Olá

835kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Polícias criticam "mudança de discurso" de responsáveis políticos e voltam à rua esta sexta. Exigem que Governo "cumpra o prometido"

Pedro Costa incitou polícias a juntarem-se a ele na Assembleia, para não deixar cair "promessas da campanha". Alguns já confirmaram presença, outros preferem esperar por reunião com ministra.

Vigília de regresso à luta por melhores condições de trabalho está marcada para às 15h30, em frente à Assembleia da República
i

Vigília de regresso à luta por melhores condições de trabalho está marcada para às 15h30, em frente à Assembleia da República

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Vigília de regresso à luta por melhores condições de trabalho está marcada para às 15h30, em frente à Assembleia da República

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

“Temos de voltar à rua.” O apelo é feito por Pedro Costa, o agente da PSP que fez nascer o protesto dos polícias por melhores salários e condições de trabalho, que levou à paralisação de centenas de operações daquela força de segurança e que conseguiu gerar um consenso alargado entre os partidos políticos sobre a necessidade de equiparar parte do vencimento dos polícias ao dos inspetores da Polícia Judiciária. Para esta sexta-feira, está a ser convocada uma nova vigília de polícias: “Temos de lutar e esperar que a política formal negoceie. E depois ver no que dá“, sublinha Pedro Costa ao Observador.

Três meses depois de o agente da Polícia de Segurança Pública (PSP) ter saído de casa com apenas um “saco do lixo na mão” para pernoitar em frente à Assembleia da República, Pedro Costa explica que este pedido de mobilização pretende servir para garantir que o novo Governo “cumpre com o prometido”. E deverá ter milhares a juntar-se a ele, já esta sexta-feira.

Quem é Pedro Costa, a “criança de mãos e pés atados no mundo da polícia” que inspirou o protesto de centenas na PSP

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O dia 12 de abril é referido pelo Movimento INOP – o grupo de Telegram que reúne milhares de elementos das Forças de Segurança e que foi criado para reivindicar a revisão dos suplementos remuneratórios – como o momento para regressar à luta suspensa com o início oficial da campanha eleitoral para as legislativas de 10 de março.

Vários polícias já anunciaram a “presença” na vigília que, a partir das 15h30, ocupará a escadaria da Assembleia da República. Mas a decisão de avançar já com novo protesto, ainda antes de ser conhecida a posição oficial do novo Governo sobre as reivindicações dos polícias, não é consensual.

Alguns elementos as forças de segurança dizem preferir “aguardar pela reunião” com a nova ministra da Administração Interna, Margarida Blasco – que disse querer “começar a falar” com os sindicatos já este mês – para “perceber a disponibilidade para diálogo”. “A partir daí, tomaremos as medidas necessárias”, pode ler-se na mensagem de um dos elementos de um grupo que sempre se apresentou como inorgânico e sem orientações coordenadas superiormente.

[Já saiu o sexto e último episódio de “Operação Papagaio” , o novo podcast plus do Observador com o plano mais louco para derrubar Salazar e que esteve escondido nos arquivos da PIDE 64 anos. Pode ouvir o primeiro episódio aqui, o segundo episódio aqui, o terceiro episódio aqui, o quarto episódio aqui e o quinto episódio aqui]

Já Pedro Costa garante cumprir com aquilo que prometeu na Carta Aberta que escreveu a 6 de dezembro, em que admitia estar cansado de ver “a profissão a ser humilhada pelos políticos” e de ouvir “colegas com mais tempo de polícia” a dizer “que isto nunca esteve tão mal”: “Apenas deixarei a Assembleia quando todos os polícias tiverem um vencimento digno e justo“, anunciou, num vídeo publicado esta segunda-feira no Instagram. Na mesma publicação, o agente da PSP deixa também um apelo “à maioria confortável que espera para que os outros lutem por si”.

“Não fiquem à espera que as coisas fiquem como estão para continuarem a reclamar que ninguém resolve o problema ou que ninguém quer saber dos polícias. Se não lutarmos por nós, quem vai lutar?, questionou o agente da PSP do aeroporto de Lisboa.

“Lutem por vocês e pelos vossos colegas e camaradas. Vou voltar à casa mãe da democracia, à Assembleia, sempre que me for possível e peço a todos que voltem às vigílias a nível nacional”, garantiu, deixando um último grito de força: “Todos juntos somos um.”

“Os discursos da campanha estavam a ir num sentido, mas mudaram. Já não somos a prioridade”

Passaram quatro meses desde que Pedro Costa decidiu pegar na caneta para escrever a Carta Aberta que fez nascer o protesto dos polícias. Passaram três meses desde que cumpriu a promessa e se dirigiu à Assembleia da República para lutar por melhores condições de trabalho e para combater o que diz ser um tratamento “desigual” face à Polícia Judiciária. Desde então, considera, nada mudou. Nem mesmo com os partidos do lado das forças de segurança.

“Infelizmente, a nossa política vive de muitas promessas. Mas depois ruma sempre para o mesmo sítio”, lamenta ao Observador o agente da PSP do Aeroporto de Lisboa.

Pedro Costa e os elementos das forças de segurança que se juntaram a ele e ao Movimento INOP suspenderam a luta durante a campanha eleitoral, porque, dizem, “acharam que deveria ser feito”.

Ainda antes do início da campanha, os membros do movimento foram alvo de duras críticas por parte de vários partidos depois de terem feito uma “espera” aos líderes do PS e da Aliança Democrática, no dia em que Pedro Nuno Santos e Luís Montenegro tiveram o seu frente-a-frente no Capitólio, em Lisboa.

Pedro Costa diz agora, no vídeo publicado no Instagram, que, “ao contrário de certas opiniões tendenciosas acerca de nós, ninguém respeita mais a democracia ou a lei do que os polícias“. E justifica a interrupção dos protestos com o arranque oficial da campanha eleitoral. “Achámos que o resto da campanha deveria ser feita sem acusações de coação ou similares, dando a devida paz, tranquilidade e espaço à restante campanha. Mas suspender não é pôr um ponto final”, garantiu.

Tanto que não é um ponto final que Pedro Costa, que regressou ao trabalho no aeroporto assim que a luta foi suspensa, já retomou as vigílias regulares na Assembleia da República, ainda que em “diferentes moldes”. “Sempre que puder, vou lá. Ainda ontem [segunda-feira] estive lá”, recorda.

Ao Observador, o agente da PSP revela que a razão para o renascimento da luta está diretamente ligado à “mudança de discurso” dos responsáveis políticos, face aos da campanha eleitoral. “Os discursos da campanha estavam a ir num sentido. Os novos discursos já o mudaram. Já não somos a prioridade”, garante.

Ainda que seja esse o sentimento de Pedro Costa, e de muitos polícias que gritaram o seu nome na rua, ainda esta segunda-feira as forças de segurança foram mencionadas na carta que o secretário-geral do PS, Pedro Nuno Santos, dirigiu ao novo primeiro-ministro, Luís Montenegro, tendo este proposto trabalharem em conjunto para valorizar as carreiras e os salários dos “trabalhadores da Administração Pública, em especial dos profissionais de saúde (de todos, não apenas dos médicos), das forças de segurança, dos oficiais de justiça e dos professores”.

Pedro Nuno Santos escreveu a Montenegro a propor acordo até julho

Na resposta, também em formato de telegrama, Montenegro aceitou reunir-se com o líder do PS, ressalvando que o encontro teria de ficar para depois das negociações com as “organizações representativas dos setores” da Administração Pública, nomeadamente profissionais de saúde, forças de segurança, oficiais de justiça e professores.

Montenegro aceita marcar reunião com Pedro Nuno, mas só depois de negociar com setores

Além dos dois partidos com maior força na Assembleia da República, também o Chega, que se tem colocado ao lado dos polícias desde o início, disse estar disponível a viabilizar um orçamento retificativo focado em várias medidas, nomeadamente a equiparação do suplemento de missão de todas as forças de segurança ao da PJ.

O Bloco de Esquerda defendeu a valorização das carreiras dos polícias logo no primeiro dia da legislatura, no conjunto de de dez propostas apresentadas para este mandato.

No que diz respeito à nova ministra da Administração Interna, Margarida Blasco, disse, na tomada de posse dos secretários de Estado, estar confiante de que vai “alcançar um porto muito seguro para todos” os elementos das forças de segurança. Já quando questionada sobre se o Governo tem uma folga orçamental para responder a exigências dos polícias, remeteu para o colega de Governo: “Isso tem de perguntar ao ministro das Finanças.

Margarida Blasco e a existência de folga orçamental para responder a exigências dos polícias: “Tem de perguntar ao ministro das Finanças”

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas