Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A lama chega à dobra das calças. A notícia a respeito da detenção do presidente do Benfica constitui mais uma onda do lamaçal que continua a submergir a ilegitimidade inicial do governo PS. Não é excessivo identificar o actual primeiro-ministro como autor do golpe parlamentar de 2015 sob o qual ainda hoje vivemos politicamente. Seria ingénuo, com efeito, imaginar que foram os eleitores do PS (32%) quem magicou a golpada de 4 de Outubro de 2015.

Infelizmente, como então escrevi, nem o PR Cavaco Silva nem o PM Passos Coelho tiveram imaginação e coragem para enfrentar o golpe do PS. Com efeito, teria sido legal e legítimo confirmar o governo da coligação PSD+CDS com o mesmo orçamento votado no ano anterior até à eleição de um novo Presidente da República, o qual dissolveria o parlamento quando tivesse liberdade constitucional para isso. Nessa altura, o eleitorado já conheceria as intenções do PS e votaria, com certeza, contra elas, evitando entregar o poder a um futura «geringonça»!

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.