pessoas mediaticamente invisíveis e socialmente frágeis.

PS. Dois anos e dois meses depois de deixar a Presidência da República, Cavaco Silva voltou à política. Não me estou a referir à sua mais que esperada posição contra a eutanásia mas sim àquele aviso: “Como cidadão, sem responsabilidades políticas, o que posso fazer para manifestar a minha discordância é fazer uso do meu direito ao voto contra aquelas que votarem a favor da eutanásia. Nas eleições legislativas de 2019 não votar nos partidos que apoiarem a legalização da eutanásia e procurar explicar àqueles que me são próximos para fazer a mesma coisa”. Cavaco está a gozar a maior liberdade que um político pode ter: já ocupou todos os cargos que ambicionou logo pode dizer o que pensa e fazer o que quer. Até apelar ao voto no CDS. Em conclusão: quanto vale hoje Cavaco no PSD?

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
1.200

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Crónica

Os amigos /premium

Helena Matos
780

Os amigos uns dos outros. Os amigos de Peniche. Os amigos dos animais. Os amigos do alheio. O amigo de todos... Com amigos assim não precisamos de inimigos. 

Eutanásia

Pothoven, laissez-faire e a morte anunciada

António Graça Moura
143

Pothoven ficar-me-á sempre na memória como um símbolo, pelas reações que espoletou, duma sociedade pós-moderna que privilegia as soluções mais imediatas. E que o sistema que a devia ter apoiado falhou

Eutanásia

Tempo de fazer uma pergunta a quem se candidata

Pedro Mota Soares
659

Um dos problemas o plano inclinado é a desistência do Estado em tratar e aceitar a banalização. Na Holanda, de todos os óbitos registados em 2018, 4% foram por eutanásia, mais de 6.100 num só ano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)