O principal resultado da cimeira de Helsínquia, realizada no início da semana, não é o “descongelamento” dos canais de ligação entre Moscovo e Washington, mas a demonstração pública da falsidade e da incompetência de dois dirigentes cujos países, em conjunto, controlam cerca de 90% das armas nucleares do mundo.

Vladimir Putin, porque controla o seu país com mão de ferro, e Donald Trump, porque acredita piamente que é o maior e o melhor presidente dos Estados Unidos, desprezam completamente a opinião pública e comportam-se como políticos que desconhecem o que é a sociedade da informação.

Um dos lapsos de Vladimir Putin foi tão grave que o centro de imprensa do Kremlin se viu obrigado a emendar o texto do Presidente russo antes de o publicar. Na conferência de imprensa realizada após a cimeira, o dirigente russo afirmou a propósito da anexação da Crimeia: “Nós consideramos que Nós realizámos um referendo em conformidade total com o Direito Internacional, com a Carta das Nações Unidas”.

Porém, na página electrónica do Kremlin, o segundo nós desaparece, o que muda todo o sentido da declaração: “Consideramos que foi realizado um referendo em conformidade total com o Direito Internacional, com a Carta das Nações Unidas”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.