Eleições Europeias

Salve-se quem puder /premium

Autor
367

É este o governo que temos: não tem nada a dizer ao país, enquanto conjunto dos cidadãos, mas tudo para dizer aos lóbis e grupos de interesse que lhe parecem importantes para continuar a mandar.

Já sei que as sondagens não são as eleições. Também sei que os únicos resultados que contam são os que saírem das urnas na noite de domingo. Sei tudo isso, e ainda que não têm faltado, nos últimos anos, votações com surpresas. No entanto, as sondagens tendem, em geral, a significar alguma coisa, sobretudo no seu conjunto, e no caso destas eleições europeias, as previsões vão todas no mesmo sentido: o PS com uma percentagem frequentemente medíocre, mas distante do PSD, e o BE e o PCP com as percentagens de sempre, mas a par ou à frente do CDS. Se for assim, ou mais ou menos assim, teremos o resultado que mais naturalmente decorre do que os partidos parlamentares fizeram nos últimos anos.

O governo de António Costa e a sua maioria com o BE e o PCP não parecem ter convencido o país. Outra coisa não seria de esperar de partidos que, depois da rejeição das suas ideias nas eleições de 2015, nunca mais tiveram nada para propor, a não ser a mera defesa da situação existente contra a intenção de reformas atribuída a Pedro Passos Coelho. É, a esse respeito, significativo o recorrente esforço da maioria parlamentar para pintar os seus adversários como “radicais”, e decorar-se a si própria com prudências conservadoras. Em vez das bravuras keynesianas, das saídas do Euro ou dos repúdios da dívida, a geringonça fez outra coisa: segmentou  o país, dividindo-o entre filhos e enteados, e usando o Estado para favorecer uns à custa dos outros. Um exemplo: para ontem, esteve marcada mais uma greve dos inevitáveis camionistas de matérias perigosas. Não aconteceu, porque o ministro Pedro Nuno Santos reuniu rapidamente com quem precisava de reunir. É este o governo que temos: não tem nada a dizer ao país, enquanto conjunto dos cidadãos, mas tudo para dizer aos lóbis e grupos de interesse a que convenha ceder para continuar a mandar. Isto não dá para gerar entusiasmos, mas chega provavelmente para interessar certas tranches do eleitorado num voto que pareça garantir as vantagens obtidas.

O problema do PSD e do CDS é que nunca descobriram como reagir à política de segmentação. As noções de bem público e interesse comum,  dos primeiros tempos de oposição, não pareceram eficazes. Por isso,  direita deixou-se atrair fatalmente para o jogo da geringonça. É esse o sentido da votação parlamentar sobre as reivindicações do sindicato dos professores. Não sei se o episódio serviu para persuadir alguém de que Costa e os seus ministros ardem em zelo por um Estado viável. O que serviu certamente foi para convencer muita gente de que também o PSD e o CDS, tal como já antes as esquerdas, deixaram de acreditar no que quer que fosse, e estão dispostos a tirar partido de qualquer oportunidade para se aproximarem do poder. Foi esse precisamente o estado de espírito com que se fez a geringonça em 2015. O que quer dizer que, quatro anos depois, temos um parlamento em que ainda se distinguem as cores dos partidos, mas já quase não se distinguem as suas orientações. A direita parlamentar contribuiu dessa maneira para deixar o eleitorado sem outra bússola que não seja a da sua eventual dependência do Estado. O que naturalmente teria de favorecer quem, neste momento, está no poder.

Por toda a Europa, estas foram eleições em que os partidos dos regimes europeístas sentiram necessidade de fazer grande alarido com a ameaça de movimentos “anti-sistema”. Aqui, os quatro partidos do costume puderam dar-se ao luxo de nem dar pela existência de outros concorrentes. A geringonça reduziu o país a isto: cada um por si, e o BCE por todos. Nunca a sociedade portuguesa foi tão medrosa e egoísta.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos
616

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)