Rádio Observador

Caso José Sócrates

O PS deu licença, já podemos ver, ouvir e falar /premium

Autor
629

O caso Sócrates é também um caso ideológico, porque com este Estado, era uma questão de tempo até que aparecesse um Sócrates. Portanto, sim: quem quer mais Estado, quer mais Sócrates.

Em Setembro de 2004, a revista Focus perguntou na capa como é que um político que não declarava outros rendimentos senão os de deputado fazia a vida de luxo de José Sócrates. Em Dezembro de 2015, em entrevista à TVI, Sócrates admitiu viver de “empréstimos” do administrador de uma das empresas com mais contratos com o Estado. Porque é que, para tanta gente que opina em Portugal, estas foram descobertas da última semana?

Que mudou? Segundo explicou Carlos César, a direcção do PS achou que a situação estava a “adensar-se”. E logo que o PS “aclarou posições”, deu-se o milagre: o país cego, surdo e mudo, passou de repente a ver, ouvir e falar. Eis como tanta gente teve em 2018 as dúvidas de 2004 e a indignação de 2015. Esta é a liberdade de espírito em Portugal: uma torneira que os dirigentes do PS abrem e fecham conforme a “densidade” dos casos.

O que temos aqui não é um mistério: é apenas uma nova demonstração de que, no nosso país, quem domina o Estado domina a opinião. Ora, nenhum outro grupo, no actual regime, mandou tanto tempo no Estado como os actuais dirigentes do PS. Desde 1995, quase sempre no governo, que fazem e desfazem carreiras, negócios, e instituições. A pouco e pouco, colonizaram o espaço público com quem lhes deve emprego e estatuto. A sua força pode-se medir por este pormenor: até há uns meses atrás, quem parecia mais em risco na Operação Marquês não era o acusado, mas a Procuradora Geral da República.

Agora, esforçam-se por tratar o caso Sócrates como um cromo para a troca com episódios de corrupção do PSD ou do CDS. Escamoteiam naturalmente o fundamental. Porque o que está em causa no dossier Sócrates não são apenas os delitos de que é acusado, mas o modo como esses delitos constituíam, segundo a investigação judicial, uma maneira de governar. Aliás, que significa a “densidade” que finalmente inquietou os ex-colegas de Sócrates, senão a percepção de que, à medida que as peças se encaixam, o que surge é um mecanismo político, e não apenas os pecados de uma ou duas pessoas?

Queixam-se ainda de que Sócrates está a ser aproveitado para criminalizar certas ideias. Mas este também é um caso ideológico. Sócrates não mandou calar Manuela Moura Guedes em 2009 apenas porque quis, mas porque podia. Se o Estado não estivesse metido em todos os negócios, se do governo não dependessem as maiores empresas e bancos, Ricardo Salgado teria telefonado menos ao “Zé”. Sócrates é o produto de um sistema, e esse sistema, se bem que usado e abusado por todos os partidos, corresponde à ideologia estatizante de alguns deles. Sim, quem quer mais Estado, quer mais Sócrates, porque com este Estado, era uma questão de tempo até que aparecesse um Sócrates.

Mas francamente, creio que estes esforços para equiparar Sócrates ao BPN, ou por distinguir entre o estatismo e a corrupção, são, da parte dos donos do regime e dos seus altifalantes, uma simples cortesia, para manter as aparências de um debate. Não tenham ilusões: os nossos amos e senhores tiveram um contratempo, mas acham que já o resolveram. Em Portugal, a sabedoria oligárquica diz que quem aumenta as pensões tem direito a tudo, incluindo a deixar arder o país. Purgar Sócrates do álbum de família tem até a sua utilidade: é preciso que algumas das caras mudem, para o sistema continuar na mesma. Vladimir Putin também de vez em quando manda prender um dos seus oligarcas, e até o MPLA, ao fim de quase quarenta anos, está a despejar a família Santos. Em momentos desses, quando o regime sacrifica um dos seus donos, há frequentemente um ambiente de carnaval, de aparente liberdade, como agora em Angola. Aproveitemos, porque essas fases não duram.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)