Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não sei se a Europa estava preocupada. Mas estivesse ou não, Rui Rio resolveu sossegá-la. Foi assim que em Zagreb, na reunião do Partido Popular Europeu, anunciou que os maiores partidos parlamentares portugueses, PSD e PS, estavam de excelente saúde, e que portanto, ao contrário de outras democracias na Europa, o regime em Portugal passa muito bem. Há aqui várias coisas curiosas. A primeira é a identificação do bem-estar do regime com o dos dois maiores partidos: sim, os nossos partidos, como Luís XIV, acham mesmo que o regime são eles. A outra coisa diz respeito ao diagnóstico de Rui Rio. Não contesto as suas qualificações. Mas talvez conviesse à Europa ouvir uma segunda opinião.

Para Rio, a excelente saúde do PSD e do PS medem-se pela percentagem de cadeiras em S. Bento ocupadas pelos seus deputados: 81%. Em Portugal, segundo Rio, o sistema partidário não se fragmentou, e os novos partidos têm uma representação residual. É de facto assim. Mas em que parte esse número de deputados se deve aos votos dos eleitores, e em que parte se deve ao método de apuramento dos mandatos? Sabemos que um deputado do PSD ou do PS vale muito menos votos do que um deputado dos outros partidos. Com outro sistema eleitoral, talvez a percentagem de mandatos atribuída ao PSD e ao PS fosse outra, e mais difícil a tarefa de tranquilizar a Europa sobre a estabilidade da partidocracia portuguesa.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.