Política

O merceeiro de Havel

Autor
  • Diogo Prates

Algumas vezes o “homem comum” de Miguel Pinheiro ou o merceeiro de Havel não se comportam como as elites gostavam que eles se comportassem. Nessas alturas tiram os posters da janela. Ou saem à rua.

“Direita inorgânica do Observador” foi assim que tanto António Costa como Francisco Louçã se referiram ao jornalismo do Observador e aos seus leitores; esta semana ficámos a saber que nem só os jornais podem ser inorgânicos como os compostos químicos mas também as manifestações o podem ser. Miguel Pinheiro classificou assim os “coletes amarelos”: “O movimento é convenientemente inorgânico” no seu artigo “Os coletes-amarelos dos outros são óptimos”.

A denominação “inorgânico” pretende atribuir, seja ao jornal ou ao movimento, um carácter espontâneo e ao mesmo tempo irracional, sem liderança e sem um objectivo definido, o que é errado do meu ponto de vista. Realmente quem se manifesta não é um grupo organizado como um sindicato ou associação, mas sim aqueles que pagam impostos e não têm ninguém que os represente.

Convém começar do princípio, as pessoas que vestiram o colete sabiam que se manifestavam contra o aumento dos impostos sobre os combustíveis. Que depois essa luta tenha sido aproveitada por grupos extremistas e radicais que degeneraram em violência não pode apagar o óbvio: as pessoas sabiam perfeitamente porque se manifestavam. Não podemos julgar todos pela bitola do povo português, acomodado, muitas vezes apático e envelhecido.

Não existe nenhuma explicação racional para o verdadeiro abuso fiscal que se passa com o preço dos combustíveis em França e em Portugal. Os governantes têm que compreender que precisam diminuir a despesa pública, gerindo melhor e fazendo escolhas, não sobrecarregando todos em benefício de alguns. Aumentar impostos sobre os combustíveis e aplicar taxas de IVA reduzidas em festivais de música, touradas ou restaurantes não faz sentido pelo simples facto que o “homem comum” de Miguel Pinheiro passa bem sem jantar fora ou sem ir a um festival, mas muitas vezes não pode levar os filhos à escola sem o carro, pelo que é natural que se “revolte”, esperamos todos que pacificamente. Mesmo quando lhe dizem que a austeridade acabou mas afinal sobra-lhe o mesmo ou menos ao fim do mês.

“Há outra coisa que os “coletes amarelos” não são: eles não são o despertar do “povo” sensato que enfrenta uma elite desligada da realidade.” O problema, caro Miguel, é que se a elite política em Portugal não está desligada da realidade, bem parece estar. Só um exemplo: o uso de dados biométricos que foi rejeitado no Parlamento é obrigatório no SNS e noutros serviços do Estado, ou seja, aquilo que é aceitável para quem trabalha num hospital não é aceitável para quem trabalha na Assembleia da República…

No seu ensaio “Power of the powerless”, Vaclav Havel disserta sobre o dono de uma mercearia que tem um poster na janela com a frase “trabalhadores de todo o mundo, uni-vos” e pergunta-se qual a razão daquele poster com aquela frase. Será que o merceeiro acredita genuinamente naquilo? Ou será apenas a forma que encontrou para não ser incomodado, a sua maneira de “viver em harmonia com a sociedade”, como se dizia naquela altura na Checoslováquia comunista?

Algumas vezes o “homem comum” de Miguel Pinheiro ou o merceeiro de Havel não se comportam como as elites governativas gostavam que eles se comportassem. Nessas alturas tiram os posters da janela. Ou saem à rua.

Interno de Medicina

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Transportes Públicos

A sul algo de novo

Diogo Prates
495

Um povo que em nada beneficia com as constantes greves dos serviços públicos de transportes começa a perceber o logro do discurso do PCP. É o povo que também sabe comparar a Transtejo com a Fertagus.

Governo

Revolução Francesa

Diogo Prates
196

Os “coletes amarelos” franceses são o pior inimigo de Costa neste momento. Os portugueses perceberam-no ao compararem o que pagam os franceses pelos combustíveis com o tamanho da nossa carga fiscal.

PSD

Rui Rio desistiu

Diogo Prates
112

Já dizia Goethe: “nem todos os caminhos são para todos os caminhantes”. O futuro encarregar-se-á de mostrar se o caminho trilhado por Rio de submissão a Costa mesmo assim chega para ser apenas vice-PM

Política

Salazar /premium

Helena Matos
1.498

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)