Psicologia

Porque os Vascos… esses são felizes! /premium

Autor
  • Teresa Espassandim

Há dias, quando revisitava o clássico “A Canção de Lisboa”, não pude deixar de me lembrar do Pedro [nome fictício] e da sua triste história. Da ficção à realidade nem sempre vai uma grande distância.

Comédia não é propriamente o meu género cinematográfico de eleição, no entanto há honrosas excepções de que é exemplo o filme “A Canção de Lisboa” de Cottinnelli Telmo. Julgo que ninguém resiste a dar umas boas gargalhadas e a ser condescendente com Vasco Santana no papel do estudante boémio Vasco Leitão que, sem pudor, alimenta a farsa de ser Doutor perante suas tias que o financiam. Da ficção à realidade nem sempre vai uma grande distância, até porque é nos factos da vida real que se encontra tantas vezes a inspiração.

Há dias, quando revisitava o clássico na versão de 2016 de Pedro Varela, não pude deixar de me lembrar do Pedro [nome fictício] e da sua triste história. Quando me procurou tinha 29 anos e continuava inscrito no curso de engenharia que tinha iniciado com 18. Poderão pensar “hããã, grande malandro, que rica vida” ou até “como é que o marmanjo não tem vergonha que os pais lhe continuem a pagar os estudos tantos anos… havia de ser comigo!”. Na verdade, o Pedro não era nenhum bon vivant, não adiava a entrada na idade adulta porque aproveitasse inconsequentemente os prazeres da vida na moratória institucionalizada de ser estudante ou tão pouco era desprovido de sensibilidade para com a boa-vontade de seus pais.

“Não posso desistir, não agora que passaram estes anos todos. Não posso fazer isso aos meus pais” diz-me Pedro, com um tímido sorriso no canto da boca à procura da minha validação. Continuamos a conversar sobre a sua vida e o drama que agora enfrenta face à possibilidade de prescrever, isto é, de ser impedido legalmente de se inscrever na sua Faculdade por não ter realizado um conjunto mínimo de unidades curriculares num determinado período de tempo, o que o empurra a pedir ajuda profissional.

Conta-me que nunca soube o que queria ser, ou se até queria continuar a estudar depois do Secundário que completou sem entusiasmo, mas a avó e os pais insistiram muito e como não tinha planos alternativos deixou-se levar. Gostava de computadores, mais propriamente de jogar, e não se opôs à ideia que informática fosse o seu futuro, ignorando qualquer cenário acerca do que tal implicaria. Mas o dia-a-dia do curso revelou-se penoso para quem, como ele, não tinha motivação alguma para se dedicar ao que lhe era exigido e, sem amigos para o apoiar, sem irmãos para o desafiar e acompanhar, sem interesses e actividades para se conhecer, desejando sempre e mais do que tudo que os pais não se desiludissem com ele, sente-se só e refém das suas ilusões e da obrigação de cumprir as expectativas familiares.

A sua narrativa resume-se a uma rígida condição que sente ter de cumprir (terminar o curso) mas para a qual, paradoxalmente, nada ou pouco faz para superar. O seu olhar pacato parece adaptado a essa ideia, mas as manchas vermelhas que sobem pelo seu pescoço enquanto falamos revelam a sua ansiedade, a sua inquietude. O calendário escolar avança impiedoso, nada querendo saber dos prazos e necessidades do Pedro, que gradualmente vai tomando consciência do tanto que precisa amadurecer e do nada que investiu em si, quando se acomodou nos silêncios da não oposição aos planos parentais, no proteger-se dos seus colegas por os recear, no contentar-se com um mundo pequenino que de contrário teria que explorar…

O desenvolvimento vocacional é uma dimensão do desenvolvimento psicológico global que ocorre na interacção constante do indivíduo e seus contextos, confrontando com a necessidade de construção, implementação e revisão de projectos de vida, articulados com os vários papéis que na vida também se assumem. Sem procura, sem questionamento, sem experienciação, não há investimento, não há acção. E se o reportório do mundo do Pedro é estreito, também se cruza com o de sua família que estreito é. Agora, há que o expandir (queira o Pedro) porque os Vascos… esses são felizes!

Psicóloga Especialista em Psicologia Clínica e da Saúde, Psicologia da Educação, Psicoterapia e Psicologia Vocacional e do Desenvolvimento da Carreira

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Psicologia

Mais vale prevenir do que remediar /premium

Teresa Espassandim

É crítico que as pessoas à frente de organizações tenham apoio para desenvolverem competências de gestão do stresse, de gestão do tempo, de gestão emocional, de liderança... 

Psicologia

O outro lado das resoluções de ano novo /premium

Teresa Espassandim

Sejamos honestos: não há qualquer problema com as resoluções de ano novo e, mais ainda, pode até ser prenúncio da vontade em mudar algo nas nossas vidas, com envolvimento, compromisso, risco, esforço.

Psicologia

Mais vale prevenir do que remediar /premium

Teresa Espassandim

É crítico que as pessoas à frente de organizações tenham apoio para desenvolverem competências de gestão do stresse, de gestão do tempo, de gestão emocional, de liderança... 

Psicologia

O outro lado das resoluções de ano novo /premium

Teresa Espassandim

Sejamos honestos: não há qualquer problema com as resoluções de ano novo e, mais ainda, pode até ser prenúncio da vontade em mudar algo nas nossas vidas, com envolvimento, compromisso, risco, esforço.

Política

Populismo, Portugal e o Mar

Gonçalo Magalhães Collaço

A capacidade que a Esquerda tem, e sempre teve, para se impor, dominar e exercer o condicionamento mental que exerce, é admirável.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)