Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Já sei que as sondagens não são as eleições. Também sei que os únicos resultados que contam são os que saírem das urnas na noite de domingo. Sei tudo isso, e ainda que não têm faltado, nos últimos anos, votações com surpresas. No entanto, as sondagens tendem, em geral, a significar alguma coisa, sobretudo no seu conjunto, e no caso destas eleições europeias, as previsões vão todas no mesmo sentido: o PS com uma percentagem frequentemente medíocre, mas distante do PSD, e o BE e o PCP com as percentagens de sempre, mas a par ou à frente do CDS. Se for assim, ou mais ou menos assim, teremos o resultado que mais naturalmente decorre do que os partidos parlamentares fizeram nos últimos anos.

O governo de António Costa e a sua maioria com o BE e o PCP não parecem ter convencido o país. Outra coisa não seria de esperar de partidos que, depois da rejeição das suas ideias nas eleições de 2015, nunca mais tiveram nada para propor, a não ser a mera defesa da situação existente contra a intenção de reformas atribuída a Pedro Passos Coelho. É, a esse respeito, significativo o recorrente esforço da maioria parlamentar para pintar os seus adversários como “radicais”, e decorar-se a si própria com prudências conservadoras. Em vez das bravuras keynesianas, das saídas do Euro ou dos repúdios da dívida, a geringonça fez outra coisa: segmentou  o país, dividindo-o entre filhos e enteados, e usando o Estado para favorecer uns à custa dos outros. Um exemplo: para ontem, esteve marcada mais uma greve dos inevitáveis camionistas de matérias perigosas. Não aconteceu, porque o ministro Pedro Nuno Santos reuniu rapidamente com quem precisava de reunir. É este o governo que temos: não tem nada a dizer ao país, enquanto conjunto dos cidadãos, mas tudo para dizer aos lóbis e grupos de interesse a que convenha ceder para continuar a mandar. Isto não dá para gerar entusiasmos, mas chega provavelmente para interessar certas tranches do eleitorado num voto que pareça garantir as vantagens obtidas.

O problema do PSD e do CDS é que nunca descobriram como reagir à política de segmentação. As noções de bem público e interesse comum,  dos primeiros tempos de oposição, não pareceram eficazes. Por isso,  direita deixou-se atrair fatalmente para o jogo da geringonça. É esse o sentido da votação parlamentar sobre as reivindicações do sindicato dos professores. Não sei se o episódio serviu para persuadir alguém de que Costa e os seus ministros ardem em zelo por um Estado viável. O que serviu certamente foi para convencer muita gente de que também o PSD e o CDS, tal como já antes as esquerdas, deixaram de acreditar no que quer que fosse, e estão dispostos a tirar partido de qualquer oportunidade para se aproximarem do poder. Foi esse precisamente o estado de espírito com que se fez a geringonça em 2015. O que quer dizer que, quatro anos depois, temos um parlamento em que ainda se distinguem as cores dos partidos, mas já quase não se distinguem as suas orientações. A direita parlamentar contribuiu dessa maneira para deixar o eleitorado sem outra bússola que não seja a da sua eventual dependência do Estado. O que naturalmente teria de favorecer quem, neste momento, está no poder.

Por toda a Europa, estas foram eleições em que os partidos dos regimes europeístas sentiram necessidade de fazer grande alarido com a ameaça de movimentos “anti-sistema”. Aqui, os quatro partidos do costume puderam dar-se ao luxo de nem dar pela existência de outros concorrentes. A geringonça reduziu o país a isto: cada um por si, e o BCE por todos. Nunca a sociedade portuguesa foi tão medrosa e egoísta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR